Ele me amou primeiro

Já parou para pensar que, antes mesmo da sua existência, Alguém já o amava

Naquela noite de sábado, quando, mais uma vez, fui convidada para participar do grupo de oração, diferente das outras vezes, eu disse “sim” e fui, mesmo sem estar interessada em participar de uma experiência de fé e sem acreditar que algo interessante pudesse acontecer naquele lugar.

Era uma capelinha bem simples e antiga, que fica ao lado do cemitério da pequena cidade onde eu nasci. Mas Deus, que costuma ir sempre além de nossas expectativas, concedeu-me a graça de viver uma das experiências mais importantes de minha vida, justamente naquela noite e naquele lugar.

Ajudada pelos cânticos, testemunhos e pregação da Palavra, descobri que Jesus, Aquele que ouvi dizer que havia morrido há muito tempo, na verdade estava vivo e podia interagir comigo. Senti Sua presença e Seu amor tocar-me profundamente. Saí daquele lugar transformada. Não sabia explicar com palavras o que aconteceu, mas tinha certeza de que aquela alegria, leveza e toda experiência que eu acabava de viver não poderia ficar só comigo; eu precisava proporcioná-la a outras pessoas.

Recordo-me que, desde criança, eu pensava em fazer algo bom, capaz de tornar o mundo melhor, e falei sobre isso com Jesus já naquele primeiro encontro. Mais tarde, vim a perceber que o desejo de fazer o bem ao próximo já era um dos sinais da minha vocação.

O certo é que, depois daquela noite, eu queria que minha família, meus amigos e todas as pessoas do mundo soubessem, o quanto antes, que Jesus estava vivo e continuava realizando o impossível em nossos dias. A presença de Deus transbordava em meu ser e, quanto mais eu ia tomando consciência do Seu amor, mais me sentia chamada a fazer alguma coisa concreta para correspondê-Lo. Diz a Palavra que “o amor de Deus é tão forte que nos constrange”, e eu estava experimentando exatamente isso.


Assista: Você sabe qual é a sua vocação?


Já parou para pensar que, antes mesmo da sua existência, Alguém já o amava tão profundamente que deu a vida por você? “Antes que te formasse no ventre de tua mãe Eu te conheci e antes que de lá saíste Eu te santifiquei…” (Jeremias 1,5). Tomar conhecimento disso gera uma enorme gratidão e, no mínimo, desperta-nos a sermos melhores neste mundo.

Recordo-me de um filme que assisti há vários anos e que marcou minha vida nesse sentido: “A corrente do bem”. A ideia principal do longa-metragem é a de proporcionar aos outros o bem que recebemos; assim, os atos de bondade vão se multiplicando rapidamente entre as pessoas.

Tudo começa com um menino, cuja tarefa escolar dizia que para o mundo ser melhor era preciso começar por ele. Portanto, deveria fazer três coisas boas naquele dia. Então, o garoto inicia, sem grandes pretensões, a corrente do bem com três metas: ajudar uma velhinha a atravessar a rua, comprar um lanche para um faminto e sorrir para alguém triste. As pessoas que receberam estes gestos ficaram surpresas e quiseram retribuir, mas o menino logo ensinava a lição: faça o bem a outra pessoa. E assim os atos de bondade iam ganhando forças e se multiplicando pelo mundo afora, mudando a vida de muita gente. O filme continua, mas eu volto a falar da realidade.

O fato é que, quando eu menos esperava, descobri que Deus me amou primeiro e estava, agora, me chamando a ser mais um elo na corrente do bem que Ele iniciara com Sua Paixão, Morte e Ressurreição: “Não foste vos que me escolhestes, mas eu que vos escolhi…” (Jo 15,16). Sentia- me fortemente chamada! Era preciso descobrir por onde começar a caminhar. Foi aí que tive a graça de conhecer a Comunidade Canção Nova e dar início à descoberta vocacional que me levou a pertencer a esse carisma.

Na Canção Nova, para minha alegria, encontrei muitas pessoas que também haviam sido chamadas – embora em lugares e situações diferentes – para o mesmo fim: corresponder ao amor de Deus, promovendo o bem na vida das pessoas que o Senhor nos envia a cada dia, seja pelos meios de comunicação, seja nos encontros que realizamos e em tudo que fazemos, mesmo as atividades mais simples do dia a dia.

Certamente, a gratidão é o que nos move, pois não existe momento no relacionamento com Deus em que o amor que eu recebo seja o amor que eu mereço. E quanto mais experimento isso, mais tenho a certeza de que a corrente do bem que Ele começou – enviando Seu Filho ao mundo para pagar o preço dos nossos pecados – não pode parar em mim nem em você.

Já percebeu que o bem que você recebe pode ser multiplicado e atingir muitas outras pessoas, principalmente as que estão ao seu lado? Tenha a coragem de ser “elo” no dia de hoje. Escolha fazer o bem sem esperar recompensas. Na verdade, o mundo torna-se melhor quando eu e você nos tornamos melhores. Optar pela bondade é seguir o exemplo de doação do próprio Deus, tornando-nos canais para levar Seu amor a tantos corações sedentos por este mundo afora.

Dizer “sim” ao seu chamado é corresponder à vocação para a qual Jesus nos criou. Talvez sua vocação aconteça aí mesmo onde você está ou pode ser que Deus o chame a deixar tudo e partir. O mais importante, no entanto, é discernir seu chamado e ter a coragem de dizer “sim” sem medo.

É Ele mesmo quem garante Sua proximidade e assistência àqueles que aceitam o desafio de seguir Seus passos: “Permanecei em Mim que eu permaneço em vós” (Jo 15,4).

Portanto, coragem! Digamos “sim” com alegria e gratidão ao chamado de Deus nesse dia, considerando que Ele nos amou primeiro.

Estou unida e rezo por você!


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às sextas-feiras, está à frente do programa “Florescer”, que apresenta às 18h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000 do portal cancaonova.com. Também é autora do livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

 

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.