a maior

Semana Santa, a semana das semanas

Se você é católico, com certeza conhece a expressão “Semana Santa”. Mas você sabia que ela também é chamada de “A Semana Maior”? Ela é maior não somente porque, ao invés de ter sete dias, contém oito – sendo dois domingos, mas, sobretudo, porque ela celebra o coração do mistério de nossa salvação.

Ela é uma semana de grande importância para toda a humanidade, o centro da história e, ao mesmo tempo, o seu fim, já que ela aponta e conduz ao fim da nossa caminhada na terra, a nós que desejamos a Vida eterna.

Essa salvação se realiza na Páscoa de Cristo que, passando pelo sofrimento e pela morte, entra na vida nova da Ressurreição. Em Jesus, o Filho de Deus, a humanidade tem acesso à Páscoa eterna. Nesse sentido, são Paulo nos diz que “nós somos cidadãos dos céus. É de lá que ansiosamente esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará nosso mísero corpo, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, em virtude do poder que tem de sujeitar a si toda criatura” (Fl 3,20-21).

Semana Santa, a semana das semanas

Foto ilustrativa: duckycards by Getty Images

Todos os anos a Igreja nos oferece esse tempo forte e de muitas graças, considerado o ápice do ano litúrgico, que começa no Domingo de Ramos e segue até o Domingo de Páscoa.

A liturgia nos convida então a acompanhar Jesus passo a passo, desde a sua chegada em Jerusalém, até o encontro de Jesus ressuscitado com os discípulos, passando pela colina do Gólgota onde foi crucificado. Toda essa trajetória alimenta nossa fé e nos ajuda a compreender e a experimentar o grande amor de Deus por nós.

A Semana Santa contém vários eventos de grande importância para nós:

– O Domingo de Ramos, com a entrada triunfal de Jesus na cidade santa de Jerusalém.

– O Tríduo Pascal (três dias):

  • Quinta-feira Santa: Jesus lava os pés dos apóstolos e institui a Eucaristia e o sacerdócio.
  • Sexta-feira Santa: Jesus sofre e entrega sua vida por amor por nós.
  • Sábado Santo: o corpo do Senhor está no túmulo. Dia de silêncio. Nenhuma celebração é feita durante o dia.

– A grande vigília Pascal: acontece no sábado à noite para celebrar a Ressurreição de Jesus. Em seguida, no domingo, continuamos a celebrar com grande júbilo a presença viva de nosso Senhor.

O catecismo da Igreja católica diz: “a Páscoa não é simplesmente uma festa entre outras: é a «festa das festas»,  a «solenidade das solenidades», tal como a Eucaristia é o sacramento dos sacramentos (o grande sacramento). […] O mistério da ressurreição, em que Cristo aniquilou a morte, penetra no nosso velho tempo com a sua poderosa energia, até que tudo Lhe seja submetido” (§1169).

Leia mais:
.:Procissão do Encontro na Semana Santa
.:Contemple as estações da via-sacra
.:Sexta-feira Santa: meditação da Santa Cruz
.:Qual a diferença entre Quaresma e Semana Santa?

Um convite para você!

Participar das celebrações litúrgicas propostas pela Igreja é de grande importância para que possamos (re-)viver esses eventos como se estivéssemos ao lado de Jesus em Jerusalém. Elas despertam em nós sentimentos de compaixão, de contrição e de reparação, além de nos dar forças para carregarmos a nossa cruz, nos ajudar a viver na esperança e a entrar na alegria da ressurreição e da Vida eterna.

Deixo então um convite: aproveitemos o quanto for possível de tudo o que é proposto nesse tempo em nossas paróquias, comunidades e movimentos. O ideal é que seja de forma presencial. Mas, se por razões sanitárias isso não for possível, acompanhe e reze através dos meios de comunicação social.

Consagre um tempo maior à oração e à meditação dos mistérios que celebramos, leia as passagens bíblicas correspondentes ou os textos litúrgicos do dia. Podemos achar que já os conhecemos, mas a Palavra sempre traz uma luz nova para nossos caminhos.

Que Deus os abençoe e lhes conceda a graça de uma abençoada Semana Santa!


Padre André Favoretti

Natural de Vitória – ES, foi ordenado sacerdote dia 25/06/2017, na diocese de Fréjus-Toulon, onde atua como missionário. Antes de ser padre, concluiu uma licenciatura em Geografia (UFES), foi professor e fez uma pós-graduação em filosofia (UFOP).

comentários