Compreenda:

Existem homens e mulheres criados para a política

Deus deu a alguns homens e mulheres os dons e as características necessárias para ocuparem cargos públicos.

No mês de agosto, a Igreja dedica um olhar especial às vocações. Entre as tantas vocações para as quais o Senhor convoca Seus filhos a servir, encontramos uma que sofre grandes golpes em nossa atualidade: a vocação à política. Talvez, soe como novidade para alguns encarar esse ramo como uma vocação, mas para a Igreja ela é real, tanto que, em suas orações litúrgicas, encontramos várias vezes a intercessão pelas autoridades e pelos governos.

O termo “política” denomina arte ou ciência de organização; muito mais que isso, o Papa Paulo VI afirmou que “a política é uma forma sublime do exercício da caridade”. Se observarmos, em todos os tempos, Deus suscitou homens para guiar Seu povo. Foi assim ao escolher Moisés, Elias, Eliseu, Samuel, Saul, Davi… Enfim, em cada etapa que o povo de Deus se encontra, detectamos um líder, e por que não dizer, um político.

Existem-homens-e-mulheres-na-politica---940x500

Claro que podemos encontrar diversas características que podem divergir na ideia de se comparar líderes do povo de Deus aos políticos da atualidade. Mas, ao fazermos tal comparação, podemos observar que o Senhor dá a alguns homens os dons e as características necessárias para organizar, dar diretrizes e criar normas para que os direitos de cada pessoa sejam atendidos e para que também os deveres sejam realizados. A partir disso, compreendemos o que Paulo VI disse ao ligar a vocação do político à virtude da caridade, ou seja, seu papel está em servir e não em ser servido.

No Evangelho de João 6,5-12, Jesus pergunta a Filipe: “Onde vamos comprar pão para que estes possam comer?”. Vemos, então, que o discípulo fica perdido, pois não sabe a solução para o problema. Como ele, pobre e sem alimento até mesmo para si, poderia alimentar aquela multidão? O Evangelho relata que Jesus disse isso para testar Filipe, pois Ele sabia muito bem o que ia fazer.

Esse Evangelho expressa a vocação do cristão: viver a caridade. A política constrói o cenário ideal para que esse Evangelho possa ser praticado. O desejo de Deus é que os líderes das nações tenham um espírito cheio de amor e compaixão pelo povo, de maneira especial pelos mais pobres, e que tragam o coração inclinado para a renúncia, prática sem a qual não conseguiriam viver com plenitude o papel que lhes cabe.

O que Deus espera de Seus líderes, comparado ao que vemos nos governos de hoje em nosso país, nos leva a perceber que nem sempre esse papel é bem exercido. Se existem pessoas portadoras de dons e características dadas pelo próprio Deus para exercer em tais funções, o que há de errado com esses cargos?

Podemos encontrar na frase do Papa Pio XII uma boa resposta: “Onde faltam homens honestos, outros vêm ocupar-lhes o lugar para fazer da atividade política arena das suas ambições, uma corrida aos ganhos próprios e de sua classe”. Vemos hoje uma política suja e vendida aos que corrompem e desonram o cargo que ocupam. Não são em sua totalidade, mas é notável a carência de opções na hora de escolher um candidato para ocupar um cargo público. Torna-se inaceitável que nós cristãos possamos escolher para o governo pessoas que discursam contra os princípios fundamentais da vida humana deixados por Cristo.

Papa Pio XII deixa claro, em sua frase, que há a necessidade de pessoas comprometidas com o Evangelho engajadas na política. Precisamos de representantes tementes a Deus, que possam se colocar a serviço do povo, com desejo de agradar ao Senhor. Também precisamos de eleitores que, na hora de escolher um candidato, sejam atentos e conscientes, pois um homem que não é movido pelo Espírito de Deus não tem a capacidade de conduzir uma nação para uma verdadeira caridade.

A omissão dos bons ocasionou o domínio dos corruptos. Os homens confiantes em Deus poderão levar para o meio do povo o milagre feito por Jesus.

Quem aí tem cinco pães e dois peixinhos para ofertar?

Veja mais:

:: Como podemos agir nesta sociedade de disputa?
:: Devem ser priorizadas a justiça e o gosto pela verdade


Paulo Pereira

José Paulo Neves Pereira nasceu em Nossa Senhora do Livramento (BA). É missionário da Comunidade Canção Nova e atua no setor de Jornalismo da Canção Nova em Roma, Itália.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.