conheça

A importância de Santo Agostinho para a Igreja

Setenta e seis anos foi o tempo total de vida concedido por Deus a um homem nascido no ano de 354 cujo nome era Aurélio. Tudo o que esse homem viveu e produziu em pouco mais de sete décadas de existência, permanece, ainda hoje, vibrante e atual. Sua memória continua viva e sua obra ainda influencia grandes homens do século presente. Esse personagem tão singular na história do cristianismo tornou-se conhecido universalmente como Santo Agostinho ou “Agostinho de Hipona”.

Apenas um ano depois de sua morte, Agostinho passou a ser catalogado como um dos maiores mestres da Igreja. Ele é tido, em alta categoria, como filósofo, teólogo, retórico, místico e poeta. Quem tem a graça de mergulhar nos seus escritos jamais permanece da mesma maneira. Conhecer o seu pensamento e a sua vida provoca, naturalmente, uma sede de Deus. Seus felizes investigadores, portanto, ao entrarem em contato com este edifício literário-espiritual, descobrem o encanto por Jesus Cristo e a necessidade de permanecer em estado de graça e de constante oração. Estes agraciados são impelidos ao amor, à oração, à sabedoria e à verdade.

A importância de Santo Agostinho para a Igreja

Imagem ilustrativa.

Colaborações de Santo Agostinho

Agostinho escreveu como ninguém acerca do homem e acerca de Deus. Ele colaborou enormemente na fundamentação da doutrina da Igreja Católica em tempos muito difíceis em que a fé genuína estava sendo terrivelmente bombardeada por inúmeras e perniciosas heresias. Além de incontáveis livros, cartas e sermões, o Bispo de Hipona também deixou registrado um conjunto de princípios que, posteriormente, fora chamado de “Regra de Santo Agostinho”. Muitos fundadores de ordens, a propósito, recorreriam a esses princípios para formularem as regras próprias de suas fundações.

Santo Agostinho, assim como outros grandes e ilustres letrados, escreveu muito e durante toda sua vida, deixando uma obra monumental para a Igreja, quer dizer, para cada um de nós. Contudo, poucos escreveram como ele sobre o amor e a caridade. Basta entrar em contato com quaisquer de seus escritos para perceber, quase que de imediato, que as palavras mais torneadas por sua pena são justamente estas: amor/“caritas”. Não por acaso que ele também é conhecido como o “Doutor do amor” ou o “Doutor da caridade”.

Caridade e amor

A caridade de Agostinho está muito longe de ser mera filantropia. Para ele, a caridade só é verdadeira quando está imersa no amor de Cristo. A caridade assim entendida torna-se a regra de ouro de todo o comportamento humano. Ele conseguiu resumir seu pensamento sobre o amor em uma magnífica e admirável fórmula: “Ama e faz o que quiseres”. O sentido de sua caridade, portanto, não é somente humana, mas sobre-humana, uma virtude sobrenatural que se dirige para Deus e assim as transcende e realiza.

Agostinho encontrou o amor e a liberdade porque procurava, com muita insistência, a verdade. Amor, verdade e liberdade pode ser considerado o grande trinômio presente na vida desse grande Padre da nossa Igreja. Ele se fez defensor daquela liberdade que é inseparável da verdade e do amor.

Leia mais:
.:Santidade: como conciliar prudência e ousadia?
.:Como ter um santo de devoção?
.:São Bento e sua regra estão ultrapassados?
.:O papel da cultura na formação da juventude

Ainda nesse sentido, na primavera de 415, escreveu uma carta a São Jerônimo proclamando que a lei da caridade é a lei da liberdade. No mesmo período de sua vida, Agostinho define esta “lei da liberdade” como o amor derramado pelo Espírito Santo no coração do homem. Assim, somente a liberdade do amor, concedido por Deus, liberta eficazmente o coração humano de sua escravidão.

Enfim, neste primeiro artigo sobre Santo Agostinho, tivemos uma pequena e introdutória noção da valorosa contribuição que esse gigante da fé deu à Igreja. No próximo artigo, falaremos com mais detalhes sobre a sua vida apostólica e apontaremos para alguns dos maravilhosos frutos de santidade deixados por ele.

Deus abençoe você e até a próxima!

banner_espiritualidade


Gleidson Carvalho

Gleidson de Souza Carvalho é natural de Valença (RJ), mas viveu parte de sua vida em Piraúba (MG). Hoje, ele é missionário da Comunidade Canção Nova, candidato às ordens sacras, licenciado em Filosofia e bacharelando em Teologia, ambos pela Faculdade Canção Nova, Cachoeira Paulista (SP). Atua no Departamento de Internet da Canção Nova, na Liturgia do Santuário do Pai das Misericórdias e nos Confessionários. Apresenta, com os demais seminaristas, o “Terço em Família” pela Rádio Canção Nova AM. (Instagram: @cngleidson)