Uma fé madura

A vitória por meio do louvor

Em todas as situações podemos alcançar a vitória

O profeta Daniel traz um fato muito importante no capítulo 3 de seu livro e acredito que Deus quer nos falar por meio desse texto hoje. Ele narra que o rei da Babilônia Nabucodonosor mandou construir uma estátua de ouro enorme, media 30 metros de altura por 3 metros de diâmetro, e decretou que todos os habitantes do reino deveriam prostrar-se e adorá-la quando tocassem as trombetas e os instrumentos musicais. E fizeram isso. Só que chegou a seus ouvidos que três jovens judeus – chamados Sidrac, Misac e Abdênago (cf. Daniel 3, 16ss) – não estavam obedecendo as suas ordens. Furioso, mandou chamar os três rapazes e os ameaçou dizendo que se não adorassem a estátua, seriam jogados na fornalha de fogo e morreriam queimados, e ainda os insultou perguntando: ““E qual é o Deus que vos há de livrar da minha mão?” (v. 15)

Foto: Maria Andréa / cancaonova.com

A resposta dos três jovens foi esta: “”Nem precisamos dar resposta a esta ordem. Existe o nosso Deus a quem cultuamos, Ele nos pode livrar da fornalha acesa, salvando-nos da tua mão. Mas mesmo que isso não aconteça, fica sabendo, ó rei, que não vamos prestar culto ao seu deus, nem vamos adorar a estátua de ouro construída por ti, ó rei”” (v. 16-18).

Busque uma maturidade de fé

Aqui está o segredo do coração desses três jovens: “”Mas mesmo que isso não aconteça, não vamos prestar culto ao seu deus…””. Em outras palavras, mesmo que o Senhor não nos livre, não O trairemos, permaneceremos fiéis, morreremos se for preciso, mas não voltamos atrás! Isso é amor incondicional a Deus, é fidelidade a toda prova. Que maturidade de fé!

Isso também precisa acontecer conosco. Precisamos chegar a essa maturidade e a esse amor incondicional a ponto de dizermos: “Mesmo que nada mude em minha vida, mesmo que eu não seja curado, mesmo que isso não aconteça, permanecerei fiel ao Senhor! Não O negarei! Não desistirei! Mesmo que a minha oração aparentemente não traga resultados, não deixarei de orar, permanecerei fiel ao Senhor!”

O rei ficou furioso e mandou amarrar os três, colocou ainda mais combustível na fogueira e os jogou lá dentro. Eles caíram louvando a Deus, dando seu testemunho de fé. E algo maravilhoso aconteceu: “Os três ficaram passeando por entre as chamas, cantando hinos a Deus e louvando ao Senhor” (v. 24). E a Palavra de Deus continua descrevendo que “o Anjo do Senhor, porém, desceu para junto de Azarias e seus companheiros na fornalha. Impeliu as labaredas para fora da fornalha e fez surgir no meio da fornalha um vento úmido e refrescante. O fogo não os atingiu nem lhes causou qualquer incômodo” (v. 49).

Leia mais:
.: Nossa oração muda a vontade de Deus?
.: A vitória é possível mesmo diante das batalhas
.: A alegria de esperar em Deus

O que me chama à atenção é que eles não negaram o poder de Deus; muito pelo contrário, afirmaram com toda a força que Ele tinha o poder de livrá-los daquela situação terrível. Só que eles deram um passo a mais, e aqui está o ensinamento para nós, eles deixaram claro que a sua fidelidade a Deus não estava condicionada ao fato de Ele os livrar ou não! Independentemente disso, decidiram permanecer fiéis ao Senhor. Num mundo tão materialista como o nosso, com tantas ofertas e propostas de se negociar com Deus, com tentativas até de forçá-Lo a fazer o que se quer ou de querer comprá-Lo com votos, promessas e coisas parecidas, o testemunho desses três rapazes é muito forte.

Corações apaixonados por Deus conquistam a vitória

Sinto com essa passagem bíblica um forte convite do Senhor para que primeiro façamos uma revisão de vida a respeito de nossas disposições de fé. E depois, que possamos pedir esse coração apaixonado, essa fé madura, essa atitude fiel e gratuita para com Ele.

“A vitória vem pelo louvor!” E é justamente isso que vemos nesse texto bíblico. O louvor que brotou desses corações convictos em Deus, apaixonados pelo Senhor e fiéis a Ele de maneira incondicional, conquistou da parte do Senhor o livramento da fornalha, a libertação diante da tirania de Nabucodonosor. E o fruto dessa fidelidade foi a conversão do próprio rei, que reconheceu o poder de Deus e passou também a buscá-Lo.

Creio firmemente que a partir dessa mudança interior, dessa mudança do nosso coração e de nossa postura diante das situações e das tribulações, se tivermos esse coração totalmente confiante em Deus, e principalmente, incondicional na fidelidade a Ele, muita coisa vai começar a mudar em nossa vida, não haverá “fornalha” capaz de nos fazer mal, não haverá tirania suficiente para nos prender, não haverá situação impossível. Veremos a glória de Deus!

Que o Senhor nos conceda essa conversão no dia de hoje!

Deus abençoe você!

Por Padre Clóvis Andrade de Melo
Missionário da Comunidade Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.