relacionar

As diferenças completam e equilibram os relacionamentos

As diferenças não são barreiras

No nosso dia a dia, interagimos com pessoas diferentes, e cada uma exerce impacto sobre a forma como agimos e tomamos decisões. É difícil nos comunicarmos bem com pessoas que não compreendemos, porque, frequentemente, interpretamos de forma incorreta ações ou palavras do outro e, muitas vezes, sentimo-nos frustrados ao nos relacionarmos com quem age e pensa de forma oposta a nossa. Devido às diferenças, precisamos ter consciência das motivações subjacentes do outro, para que resolvamos os conflitos antes mesmo que estes aconteçam.

-As-diferenças-completam-e-equilibram-os-relacionamentos-Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Quando compreendemos as razões de alguém sobre aquilo que fez ou disse, é menos provável que reajamos negativamente. Como afirma diácono Nelsinho Corrêa: “As diferenças não são barreiras, mas riquezas”. É assim que precisamos ver as diferenças de temperamentos: como riquezas. E elas só podem se tornar riquezas se sairmos de nós mesmos para nos colocarmos no lugar do outro, procurando entender suas motivações.

Idealização

A questão é que criamos um modelo coletivo de pessoa para nos relacionar, especialmente quando se refere a um relacionamento amoroso. Trazemos em nossa mente certo “tipo” de pessoa idealizada, tanto no aspecto físico quanto em características comportamentais. Isso faz com que nos relacionemos apenas com as aparências e não com a pessoa em si. Assim, as nossas relações correm o risco de se tornar cada vez mais superficiais. Dessa forma, as frustrações vão acontecendo, pois, como não conhecemos as riquezas e o valor do outro, julgamos pelas aparências.

Na verdade, as diferenças nos complementam. Enquanto encontramos pessoas que são calorosas, amáveis, simpáticas, com capacidade de atrair os outros como se fossem um imã; por outro lado, também encontramos outras que são práticas e possuem firmeza inabalável, são líderes natas. Essas pessoas obtêm sucesso onde os outros fracassaram.

Leia mais:
::Como saber se vivo um namoro abusivo?
::Existe desilusão amorosa em um verdadeiro amor?
::Como esperar pelo José que nunca chega?
::O que fazer para o namoro dar certo?

Amor autêntico

Aquele que é muito prático pode ter certa dificuldade em se relacionar, em conquistar a simpatia dos outros, e esta sua “deficiência” pode ser complementada se tem ao seu lado uma pessoa calorosa, simpática, que tem como ponto forte a capacidade de se relacionar.

Precisamos entender que ninguém é perfeito, que todos nós temos limitações e fraquezas. Precisamos caminhar num processo de aceitação de nós mesmos, de nossas limitações e fraquezas, assim como necessitamos aceitar o outro como ele é. A chave de bons relacionamentos está na aceitação do outro como ele realmente é, sem exigir dele uma mudança, a qual, muitas vezes, não conseguimos em nós mesmos.

Victor Frankl afirma que “o amor nos faz contemplar a imagem de valor de um ser humano”. Para ele, o amor autêntico capta o que a pessoa é no seu caráter de algo único e na irrepetibilidade e simultaneamente ajuda o outro a se conhecer melhor, alargando os horizontes. O amor autêntico traz em si reciprocidade, por meio do qual cada um se esforça para ser digno do outro e busca vir a ser tal como o outro o vê.

O segredo, portanto, está em procurar pelas riquezas que a pessoa traz em si; aceitar sem exigir mudança do outro, buscando enxergar os acontecimentos por meio do ponto de vista do outro, saindo de si mesmo. É necessário que abramos mão do que trazemos de figura idealizada para que possamos nos encontrar com a riqueza que é o outro.


Manuela Melo

Neuropsicóloga e Psicóloga Clínica, Manuela Melo cursou MBA em Gestão de Pessoas. Membro da Comunidade Canção Nova por 20 anos, hoje a psicóloga atua em Recife e Surubim, ambas cidades do Estado de Pernambuco, onde ela reside atualmente. Contato: manuelamelocn@gmail.com

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.