como assim?

Maria na Palavra e a Palavra em Maria

A pergunta que muitos fazem nesta hora é: onde está tudo isso na Bíblia? Antes de responder a essa pergunta (que, sim, tem resposta!), é preciso pontuar duas questões.

Em primeiro lugar, o católico tem a sua fé fundamentada não somente na Sagrada Escritura, mas também na Sagrada Tradição e no Sagrado Magistério da Igreja. O que Cristo revelou foi transmitido pelos santos apóstolos de duas maneiras: por escrito e oralmente. Parte dessa Revelação foi escrita sob
inspiração do Espírito Santo, a que nós chamamos Sagrada Escritura ou Bíblia; a outra parte desta Revelação não foi escrita, mas é uma Palavra vivida e atestada na vida da Igreja, a que nós chamamos Tradição (cf. CEC 81). Assim, enquanto a Bíblia é a Palavra de Deus escrita, a Tradição é a Palavra de Deus vivida na vida da Igreja, principalmente na vida dos santos.

Maria na Palavra e a Palavra em Maria

Foto ilustrativa: germi_p by Getty Images

A formação da Bíblia, como conhecemos hoje, foi um processo só concluído quatro séculos depois de Cristo. Nos anos 382 e 397, no pontificado do Papa São Dâmaso, o cânon dos livros sagrados foi fixado pela Igreja (cf. DhZ 179; 186). Por isso, diz Santo Agostinho: “Eu não creria no Evangelho, se a isto não me levasse a autoridade da Igreja Católica” (apud CEC 119). E os numerosos milagres e sinais extraordinários, na vida terrena de Cristo, dos santos apóstolos e na história da Igreja, muitos destes milagres ligados à Eucaristia e à Virgem Maria, são assinatura de Deus e auxílio para despertar a nossa
3 (cf. CEC 156).

A Sagrada Escritura, assim como a Tradição, nós a conhecemos através do Magistério da Igreja, isto é, do Papa (sucessor do Apóstolo São Pedro) e dos bispos em comunhão com ele (cf. CEC 85), cumprindo-se a promessa de Deus: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos  Céus: tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mt 16,18-19).

Assim se estrutura o tripé da nossa fé: Escritura, Tradição e Magistério. O Concílio Vaticano II nos ensina que este tripé é unido de tal forma que um não se sustenta sem o outro (cf. DV 10).

Leia mais:
.:Nossa Senhora do Ó e a expectativa pela segunda vinda do Senhor
.:Como ter um santo de devoção?
.:A virtude da Sabedoria Divina de Nossa Senhora
.:Legião de Maria: uma espiritualidade eminentemente mariana

Maria está presente nos momentos principais da salvação

Em segundo lugar, mais do que procurar Maria na Palavra, procuremos a Palavra em Maria, pois ela gera Jesus Cristo, a Palavra de Deus que se fez Carne (cf. Jo 1,14). Por outro lado, a Bíblia nos apresenta referências à Virgem Maria, sobretudo no Evangelho. Sendo Cristo o centro do Evangelho, as referências
a Maria são sempre apontando o Cristo, como ela disse nas Bodas de Caná: “Fazei tudo o que Ele vos disser!” (Jo 2,5). São Luís chega a dizer que Deus escondeu Maria pela sua grande humildade, por ela mesmo ter pedido a Deus que em sua vida terrena a escondesse (cf TVD 3; 50). Ele diz:

A fim de atender aos pedidos que ela lhe fez para que a ocultasse, empobrecesse e humilhasse, aprouve a Deus ocultá-la. […] Deus Pai consentiu que ela não fizesse milagres em vida, pelo menos manifestos,
embora lhe tivesse dado poder para isso. Deus Filho permitiu que quase não falasse, tendo-lhe embora comunicado a sua sabedoria. Deus Espírito Santo permitiu que os apóstolos e evangelistas falassem
muito pouco sobre ela, apenas o puro necessário para dar a conhecer a Jesus Cristo, apesar de ser ela a sua esposa (TVD 3-4).

Mesmo assim, Maria está presente nos momentos principais da história da salvação: a Encarnação, a Páscoa e o Pentecostes (cf. CANTALAMESSA, 2012).

Referências Bibliográficas:

3 Não há como deixar de citar aqui o Santo Sudário, o milagre eucarístico de Lanciano, o manto de Guadalupe, a incorrupção dos corpos de alguns santos e milagre do sol ocorrido em Fátima, todos com abundante documentação.

Trecho extraído do livro “Sou todo teu, Maria”, de padre Francisco Amaral

comentários