Exemplo de santidade

Conheça a história de Santa Catarina de Sena, a doutora da Igreja

Aprenda com o testemunho de vida de Santa Catarina de Sena

Catarina de Sena nasceu em 1347 e morreu aos 33 anos no dia 29 de abril de 1380. Considerada doutora da Igreja, ela foi responsável pela volta do Santo Padre para Roma, e sempre teve um grande amor pelos sacerdotes.

Conheça a história da doutora da Igreja Santa Catarina de Sena

Retrato de Catarina

Jovem, magra e de altura mediana, Catarina trajava roupas pobres, cuidava muito da limpeza pessoal, gostava de trabalhar e estava sempre ocupada. Ela trabalhava com o pensamento e o coração unidos intimamente a Deus, rezava longamente, comia muito pouco e dormia quase nada. Serena e sorridente, acolhia com amor as pessoas.  Gostava de música, cantava longamente e tinha voz entoada e agradável. Catarina amava a natureza!

Dotada de dons carismáticos, ao receber as pessoas, ela logo captava, por intuição, o segredo do coração delas. Ao falar em público, não cansava os ouvintes. Abraçava as pessoas com afeto, segurava-lhes as mãos. Ria com elas, e com elas chorava.
Ao tratar de assuntos referentes a Deus, não se preocupava em agradar ou desagradar as pessoas, fosse quem fosse.

Leia mais:
.: Reflexão: ciência dos Santos ou caminho de perfeição?
.: Será que os Santos atendem nossas orações?
.: O que os Santos fazem e fizeram pra chegar até a santidade?
.: Os Santos intercedem mesmo por nós?

O que ensinava e exigia Catarina dos seus discípulos

A perseverança no bem.
O perdão dos inimigos.
A lembrança da morte.
A confissão.
Amar ouvir a Palavra de Deus.
Comungar diariamente.
Recitar com prazer a Liturgia das Horas.
Não se afastar da oração.
Tomar consciência das faltas cometidas contra Deus.
Conhecer a grandeza divina, que tanto fez e faz por nós.
Recitar, a cada dia, o Ofício da Virgem Maria, para que ela seja vosso conforto e advogada junto de Jesus.
Organizar a vida.
Viver ordenadamente, como pessoa que não quer fazer do próprio estômago o seu deus, pois, de fato, é impossível que alguém, desordenado no comer, conserve-se na inocência.
Ter virilidade e disposição para a luta, para o sofrimento e a doação de si.

Catarina tinha horror do medo e da indefinição, por isso usava muito a palavra ‘voglio’ (quero).

Santa Catarina de Sena, rogai por nós!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.