Missionariedade

Vocação e chamado de Deus

A vocação para a qual Deus me chamou, trabalhadora de Sua vinha

O Espírito Santo me conduziu, em preparação a este mês, à releitura da Exortação Apostólica do Santo Padre, sobre “Os fiéis Leigos”; sua vocação e missão na Igreja e no mundo. Ao ler, eu agradeci a Deus por me chamar a contribuir com a implantação do Seu Reino.

O Santo Padre nos traz a imagem dos trabalhadores da vinha, de que fala São Mateus: “O Reino dos céus é semelhante a um proprietário, que saiu muito cedo, a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a vinha.”(Mt 20,1-2)

A vinha, nos diz Jesus, é o mundo inteiro, que deve ser transformado, segundo o plano de Deus, em ordem ao advento definitivo do Seu Reino. “Ao sair pelas nove horas da manhã, viu outros que estavam ociosos, e disse-lhes: Ide, vós também, à minha vinha”(Mt 20,3-4). Este convite, ide, vós também, à minha vinha, dirige-se a todo homem que vem a este mundo.

O Divino “proprietário” chama os trabalhadores para a sua vinha, nas várias horas do dia: alguns ao amanhecer; outros, às nove da manhã; outros ainda, por volta do meio dia e das três da tarde; os últimos, cerca das cinco. Os trabalhadores são chamados para a vinha em horas diferentes, como a querer significar que à santidade de vida, um é chamado durante a infância, outro na juventude, outro como adulto e outro até na velhice.

Nos nossos dias, o Pai suscita na Igreja uma renovada efusão do Espírito de Pentecostes, que nos leva a ouvirmos a voz do Senhor: “Ide vós também”; a chamada não se refere apenas aos pastores, aos sacerdotes, aos religiosos e religiosas, mas estende-se a todos os fiéis leigos.

Leia mais:
::O chamado para a vocação sacerdotal
::Todo homem é chamado por Deus a ser um guerreiro
::Deus oferece sinais de seu chamado

Recordando como se deu em minha vida o chamado

Quando criança, a minha relação com Deus vinha especialmente por parte de meus pais, nas orações realizadas em família. Lembro-me que, quando íamos visitar minhas irmãs no internato, das Irmãs da Providência, eu ficava encantada com as freiras; ao entrarmos na Igreja, sentia uma atração pelo altar.

Na adolescência, no tempo da Quaresma, especialmente durante as celebrações de Semana Santa, eu sentia o meu coração como uma brasa viva de amor por Jesus. Mas, somente na juventude é que se deu o meu encontro pessoal com o Senhor.

No desejo de fazer da minha vida um instrumento útil aos mais carentes, doentes e abandonados, como assistente social, eu não imaginava que Deus ia me chamar como trabalhadora para a Sua vinha e enviar-me a trabalhar, no anúncio do Evangelho que salva, através dos meios de Comunicação Social.

Como nos diz no livro: “Nossa resposta ao amor” (Ed. Loyola): “A vocação é um sim irrepetível de Deus e um sim irrepetível de quem é chamado”. Dei o meu SIM, cheia de desejo de fazer somente o que Deus quer na minha realidade de mulher: “Já que em nossos dias, as mulheres tomam cada vez mais parte ativa em toda vida da sociedade, reveste-se de grande importância uma mais larga participação sua nos vários campos do apostolado da Igreja” (Vaticano II).

Desta forma, assumo e rezo: ‘Maria, Virgem corajosa, inspira-nos força de ânimo e confiança em Deus, para que saibamos vencer todos os obstáculos que encontramos no cumprimento da nossa missão. Ensina-nos a tratar as realidades do mundo com vivo sentido de responsabilidade cristã e na alegre esperança da vinda do Reino de Deus, dos novos céus e da nova terra. Amém!”

Luzia Santiago
Cofundadora da Comunidade Canção Nova

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.