Assim é a vida em família...

Escutei o pequeno Christian dizer: “Pai, me leva no Júlio”! E ele: “Hoje, não”. O pequeno insistiu, com voz chorosa: “Pai, me leva no Júlio”. Resposta com voz decidida: “Hoje, não”! Depois ouvi a mãe dizer para o marido: “A propósito, estou levando o Christian para o Júlio, mas já volto”. Perguntei ao Christian: A quem é mais fácil convencer, o pai ou a mãe? E o Christian, com doçura: “A mãe. Ela me ajuda a mudar o pai”. Como você faz para mudar a mãe? O menino revelou a estratégia: “Eu choro”!

A mãe explicou para a filha que as meninas são assim porque Deus assim as fez. E a filha: “Deus também fez os meninos”? E a mãe, com naturalidade: “Deus também fez os meninos”.

Dois exemplos de diálogo. Assim é a vida em família, onde o ser humano é acolhido com amor, é promovido e defendido. Nenhuma instituição faz isto melhor do que a família. Por isto, de 13 a 19 de agosto (2006), celebramos a Semana da Família, sob o lema: “Bendita a família acolhedora da vida”.


Participe do Acampamento “PHN – Afetividade e sexualidade”
na Canção Nova, de 25 a 27 de agosto


Sempre de novo se insiste de que a vida em família é iniciação à vida em sociedade. Parece evidente. Mas o contrário também não é evidente? Os jovens que lotam nossos presídios tiveram uma vida normal em família?

Um jornalista me disse: “Eu não vou viver muito tempo com a mesma mulher”. E os filhos, sem amor estável?, perguntei. E ele: “Nada a ver”. Aconselhei: Se os filhos não tiverem um lar estável, reserve para eles uma cela no presídio. Pois crescerão carentes e revoltados. Logo se vingarão, agredindo a sociedade.

A família é também educadora da fé. Inclusive os filhos aprendem que seguir a Jesus é pertencer à “Família de Deus”, onde todos os seres humanos têm vínculos fraternos e igual dignidade. Assim como Deus criou as meninas e os meninos, também ama os brasileiros, brancos e pretos, os índios e os pardos. Ama os americanos, os árabes, os alemães e os chineses. Pois assim é a família de Deus!

Ultimamente parece que os legisladores negligenciam as leis de proteção à família, tanto do vínculo conjugal como da própria instituição familiar.

A juventude, ornada de belas qualidades, deve ficar alerta quanto às teorias vomitadas a esmo para a opinião pública. O amor, a família, as crianças e Deus são referências preciosas demais para serem trocadas por pequenos interesses transitórios. A vida é um dom precioso, que vale a pena cultivar diante de Deus e da família humana. Inclusive, disto depende a felicidade pessoal e de tantas pessoas na sociedade.

Na Semana da Família, com gratidão lembro minha mãe que sempre dizia: “Meus filhos não são meus, são de Deus”.

nTracker();

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.