pecados capitais

De que maneira podemos viver o PHN na internet?

PHN na internet

Como você bem sabe, pecado na internet não é novidade. Você já se deparou com algum pecado virtual? Já participou de algum grupo no WhatsApp e recebeu mensagens, fotos, nudes, piadas maliciosas ou indecentes? Veja bem que pecado, na internet, não é somente pornografia, mas todos os sete pecados capitais com os quais estamos lutando no dia a dia.

Os pecados capitais foram elaborados durante vários séculos e com contribuições de Evágrio do Ponto, depois por Tomas Aquino e também o Papa São Gregório Magno. Gula, ganância (avareza), inveja, ira, preguiça, luxuria, soberba (orgulho e vaidade).

-De-que-maneira-podemos-viver-o-PHN-na-internetFoto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Neste post, vou falar apenas do primeiro pecado da minha lista. Em breve, em outros posts, vamos seguir em frente com cada um.

Gula

Quem nunca comeu além do limite? Sabe aquele almoço de domingo, churrasco com amigos ou até a hamburgueria preferida? Sabe quando você já está satisfeito e continua comendo? Sim, sim, comer é bom, é bom demais! Mas se você ultrapassa os limites, isso se torna um pecado. O pecado em si é prazeroso, mas em seguida traz sofrimento. E quantas pessoas sofrendo por comer demais! Eu mesmo já comi demais algumas vezes e fiquei passando mal depois. Ainda bem que você, que está lendo este artigo, nunca passou por isso! Ufa!

Comer é uma necessidade humana e também um prazer. Na medida certa, faz bem a nós! No entanto, quando abusamos da liberdade de comer, caímos no pecado, que se chama capital, pois é fonte ou cabeça (caput) de outros pecados. Logo, se comermos sem parar, vamos abrir portas para outros pecados. Quando não consigo controlar a boca, outras áreas da minha vida podem sair de controle. Um exemplo é que para ter minha sexualidade controlada, equilibrada, dentre outras coisas, preciso fazer jejum, penitência. Claro, não é só fazer isso, mas jejum e penitência ajudam no meu autocontrole, a ter meu corpo em minhas mãos, e não me deixar arrastar pelos prazeres.

Quem manda mim, eu ou meu estômago?

Virtus in Medio est (a virtude está no meio), diria Aristóteles. Séculos depois, São Tomás de Aquino reafirmaria que a virtude está no meio, no equilíbrio, em evitar os excessos. Comer sim, alimentar-se bem, mas com moderação. Curtir um bom lanche, uma pizza, feijoada, massa etc., mas nunca viver para comer. Comer, depois que já estou satisfeito, pode se tornar o pecado da gula.

Leia mais:
::Em tempos de redes sociais, como manter uma amizade fisicamente?
::Quebrar uma corrente de oração pode me dar azar?
::Todos os conteúdos atribuídos ao Papa Francisco são verdadeiros?
::Era da pós-verdade e quase mentira: é preciso cultivar a formação da consciência moral

Como a gula se torna virtual?

Perguntas: Posto, com muita frequência, comidas e pratos que preparo? Não há problema nisso, desde que na medida certa. Sigo muitas pessoas ou conteúdos de culinária? Fico cobiçando a tela do celular ao ver os pratos, lanches, comidas que são postados? Eu, geralmente, projeto o que tenho na minha alma nas redes sociais? Se sigo demais pessoas ou postagens de comidas, e isso me leva a viver pensando em novas experiências gastronômicas, posso estar pecando virtualmente. Veja bem, não é pecado buscar receitas na internet ou apreciar a boa culinária. O pecado está em fazer disso o centro da minha existência, ser obcecado por comer e sentir este prazer sem medidas, sem freios. Meu corpo vai reclamar sempre que passo dos limites; mais ainda, minha alma também sinalizará quando eu pecar pela gula. Em suma, o conteúdo virtual que acesso, compartilho, leva-me a comer além da medida ou leva as pessoas que me seguem a pecar?

Ansiedade tecnológica

Existe outro ponto na gula virtual. Estudos científicos da Universidade de Camdridge, Inglaterra, demostraram que o uso excessivo de tecnologias ou a internet, em especial redes sociais, pode deixar pessoas ansiosas. O estudo afirma ainda que, nos jovens e adolescentes, as consequências pode ser maiores. A ansiedade em si, um dos grandes males do século, pode nos levar à gula a partir do momento em que estou ansioso e me ponho a comer sem parar, sem medidas, sem freios.

Se a ansiedade gerada pelo virtual me leva a comer até ficar empachado, com a barriga cheia mesmo ou passando mal em alguns casos, isso se torna o pecado da gula. Meu uso de redes sociais ou acesso à internet tem me deixado ansioso? Como essa ansiedade tem me levado a reagir? Onde estou canalizando a ansiedade? Será que estou conectado demais? Quais as consequências na forma como me alimento? Meu corpo, o que ele está dizendo sobre meus hábitos alimentares?

Você costuma usar o celular durante as refeições? Gosta de postar fotos de pratos elaborados? Segundo estudo do chefe de psiquiatria Valerie Taylor, da Universidade de Tokyo, Japão, excesso de postagens nas redes sociais, de comidas e pratos, pode indicar distúrbios alimentares. Os estudos indicavam, nesses casos, pessoas que fazem do centro de suas interações em redes sociais hábitos alimentares. O que comem, quando comem, o que tem de novo para comer e quando comer novamente? Vale a reflexão. A virtude está no meio. Não há problema em postar aquele almoço feito com amor para os amigos e família. Valeu?

Meu amigos, aqui apenas uma breve reflexão sobre o PHN na internet. Dizer sim a Deus e não ao pecado, no dia a dia, e também na tela do seu celular, notebook, tablet e PC.

Abraços! Fique com Deus.

Seu irmão,


Bruno Cunha

Mestrando em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Taubaté (UNITAU), Bruno Cunha possui Pós-graduação em Administração (MBA) pela Fundação Getúlio Vargas e graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente, é diretor administrativo e financeiro da Faculdade Canção Nova, onde também atua como professor. Cunha tem experiência na área de Finanças, Economia, Educação Financeira, Finanças pessoais e Administração Financeira e Orçamentária.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.