mãe na fé

Maria ensina o poder da fé em tempos difíceis

“A fé é um dom de Deus, uma virtude sobrenatural infundida por Ele” (CATECISMO, n. 153). Portanto, o ato de acreditar não é fruto apenas de um esforço humano, mas é também ação da graça de Deus e do movimento do Espírito em nós. Em outras palavras, o Senhor vem em nosso auxílio para que acreditemos e, quanto mais unidos a Ele, tanto mais cresceremos na fé.

O Catecismo da Igreja Católica afirma também que a fé “é a virtude teologal pela qual cremos em Deus e em tudo o que nos disse e revelou, e que a Santa Igreja nos propõe para crer, porque Ele é a própria verdade. Pela fé, o homem livremente se entrega todo a Deus. Por isso, o fiel procura conhecer e fazer a vontade de Deus” (n. 1814). Desta forma, compreendemos que não é sentimento, e sim virtude, sem a qual não conseguimos viver nossa relação com Jesus.

Com a ausência da fé, nossa experiência com Ele vai ser a mesma de quem estuda um personagem da História: veremos o Senhor como alguém que existiu num tempo, num espaço e morreu deixando um legado, ou, poderemos acreditar também que Cristo cumpriu o seu papel e está no Céu, indiferente a tudo o que vivemos por aqui.

Maria ensina o poder da fé em tempos difíceis

Foto ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

Crer é ir além disso. É confiar em Jesus e no que ele disse, ao ponto de nos entregarmos ao seu projeto hoje; de integrar a “vontade de Deus” à nossa, deixando-o assumir o comando das coisas hoje, na realidade em que vivemos de pandemia, quarentena, isolamento, problemas econômicos, dificuldades familiares, doenças e tantas outras questões. A virtude da fé vai se fortalecendo em nós a cada resposta de entrega total e confiança que depositamos em Deus, mesmo nos tempos difíceis.

A fé inabalável da Virgem Maria

Maria é para nós modelo de alguém que acreditou integralmente no Senhor. Ao receber o anúncio do Anjo, Ela não hesitou, mas deu uma pronta resposta ao que tinha sido proposto a Ela por Deus. Desse modo, sem pensar nos desafios que viveria a partir deste “sim”, entregou-se e aderiu ao projeto do Senhor para a sua vida. Ela creu que o Pai poderia fazer n’Ela algo impossível aos olhos humanos como foi a concepção de Jesus.

Essa fé, em Maria, mantém-se inabalável, mesmo nas piores condições: quando precisou fugir para o Egito porque Herodes queria matar Jesus; quando ouviu a profecia de Simeão no dia da apresentação do Senhor no templo ou quando Jesus se perdeu aos 12 anos. A fé sem limites da Virgem é evidenciada no momento da Paixão e Morte do Senhor: Maria acredita, mesmo quando encontra Jesus indo para o Calvário; não lhe falta a fé, quando estava de pé aos pés da Cruz. Sentia dor ao ver seu Filho morrendo, sofria pela falta de fé de muitos e por ver o corpo de Jesus dilacerado, entretanto, não deixou de confiar. Ela não estava indiferente a tudo isso. Pelo contrário, como mãe, sente na pele e na alma a dor do seu Filho, porém, não se desespera e nem deixa de acreditar que tudo aquilo estava sob  vontade de Deus. Continuou a ter fé também na hora em que pegou seu Filho nos braços, sem vida, e o sepultou. A fé, em Maria, não era infundada. No que Ela acreditava? No que Jesus falou: que haveria de ressuscitar!

Leia mais:
::O sim de Maria é o sim de Jesus
::Você sabe quem foi Santo Éfrem, devoto de Maria?
::Por que consagrar-se a Maria?
::Nossa Senhora, consolo para o nosso pranto

Maria nos sustenta

Na sua audiência geral, do dia 1 de abril de 2015, o Papa Francisco falou: “No Sábado Santo, a Igreja identifica-se mais uma vez com Maria: toda a sua fé está reunida n’Ela, a primeira e perfeita discípula, a primeira e perfeita crente. Na obscuridade que envolve a criação, Ela permanece sozinha a manter acesa a chama da fé, esperando contra qualquer esperança (cf. Rm 4, 18) na Ressurreição de Jesus”.

Portanto, no momento mais difícil na vida de fé dos apóstolos, Maria foi quem sustentou a fé da Igreja. Se olharmos as escrituras, veremos que não há relatos de Maria indo ao sepulcro no domingo de manhã, como as mulheres que foram lá para embalsamar o corpo de Jesus (cf.Lc. 24, 1-8). Depois do anúncio de Madalena, Pedro e João também foram ao túmulo. João até afirma que, lá no sepulcro, “viu e creu” (cf. Jo. 20, 8).

Essa afirmação do Papa nos sugere que, enquanto os apóstolos viveram – da Sexta-Feira Santa ao Domingo da Páscoa – a tristeza de quem ainda não acreditava na ressurreição. Maria, no Sábado Santo, mesmo sofrida, viveu a fé de que Cristo iria ressuscitar. É provável que Ela não foi ao sepulcro porque acreditava, contra toda a esperança, na Ressurreição de Jesus. E, até por isso, o sábado é o dia dedicado a Maria.

A fé que precisamos ter

A fé é, portanto, uma das virtudes que sustentou a Nossa Senhora e que sustenta a todo cristão. Diante das piores dificuldades e das situações mais adversas, como essa que a humanidade está vivendo – da pandemia que nos põe isolados e sem certezas do que vai ser amanhã  ou na dúvida sobre quais atitudes devemos tomar – é a partir da fé que precisamos agir. Da fé que mantém acesa a esperança que nos conserva fiéis, ainda que tudo em nossa volta pareça ruir.

Neste momento, importa ter em nossos corações a Palavra de Deus, a Tradição e o Magistério da Igreja que nos mostram que a morte não é a última palavra e que a nossa fé é pascal: passa pela morte e termina com a vida. Hoje, podemos pedir ao Senhor, com a intercessão da Virgem Maria, o dom e a virtude da fé, para que ela nos conduza com a graça e a ação do Espírito. Na nossa vida nada acontece por acaso! Em todas as situações precisamos ver com os olhos da fé.

banner-hollyspirit


Elane Gomes

Missionária da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Professora de Língua Portuguesa, radialista e especialista em Comunicação e Cultura. Mestranda em Comunicação e Cultura. Atualmente trabalha no Jornalismo da TV Canção Nova de São Paulo. Prega em encontros pelo Brasil e atua como formadora de membros da Comunidade. É esposa, mãe e trabalha também com aconselhamento de casais.

comentários