confira

Será que sou ansioso ou estressado? Teste sua ansiedade!

Será que a ansiedade surge a partir de um evento traumático ou após um esmagador estresse, como o que acontece com algumas pessoas? Não necessariamente, pois, enquanto experiências negativas intensas como a morte de um dos pais durante a infância ou outro trauma precoce podem ocasionar ansiedade crônica, tais eventos nem sempre são a raiz do problema.

Nem todo mundo que viveu uma tragédia ou ocorrência aterrorizante desenvolve um transtorno de ansiedade, e nem todo mundo que desenvolve um transtorno de ansiedade obrigatoriamente já passou por algum tipo de provação.

Estudos têm demonstrado que existem pessoas que parecem ser “à prova de estresse” e outras “estressáveis”, de modo que em alguns indivíduos o estresse pode desenvolver um transtorno de ansiedade e em outros não.

Será que sou ansioso ou estressado? Teste sua ansiedade!

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Provavelmente, está em jogo a composição genética, que pode conferir à pessoa um estilo de enfrentamento adaptativo, que lhe faculta a capacidade de perceber os eventos negativos da vida, mas não faz deles motivos para ficar doente. Além do aspecto genético, é certo que o carinho recebido na infância e o apoio na vida adulta exercem papéis importantes na capacidade de enfrentamento do estresse.

Pessoas com um pai ou irmão que teve um transtorno de ansiedade têm maior risco de desenvolver essa doença. Certas variações genéticas podem causar alterações nos níveis de neurotransmissores cerebrais como a serotonina, noradrenalina e dopamina, que podem ser responsáveis pela predisposição à ansiedade.

Ao longo da vida, essa predisposição genética pode se manifestar ou não, dependendo de fatores ambientais específicos. Isso explica a reação variada de muitas pessoas que são submetidas aos eventos estressantes: enquanto uns desenvolvem quadros graves de ansiedade, outros conseguem ultrapassar esses momentos tranquilamente.

Você está com ansiedade? Faça o teste:

Escala HAD: avaliação do nível de ansiedade e depressão

Assinale com “X” a alternativa que melhor descreve sua resposta a cada questão.

1. Eu me sinto tensa(o) ou contraída(o):
( ) a maior parte do tempo (3)
( ) boa parte do tempo (2)
( ) de vez em quando (1)
( ) nunca (0)

2. Eu ainda sinto que gosto das mesmas coisas de antes:
( ) sim, do mesmo jeito que antes (0)
( ) não tanto quanto antes (1)
( ) só um pouco (2)
( ) já não consigo ter prazer em nada (3)

3. Eu sinto uma espécie de medo, como se alguma coisa ruim fosse acontecer:
( ) sim, de jeito muito forte (3)
( ) sim, mas não tão forte (2)
( ) um pouco, mas isso não me preocupa (1)
( ) não sinto nada disso (0)

4. Dou risada e me divirto quando vejo coisas engraçadas:
( ) do mesmo jeito que antes (0)
( ) atualmente um pouco menos (1)
( ) atualmente bem menos (2)
( ) não consigo mais (3)

5. Estou com a cabeça cheia de preocupações:
( ) a maior parte do tempo (3)
( ) boa parte do tempo (2)
( ) de vez em quando (1)
( ) raramente (0)

6. Eu me sinto alegre:
( ) nunca (3)
( ) poucas vezes (2)
( ) muitas vezes (1)
( ) a maior parte do tempo (0)

7. Consigo ficar sentado à vontade e me sentir relaxado:
( ) sim, quase sempre (0)
( ) muitas vezes (1)
( ) poucas vezes (2)
( ) nunca (3)

8. Eu estou lenta(o) para pensar e fazer coisas:
( ) quase sempre (3)
( ) nunca (2)
( ) poucas vezes (1)
( ) nunca (0)

9. Eu tenho uma sensação ruim, de medo, como um frio na barriga ou de um aperto no estômago:
( ) nunca (0)
( ) de vez em quando (1)
( ) muitas vezes (2)
( ) quase sempre (3)

10. Eu perdi o interesse em cuidar da minha aparência:
( ) completamente (3)
( ) não estou me cuidando como deveria (2)
( ) talvez não tanto quanto antes (1)
( ) me cuido do mesmo jeito que antes (0)

Leia mais:
::Síndrome do pensamento acelerado, o que é?
::Saiba os sinais de alerta do Alzheimer

11. Eu me sinto inquieta(o), como se eu não pudesse ficar parada(o) em lugar nenhum:
( ) sim, demais (3)
( ) bastante (2)
( ) um pouco (1)
( ) não me sinto assim (0)

12. Fico animada(o) esperando as coisas boas que estão por vir:
( ) do mesmo jeito que antes (0)
( ) um pouco menos do que antes (1)
( ) bem menos do que antes (2)
( ) quase nunca (3)

13. De repente, tenho a sensação de entrar em pânico:
( ) a quase todo momento (3)
( ) várias vezes (2)
( ) de vez em quando (1)
( ) quase nunca (0)

14. Consigo sentir prazer quando assisto a um bom programa de televisão, de rádio ou quando leio alguma coisa:
( ) quase sempre (0)
( ) várias vezes (1)
( ) poucas vezes (2)
( ) quase nunca (3)

Pontuação e resultados

Ansiedade: some os pontos que estão entre parênteses, correspondentes às respostas que você assinalou nas questões 1, 3, 5, 7, 9, 11 e 13.
Total 1: _____

Depressão: some os pontos que estão entre parênteses, correspondentes às respostas que você assinalou nas questões 2, 4, 6, 8, 10, 12 e 14. Total 2: _____

Seu nível de ansiedade (total 1) ou depressão (total 2) seguirá a seguinte escala:

0 a 7 pontos: improvável
8 a 11 pontos: possível (questionável ou duvidosa)
12 a 21 pontos: provável

Fonte: Botega, HJ; Bio, MR; Zomignani, MA; Garcia, JR; Pereira, WAB. Transtornos do Humor em enfermaria de clínica médica e validação de escala de medida (HAD) de ansiedade e depressão. Revista de Saúde Pública, 29 (5): 355-63.1995

banner amizade


Dr. Roque Savioli

Dr. Roque Marcos Savioli
CRMESP 22.338

Formado pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos em 1974.

Residência Médica em 1975 e 1976 no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, obtendo o título de especialista em Cardiologia, pela Segunda Clínica Médica, Serviço do Prof. Luis Vénere Décourt.

Desde 1977 é integrante do Corpo Clínico do Instituto do Coração do HC-FMUSP , atualmente lotado como Médico Supervisor da Divisão Clínica – Unidade de Cardiogeriatria. Doutor em Medicina pela FMUSP  e integrante da Sociedade Paulista e Brasileira de Cardiologia .

Escritor de vários best sellers no Brasil e no exterior e membro da  Academia Cristã de Letras e do Instituto de Geografia e História do Estado de São Paulo.

Apresentador do prgrama “ Mais Saude “na Rede Cancao Nova de Radio (AM)

comentários