Compreenda

Você sabe o que é o purgatório e o que a Igreja diz sobre ele?

É frequente rezar, especialmente neste mês de novembro, pelas “almas do purgatório”. Mas o que é o purgatório? Nós lemos, no Evangelho de Mateus, que um fariseu fez a seguinte pergunta a Jesus: “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?”. Jesus respondeu: “Amarás ao Senhor teu Deus, com todo o teu coração, com toda  a tua alma e toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro mandamento. E segundo é-lhe semelhante: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22,35-39).

Vamos refletir sobre essa resposta e nos perguntar com sinceridade: quem de nós ama a Deus com todo o coração, alma e mente?  Quem de nós ama o próximo como  a si mesmo? No primeiro domingo de novembro, a Igreja, no Brasil, celebra a festa de todos os santos e, continuamente, apresenta-nos uns “modelos” daqueles que, de verdade, amaram a Deus e ao próximo “com toda a sua vida”.

Você sabe o que é o purgatório e o que a Igreja diz

Foto Ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Nós, humildemente, olhamos para esses modelos e precisamos confessar: eu não amo a Deus como um São Francisco, uma Santa Clara, um Santo Afonso, um S. João XXIII, uma Madre Paulina, um Padre Vítor Coelho de Almeida; ou como muitos outros cristãos pouco conhecidos, mas que deram um extraordinário exemplo de fé e amor. Nosso amor a Deus e ao próximo, frequentemente, fica misturado com egoísmo, com vaidade, presunção, negligência, falta de delicadeza, instabilidade e “pouca fé”.

O purgatório segundo o Catecismo da Igreja Católica

O Catecismo da Igreja Católica nos ensina a distinguir entre pecado mortal e pecado venial (N. 1855-1856). Na primeira situação, o ser humano teve um comportamento tão grave, que rompeu sua ligação mais profunda, tanto com Deus quanto com o próximo. No segundo caso, essa ligação permanece, mas não é perfeita.

O que acontece quando o homem chega ao fim da sua vida e deve entrar em contato com o Deus totalmente santo? Com Deus ninguém convive se não for totalmente d’Ele. Diz o livro do Apocalipse (21,27) que, no céu, na “cidade santa”, na “nova Jerusalém (…) não entrará nada de impuro”.

É aqui que reside o lugar teológico do purgatório. O purgatório significa, pois, a graciosa possibilidade que Deus concede ao homem de poder e dever, na morte, amadurecer radicalmente. O purgatório é esse processo doloroso, como todos os processos de ascensão e educação, no qual o homem, na morte, atualiza todas as suas possibilidades, purifica-se (daí o termo “purgatório”) de todos os limites, fruto da própria história de pecado, de maus hábitos adquiridos ao longo da vida.

São Pedro, na sua primeira carta (1,14-16) escreve: “Como filhos obedientes, não vos conformeis com os desejos que tínheis no tempo da vossa ignorância; mas, assim como aquele que vos chamou é santo, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito ‘Sereis santos porque eu sou santo’ (Levítico 11,44)”.

Como não lembrar de outra palavra que lemos em Mateus 5,48: “Sede perfeitos, como é perfeito vosso Pai celeste?”.

Deus nos pede a perfeição, Ele nos quer perfeitos e, por meio da Sua graça, que sempre nos acompanha nesta e na outra vida, ele nos transforma de imperfeitos em perfeitos. Essa graça, na vida presente, é oferecida à nossa “liberdade”. O homem pode dizer a Deus um ‘não’ definitivo ou ‘sim’, mas não de uma maneira perfeita. Então, a sua graça nos acompanha até o momento em que esse ‘sim’ se tornará perfeito: e se isso não acontece antes da nossa morte, acontecerá depois dela, para aqueles que escolheram amar a Deus e ao próximo, mas não chegaram a fazê-lo “com todo o coração”. Eis o “lugar”, ou melhor, o “estado”, a “situação” do Purgatório.

Por que purgatório?

A essa altura, pode-se perguntar quando, na história e na doutrina da Igreja, fala-se do purgatório.

Na antiga Igreja, a ideia do purgatório se desenvolveu em relação à prática penitencial. De fato, se por um lado Jesus concedeu aos apóstolos o poder de perdoar os pecados (cf. João, 20,22-23), por outro, a Igreja organizou sua “prática penitencial” de maneira diferente, em épocas diferentes. Hoje, temos a modalidade do sacramento da “confissão”, mas, desde o início até o século VI, houve a modalidade da penitência pública, concedida uma vez na vida e reservada para os pecados mais graves e públicos, caracterizada por um longo (de anos) e difícil caminho de expiação, que se concluía com uma reconciliação eclesial, por meio do bispo.

Reinava, então, a insegurança quanto ao batizado que houvesse cometido um pecado mortal e em consequência se achasse excluído da vida comunitária da Igreja, se estava suficientemente purificado e havia feito suficiente penitência para poder ser admitido novamente na Celebração Eucarística. E, em suas dúvidas, as autoridades eclesiásticas se decidiam a conceder a reconciliação, que, às vezes, parecia demasiado prematura, movidas pelo pensamento de que, além da morte, existe uma possibilidade de purificação ou reconciliação. Quem mais difundiu a doutrina do purgatório foi o Papa Gregório Magno  (papa desde o ano de 590 até 604).

A convicção eclesiástica criou diversas formas de expressão na liturgia. Já no século II, atesta-se uma oração pelos falecidos. Desde o século III, existe o costume de orar por eles durante a Celebração da Eucaristia.

A Igreja Católica ensinou explicitamente a existência do purgatório no Segundo Concílio de Lião (1274), no Concílio de Florença (1439) e no Concílio de Trento (1545-1563).

