Quando o amor fere

A idéia que temos sobre o amor se faz de pessoas desejosas em fazer a vontade do outro e de querer favorecer momentos de felicidades. Mesmo ainda dentro da limitação humana, somos impulsionados pelo desejo de fazer com que o outro se realize com a nossa presença e apoio.

O amor nos realiza, nos completa, nos estimula a querer sempre a continuar a caminhada, apesar dos caminhos parecerem difíceis. Mesmo com todos esses exemplos, não é difícil perceber que existem pessoas que sofrem por amar.

Como conceber a idéia de um amor que fere?
Somos responsáveis por aqueles que passam por nós. Isso significa ajudar no seu crescimento, favorecer o ensinamento através da partilha, da reconciliação e do testemunho. Quem ama, precisará estar disposto a viver a eterna reconciliação. Esta prática nos forma e nos ensina a aspirar pelas virtudes, matando as nocivas tendências do homem natural. Do contrário, não seria possível testemunhar o amor que ainda inflama relacionamentos de casais por 25, 30, 40 anos… ou de amizades que se sustentam durante toda uma vida.

Muitas pessoas ainda perambulam por este mundo, se recusando a ser amadas, ou tentando reter o amor que foi plantado na sua alma e que clama ser partilhado com as pessoas que estão ao seu lado. Desta maneira, podemos estar matando aqueles que têm a nos oferecer o “combustível” para a nossa felicidade e estímulo para dizer: Vale a pena amar!

Essas pessoas sofrem porque não foram criadas para ser reservatórios de amor, nem para viver uma clausura que não traz a liberdade da alma de quem repousa na plenitude do puro e fiel sentimento.

Há quem fere os que amam destratando, agredindo fisicamente, subestimando, aprisionando… Mas, também há aqueles que ferem o amor ao se negar a serem amados. Filhos ferem o amor quando se recusam a aceitar o amor puro e fiel de seus pais; irmãos se ferem quando se recusam a aceitar o amor fiel, expresso na amizade fraternal; esposos ferem suas amadas quando se detêm em princípios egoístas. Ferimos a Deus quando recusamos a ser conduzidos por Sua vontade.

Há quanto tempo estamos deixando de ser felizes, sabendo que está no outro o nosso complemento?

Sempre que inflamados pelo desejo de romper com nossos laços afetivos, lembremos que ao romper com nossos relacionamentos estaremos estacionando no vácuo de todos os sentimentos.

Que Deus nos dê a graça por aspirarmos pelas virtudes!


Dado Moura

Dado Moura trabalha atualmente na  Editora Canção Nova, autor de 4 livros, todos direcionados a boa vivência em nossos relacionamentos. Outros temas do autor estão disponíveis em www.meurelacionamento.net twitter: @dadomoura facebook: www.facebook.com/reflexoes

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.