e agora?

Os pais se divorciaram. Como fica o relacionamento com os filhos?

O casamento se mantém como uma promessa de união eterna. Ao escolher uma esposa ou marido, é comum o desejo de ter consigo essa pessoa até o fim da vida. Essa também é a interpretação da sociedade. Famílias e amigos creem na permanência do matrimônio, aceitando os cônjuges como um. Nesse contexto, o fim do matrimônio é sempre uma situação de constrangimento, não necessariamente pela rejeição, mas pela quebra de uma promessa social de união. Mais difícil se torna a situação quando o casal tem filhos, que podem se tornar vítimas indefesas desse momento de tribulação.

Os motivos que acarretam o fim do matrimônio são os mais diversos. Na infeliz hipótese de um rompimento – seja qual for o motivo – o cônjuge que não deseja o fim da relação tem que lidar com o próprio sentimento de rejeição e, como o sofrimento tende a nos cegar para as consequências dos nossos atos, os filhos, frequentemente, são vítimas ingênuas. Poucas pessoas conseguem gerir o sentimento de rejeição de forma saudável.

Para amenizar as consequências do divórcio nos filhos é preciso, primeiro, controlar os conflitos dos pais. Diante do sofrimento é difícil exigir dos pais a compreensão de que as agressões entre eles são exemplos fortemente influenciadores em seus filhos. Isso porque a separação conturbada tende a fundamentar acusações, xingamentos, discussões e outros males que tomam toda a atenção dos pais, acabando por não observar o comportamento dos filhos.

Os pais se divorciaram. Como fica o relacionamento com os filhos?

Foto ilustrativa: fizkes by Getty Images

Sofrimento individual, filhos e a Igreja

É preciso uma compreensão de clara que, mesmo diante de mágoas, intrigas e até traições, o pai continua pai e a mãe continua mãe. O homem ou a mulher que tanto magoou ainda tem muito a acrescentar na criação dos filhos. Claro que, na teoria, isso parece bem óbvio e simples, mas, na prática, não é bem assim. O fim da união é, geralmente, vivido sem a coragem do perdão, da paciência, da reconciliação e até do sacrifício. Portanto, cabe a cada um dos ex-cônjuges manter-se ponderado diante dos filhos, para que as mazelas da separação os atinjam de forma menos traumática.

Superado o sofrimento individual, é preciso voltar os olhos para os filhos e exercer toda a paciência e compaixão para explicar o que, muitas vezes, nem mesmo os pais entenderam. E se há dificuldade em apresentar uma solução particular para os pais que estão se divorciando, é possível demonstrar o papel da Igreja diante do sofrimento dos fiéis, sugerida pelo Sínodo dos Bispos na III Assembleia Geral Extraordinária:

“Um discernimento particular é indispensável para acompanhar pastoralmente os separados, os divorciados, os abandonados. Deve ser acolhido e valorizado o sofrimento daqueles que padeceram injustamente a separação, o divórcio ou o abandono, ou então, por causa dos maus-tratos do cônjuge, foram obrigados a interromper a convivência. O perdão pela injustiça sofrida não é fácil, mas se trata de um caminho que a graça torna possível. Daqui, deriva a necessidade de uma pastoral da reconciliação e da mediação, também através de centros de escuta especializados, que devem ser criados nas dioceses”.

Leia mais:
::Razões para entender a indissolubilidade do matrimônio
::Os dez atos para o casamento feliz
::Os maiores desafios depois do divórcio
::Quais os impactos da separação dos pais na vida dos filhos?

É preciso compreensão da comunidade cristã diante de algumas dissoluções matrimoniais. O cuidado com eles não é demérito para a doutrina da igreja, pelo contrário, é demonstração de caridade. Com isso, inseridos em um cenário de acolhimento e amenizados os sofrimentos individuais, o tratar dos filhos se torna resultado natural do amor em comum que os pais têm por eles. Que o amor seja sempre o fundamento de nossas relações, e se surgir, em nosso meio, a separação, que a caridade e a compreensão possam amparar os que sofrem. Que assim seja.

Referências:

PAPA FRANCISCO. Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris Lætitia. Roma, 19 mar. 2016.

SÍNODO DOS BISPOS. Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização. Cidade do Vaticano. 2014.

banner pais e filhos


Luis Gustavo Conde

Advogado com atuação na área de Direito de Família e Direito Bancário. Professor de cursos técnicos. Catequista no Santuário de Nossa Senhora Aparecida em Ribeirão Preto/SP. Palestrante focado na doutrina cristã. Contato: lg.conde@icloud.com Twitter: @luisguconde

comentários