O que fazer para não passar pelo purgatório?

Diante desse ensinamento da Igreja, vamos agora nos perguntar: “O que vamos fazer para “evitar” o purgatório ou para chegarmos no fim da vida mais “purificados” do que estamos agora?

“Viver é aprender”, diz o provérbio. Temos a vida toda para aprender a “amar a Deus de todo o coração e  amar o próximo como a nós mesmos”. Nessa caminhada, fazemos também a experiência do pecado, mais ou menos grave. Não podemos, então, esquecer o significado da palavra Evangelho. Essa importante palavra vem do grego e se traduz como “boa nova”, “bela notícia”. Qual é a “bela notícia”? Ei-la: Deus é misericórdia, Deus é graça, Deus perdoa, Deus é como o Pai do Filho Pródigo. Manifestou esse amor dando-nos seu Filho, Jesus, nosso Salvador, que deu a vida por nós, que nos salvou através da sua morte – ressurreição e do dom do Espírito Santo. Naturalmente, o homem tem que fazer a sua parte, acreditando neste amor e convertendo-se.

Falamos que a Igreja é santa e pecadora ao mesmo tempo. Trata-se, para todos nós, de uma luta contínua entre o pecado e a graça. Vamos, aos poucos, aprender a “viver como Jesus viveu”. É um processo educacional: os que mais aprendem, às vezes, depois de uma experiência de pecado, chegam no fim da vida “purificados”, “prontos” para “ver a Deus face a face”. Os que escolheram a Deus de verdade, mas que ainda não se aperfeiçoaram de maneira completa,  na morte irão completar este “processo de conversão”: eis o “purgatório”.

Leia mais:
.: Purgatório – Formação
.: E se não existisse purgatório? – Formação
.: O que é o Catecismo da Igreja Católica?
.: Rezar pelos mortos é um ato de caridade

Quanto vai durar? Depois da morte vamos ficar sem relógio. No fundo, é ridículo falar de 100 anos ou de mil anos de purgatório. Entramos no mistério da vida após a morte. Só Deus sabe.

Em suma, somos chamados, desde já, a percorrer o caminho da santidade. Não vamos esquecer que, no Concílio Vaticano II (1962-1965), a Igreja falou da “Vocação universal à santidade” (cf. Documento sobre a Igreja, Lumen Gentium, n. 39-42). Todos os cristãos são chamados a ser santos, naturalmente dentro da específica vocação de cada um.

Por fim, lembramos que, no Dia de Finados, reza-se especialmente pelos mortos, visitam-se os cemitérios. A que se devem essas práticas? São válidas?

A oração pelos mortos

A oração pelos mortos têm raízes já na crença dos próprios judeus, quando ocorreu o episódio de Judas Macabeus (II século antes de  Cristo). Narra-se aí que alguns soldados judeus foram encontrados mortos num campo de batalha, tendo debaixo de suas roupas alguns objetos consagrados aos ídolos, o que era proibido pela Lei de Moisés. Então, Judas Macabeus mandou fazer uma coleta para que fosse oferecido em Jerusalém um sacrifício pelos pecados desses soldados. O autor sagrado louva a ação de Judas nestes termos:   “Se ele não esperasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles. E acreditava que uma bela recompensa aguarda os que morrem piedosamente. Era este um pensamento santo e piedoso. Por isso, pediu um sacrifício expiatório para que os mortos fossem livres das suas faltas”. (2 Mac 12,44-46)

Nesse caso, vemos pessoas que morreram na amizade de Deus, mas com uma incoerência que não foi a negação da fé, já que estavam combatendo no exército do povo de Deus contra os inimigos da fé.

No Credo, nós cristão professamos a fé na “comunhão dos santos“. O que significa isso?

Procuramos a resposta no Catecismo da Igreja Católica, que assim se expressa: “A expressão comunhão dos santos designa, em primeiro lugar, as coisas santas e, antes de mais, a Eucaristia, pela qual ‘é representada e se realiza a unidade dos fiéis que constituem um só Corpo em Cristo’. Esse termo também designa a comunhão das pessoas santas em Cristo, que ‘morreu por todos’, de modo que o que cada um faz ou sofre por Cristo e em Cristo reverte em proveito de todos. Nós cremos na comunhão de todos os fiéis de Cristo: dos que peregrinam na terra, dos defuntos que estão levando a cabo a sua purificação e dos bem-aventurados do céu: formam todos uma só Igreja; e cremos que, nesta comunhão, o amor misericordioso de Deus e dos seus santos está sempre atento às nossas orações.” (N. 960-962).

Então, visitando os cemitérios e rezando pelos falecidos, manifestamos a fé na “comunhão dos santos”; e, acima de tudo, manifestamos a fé na ressurreição dos mortos. A esse respeito, gostaria de concluir com as belíssimas palavras do Apóstolo Paulo, que encontramos na Primeira Carta aos Tessalonicenses (4, 13-18).

“Não queremos, irmãos, que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para não vos entristecerdes como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também devemos crer que Deus levará por Jesus e com Jesus os que morrem nele. Seremos arrebatados juntamente com eles (quer dizer, com os que já morreram) sobre as nuvens; iremos ao encontro do Senhor nos ares e assim estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos portanto com estas palavras”.

Vamos, então, visitar os cemitérios e rezar pelos falecidos; essas práticas são validas, pois nascem da nossa fé e a alimentam.

banner the church


Lino Rampazzo

Doutor em Teologia pela Pontificia Università Lateranense (Roma), Lino Rampazzo é professor e pesquisador no Programa de Mestrado em Direito do Centro Unisal – U.E. de Lorena (SP) – e coordenador do Curso de Teologia da Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP).

comentários