assista

Perdoar a si mesmo é o primeiro passo para a felicidade

Pessoas que não conseguem se perdoar podem bloquear a própria felicidade

Você conhece alguém que tenha uma vida onde parece dar tudo errado, onde só coisas ruins acontecem e nada vai para frente? Perdas, mortes, desemprego e tragédias rondam a sua história. Talvez você se pergunte: “O que tem de errado com essa pessoa? Será que Deus a está castigando, fazendo-a pagar por algo que fez?”. Qual é a culpa dessa pessoa? Talvez ela não tenha culpa nenhuma.

-Perdoar-a-si-mesmo-é-o-primeiro-passo-para-a-felicidade-Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Outra situação ainda pior: você conhece alguém que tem uma vida aparentemente perfeita, onde está tudo certo, e justamente quando deveria “celebrar” as vitórias, ela entra em depressão! Talvez alguém diga: “Quem sabe ela não mereça tudo isso, é uma pecadora!”. Sim, talvez essa pessoa pense exatamente isso, porque o pior dos julgamentos é o “autojulgamento”. Pessoas que se sentem culpadas, sujas, desmerecedoras por algo que fizeram no passado e que não conseguiram se perdoar, podem bloquear na própria vida e felicidade. É uma espécie de condenação.

No vídeo a seguir, vocês verão a história de uma jovem que teve, ao longo da vida, muitos sofrimentos, perdas das pessoas que ela mais amava, inclusive o noivo. Ela se sentia culpada diante de tudo, e essa culpa teve origem numa cena de sua infância. É como se ela tivesse deixado essa criança interior de castigo por uma vida toda. Acompanhe como ela conseguiu superar essa culpa.

Assista:

 

Dentro de nós pode existir um juiz muito carrasco. Este sim é capaz de barrar dentro do cérebro (e talvez da alma) todas as possibilidades de ser feliz, de se sentir merecedor, digno de bênçãos, digno de ter um bom marido, esposa, filhos saudáveis, digno de ser feliz. Portanto, digno de perdão, de vida nova e recomeço.

A espiritualidade pode nos ajudar muito no processo de perdão de nós mesmos. Pode ser a “chave” que abrirá a cela para ficarmos livres para sorrir, para amar e sermos amados, e acolher todas as graças que a vida nos dá.

Leia mais:
::Como podemos falar sobre a morte com as crianças?
::Como os traumas da infância podem afetar a vida adulta?
::Alguns traumas podem bloquear memórias positivas no cérebro
::Traumas da infância podem afetar a vida matrimonial

Adquira esse livro em nossa loja virtual

 


Adriana Potexki

Adriana Potexki é escritora e autora dos livros ‘A cura dos sentimentos em mim e no mundo’ e ‘A cura dos sentimentos nos pequeninos’. Com formação em Psicologia, ela é terapeuta certificada pelo EMDR Institute, palestrante internacional e blogueira do site ‘Sempre Família’, do Grupo GRPCom.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.