Equilibrio

Como trabalhar meu emocional diante das epidemias

Como trabalhar meu emocional diante do Zika vírus e da gripe H1N1

Nos últimos meses, observamos uma série de situações envolvendo a saúde pública: epidemias de dengue, Zika vírus e Chikungunya; agora, a preocupação com a gripe H1N1.

Para muitas pessoas, os procedimentos que precisam ser feitos para se proteger são levados de forma tranquila e bastante adequada. Porém, os noticiários, os casos de morte e a forma de percepção desses fatos geram em muitas pessoas o desespero, o medo excessivo e uma ansiedade, muitas vezes, difícil de ser controlada. Não retiramos aqui a preocupação que, claro, todos nós temos. Ressaltamos, porém, que o excesso dessa preocupação pode ser um tormento para muitas pessoas. Esse excesso pode ser tão prejudicial quanto as doenças apresentadas.

Como trabalhar meu emocional diante das epidemias
Foto: Joakim Leroy, iStock. by Getty Images

Ligação entre as emoções e o sistema imunológico

Há uma relação direta entre nosso sistema nervoso central e nossas emoções, bem como com o nosso sistema imunológico. Nesse sentido, as tensões, apreensões e preocupações nos levam a estados favoráveis para uma baixa na imunidade; com isto, uma facilidade para estar vulnerável às doenças.

Diante das epidemias, o melhor a ser feito é tomar os cuidados necessários que, hoje, são amplamente divulgados nos meios de comunicação, ficar atento ao que precisa ser feito, mas não se ocupar previamente, ou se preocupar com aquilo que não tem controle.
Com isso, novamente reforço que podemos fazer um filtro sobre aquilo que lemos e ouvimos. Muitas vezes, a ansiedade excessiva não permite que façamos esse filtro, com isto, os prejuízos são maiores.

Temos, no medo, uma reação natural às ameaças. Nossa reação tem uma dose de instinto, mas precisa ser ponderada com uma dose de realidade. Isso que fará diferença em qualquer situação. Vamos parar e pensar: estou tomando os cuidados necessários, evitando exposição desnecessária e, quando é possível, estou sendo vacinada.

Notícias sobre as doenças nas mídias sociais

Se formos notar, houve uma explosão na procura de centros de vacinação para H1N1, motivada, em muitos casos, pelo medo excessivo da doença noticiada pela imprensa. Muitas famílias foram afetadas, mortes foram registradas, mas é necessário perceber que isso não necessariamente acontecerá conosco ou com nossos familiares, porém, se formos pessoas naturalmente mais preocupadas e virmos um caso ocorrendo próximo a nós, unindo às notícias, poderemos gerar um desespero maior.

Outra fonte que pode gerar preocupação são as notícias que rodam pelas redes sociais e falsos alertas pela internet. Muitas vezes, são informações irreais, que propagam o medo desnecessariamente. Portanto, a informação vinda de uma fonte confiável é um ótimo aliado para vencermos o medo. Sendo assim, para combater pensamentos que são catastróficos e ansiosos, avalie suas emoções com base na realidade e também naquilo que possa ser um exagero na percepção. Esse é um dos passos para entender que a reação emocional do nosso organismo estará equilibrada com a forma como encaramos uma situação e, com isso, passamos a não ter tranquilidade para tomar decisões, viver e ter um ciclo de vida saudável.


Elaine Ribeiro dos Santos

Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional, colaboradora da Comunidade Canção Nova.
Blog: temasempsicologia.wordpress.com
Facebook: elaine.ribeiropsicologia Twitter: @elaineribeirosp

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.