Assumir nossa real identidade

Sem dúvida alguma, a liberdade não é uma utopia. Ela é, intrinsecamente, desafiante, mas não irreal. É fato que a liberdade aqui proposta, no sentido de uma autonomia identitária (posse contínua da própria identidade), é realidade exigente e profundamente “desinstaladora” para toda e qualquer pessoa.

Vivemos em um tempo no qual muitas pessoas “existem” sob os fardos de uma profunda crise identitária e constantemente representam diferentes personagens – em nome de ideologias e modismos – e, infelizmente, o que realmente se é acaba ficando submerso em meio a essa teia de representações.

Cada ser humano possui uma história, uma essência, enfim, uma específica identidade. Pena que são raras as pessoas que conseguem, de fato, contemplar – com inteireza – e assumir o que verdadeiramente são. E aqui é uma questão de assumir o ser, o que realmente se é, e não as deformidades e vícios que nossa história foi – silenciosamente – agregando à nossa personalidade.

Temos, muitas vezes, uma grande facilidade de nos assumir no pior de nós. Contudo, não é unicamente o pior o que configura a nossa verdadeira essência, pois não somos – definitivamente – apenas nossos traumas e erros, antes, somos muito mais: seres criados a partir de um grande Amor e com uma enorme capacidade de amar e fazer o bem.

Nossa identidade não mora apenas no que sentimos, muito menos em nossas más tendências. Não é porque nos sentimos continuamente arrastados por desejos maus e impuros, ou até mesmo contrários à nossa real identidade (psíquica, afetiva e sexual), que somos exatamente isso que estamos sentindo. Não. Sentir não é a forma mais exata de existir e, em muitas ocasiões, o que sentimos será apenas uma triste consequência das circunstâncias duras e fragmentadas às quais nossa história foi submetida.

 

Nós não somos nossas más inclinações, nossa identidade não reside aí. O mal incorporado à nossa personalidade é, inúmeras vezes, a nós agregado pelas deformidades e dores que compuseram nossa existência, e não são o fruto de nossa verdadeira essência e identidade.

É insanidade assumir a mentira como verdade (cf. Is 5,20). Mais ainda o é assumir a deformidade como uma maneira concreta de existir. É preciso reagir às fragilidades e traumas que buscam sufocar nossa real identidade, pois isso se estabelece como um entulho que busca sufocar toda vida que está abaixo de si.

É preciso a tudo isso reagir!

Não somos nossos defeitos e erros e, diante destes, precisaremos perenemente nos posicionar, protagonizando nosso futuro; e entendo que nossas circunstâncias não possuem o poder de eternamente nos definir. Faz-se necessário acreditar que existe uma essência boa em cada um de nós e que o defeito não é o que antropologicamente constitui nossa identidade. A fraqueza está em nós, mas, não nos define. Ela (fraqueza) só o fará se constantemente nós a alimentarmos, afinal, a planta que mais cresce é a que mais regamos…

Existe uma força de superação dentro de cada um de nós e, independentemente de como tenha sido nossa a história pessoal, poderemos reconstruí-la – ainda que a partir de seus escombros – e carregá-la com um novo sentido.

É preciso não se conformar diante do mal, que deseja aprisionar nossa “identidade”, sempre lutando em um esforço de continuamente se reinventar, para assim redirecionar tudo o que já passou em uma mais acertada construção daquilo que virá.

Tal tarefa é possível. É realidade confiada a nós que, aliados à Graça, seremos capazes de, em quaisquer circunstâncias, transcender toda morte para em tudo fabricar vida e ressurreição.

Tenhamos coragem!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.