Paraíso, sinal da familiaridade com Deus

O paraíso é sinal da familiaridade do homem com Deus

O homem foi criado bom e na amizade do seu Criador e em tal harmonia consigo mesmo e com a criação… que só serão superadas pela glória da nova criação em Cristo (Catecismo da Igreja Católica, §374).

Paraíso, sinal da familiaridade com DeusFoto: Wesley Almeida / cancaonova.com

Criados em “estado de santidade”: participação na vida divina; e “estado de justiça original”: harmonia consigo, com a mulher, com os animais e com o Criador (Conc. Trento, DS 1511).

Enquanto permanecesse na intimidade divina, o homem não devia nem morrer (Gn 2,17; 3,19) e nem sofrer (Gn 3,16).

O homem estava intacto e ordenado em todo o seu ser, porque livre da tríplice concupiscência: prazeres dos sentidos, cobiça dos bens terrestres e soberba. (I Jo 2,16).

O sinal da familiaridade com Deus é o fato de Deus o colocar no jardim. Lá vive “para cultivá-lo e guardá-lo” (Gn 2,15).

O trabalho não é uma penalidade (Gn 3,17-19) mas sim a colaboração do homem e da mulher com Deus no aperfeiçoamento da criação visível.

Leia mais:
.: A arte de perseverar é a certeza do paraíso
.: O paraíso de Deus é o coração do homem
.: Ordem e beleza perdida e restaurada na criação de Deus


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.