Busca da Perfeição

Como ser uma mulher conforme a Palavra de Deus 

Ser mulher é não se preocupar apenas com seu bem-estar físico, mas também com seu bem-estar espiritual

Deus criou a mulher para ser um apoio físico, emocional, espiritual e conjugal. Na criação, o Senhor disse: “Não é bom que o homem esteja só: vou fazer-lhe uma auxiliar que lhe corresponda” (Gn 2,18). Quando Deus tirou aquela costela de Adão para fazer a mulher, Adão dormiu solteiro e acordou casado. Buscar a vocação ou chamado de Deus para a vida de cada uma é um passo para ser uma mulher segundo o coração do Criador.


Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

É importante notar que o ato criador foi de Deus, que transformou a costela, dando à mulher o seu Ser. Ela é parte do homem, mas seu primeiro e primordial contato é com seu Criador. Portanto, a Bíblia ensina que para ser feliz é preciso buscar o senso elementar de Deus. É ilusório buscar uma espiritualidade se não reconhece que foi obra de Deus e que não se fez sozinha. É preciso também enxergar a perfeição dessa criação e que o divino reluz dentro de cada ser. Precisamos valorizar o ser mulher, mas, acima de tudo, o fato de sermos de Deus.

Quando Adão sai do seu sono profundo e olha para aquela mulher, ele diz: “Osso de meus ossos e a carne de minha carne!”. O Criador sabia que Adão não estaria completo sem Eva. Ele seria um homem solitário. Deus criou a mulher, para que ela se tornasse a perfeita companheira do homem. No caso específico, o texto bíblico fala da relação de casal, porque a mulher edifica ou destrói um lar. Ler a Bíblia e aprender com as mulheres, as quais largaram suas raízes para seguir seus maridos, que foram companheiras na alegria e na tristeza, é fundamental. Nos nossos dias, muitas querem ser felizes, mas se esquecem de que precisam, primeiramente, fazer o outro feliz.

Lutar em Deus em busca da perfeição

Uma mulher conforme a Palavra de Deus é aquela que faz somente o bem a todos aqueles que a rodeiam. Sabe fazer do silêncio sua arma, em vez de usar palavras ofensivas. É boa ouvinte, não se deixa vencer pelo cansaço ou desânimo, mantém o bom ânimo e a generosidade. Claro que não é fácil, mas o caminho da santidade é não se contentar com suas dificuldades, mas lutar em Deus em busca da perfeição.

Ser mulher é refletir antes de falar ou agir, o que faz com que seus filhos a respeitem e a admirem. Enfim, ser mulher é não se preocupar apenas com seu bem-estar físico, mas também com seu bem-estar espiritual, porque o tempo é breve e a herança futura resultará das escolhas de hoje. Nesse sentido, Maria é o modelo para todas as mulheres. Ela conseguiu enfrentar com dignidade situações estressantes, mantendo-se serena mesmo no sofrimento indecifrável perante o suplício de Jesus. Assim devemos ser: mais silenciosas, éticas, generosas e fiéis ao Senhor.

Leia mais:
:: Como se fortalecer para vencer os desafios
:: O que preciso para ser uma mulher de fé?
:: Existe receita para ser uma mulher feliz?
:: O dom de ser mulher

No Antigo Testamento, podemos ver o exemplo de Ana, uma pessoa provada até o âmago do seu ser – tem-se até a impressão de que algum poder invisível está em operação para extinguir a sua vida. Ana deve ter se sentido assim. Tinha derramado lágrimas sem fim, porque se sentia abandonada por Deus, por não ter filhos. A outra esposa do seu marido nunca perdia uma ocasião de lembrar-lhe a sua esterilidade. Ela é uma intercessora, faz suas orações e vai várias vezes ao tabernáculo. Num determinado dia, cansada do seu sofrimento e sem vislumbrar uma solução, Ana perde o controle. Joga-se aos pés do Senhor e derrama sua alma, expondo sua amargura. Sua oração veio do fundo do coração, e clamou ao único que podia socorrê-la.

Aprendemos com as mulheres da Bíblia que a oração pode ser pequena, em baixa ou alta voz, na solidão do quarto ou em assembleia, mas precisa ser relacional e compromissada com Deus, com uma verdadeira vontade de ter uma vida nova. O atendimento do pedido passa a ser uma vontade de Deus em busca da salvação individual e coletiva.


Ângela Abdo

Mestre em Ciências Contábeis pela Fucape, pós-graduada em Gestão de Pessoas pela FGV, Gestão de Pessoas pela Faesa, graduada em Serviço Social pela Ufes e psicanalista. Consultora e Executiva na área de RH e empresa hospitalar. Foi coordenadora do grupo fundador do Movimento Mães que Oram pelos Filhos da Paróquia São Camilo de Lellis, em Vitória (ES) e do grupo de Amigos da Canção Nova de Vitória. Atualmente, é coordenadora nacional e internacional do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. Escritora dos livros “La Salette, o grito de uma Mãe!” (2018), “Superação x Rejeição: Aprendendo a ser livre” (2017), “Ser Mulher À Luz da Bíblia: Porque Deus Pode Tudo!” (2016) e “Mães que Oram pelos Filhos” (2016). Participa do programa “Papo de Mãe que Ora”, no canal Mães que Oram pelos Filhos Oficial, e do “Mães que Oram pelos Filhos”, na Rádio América.  

comentários