Deus é amor

Homem e mulher, um belo desígnio de amor

Deus assim quis o casal humano: homem e mulher

“Deus fez o homem e a mulher “à sua imagem e semelhança”” (Gn 1,26). Isto é, Ele foi buscar “dentro de Si mesmo” o “modelo” para nos criar. Portanto, não poderia nos ter feito melhor.

E como é o “interior” de Deus? É amor. “”Deus é amor””, nos ensina São João (cf. I Jo 4). E, se nos fez à sua “imagem”, nos fez por amor e para o amor, como Ele. O amor é difusivo; isto é, sai de si mesmo e vai em busca do outro. Sabemos que Deus é uma bela “família”, a Trindade Santíssima: um Deus só (uma só natureza ou essência), mas que subsiste em três pessoas distintas, que se amam infinitamente.

1600x1200-Homem-e-mulher-um-belo-desIgnio-de-amor
Foto: Daniel Mafra / cancaonova.com

Você pode não compreender este “mistério” de “um em três”, porque não pode compreender toda a intensidade do amor que é Deus. Se você pudesse entender plenamente o amor que há na Trindade, o seu mistério ficaria claro.

Ora, como Deus nos quis à sua “imagem”, então, fez do amor a “razão de ser” de nossa vida. Assim, ao estabelecer na terra a humanidade, quis que a sua essência fosse esse amor que é Ele mesmo. Isto esclarece porque ao criar o homem (= Adão), Deus disse: ““Não é bom que o homem esteja só”; “vou dar-lhe uma ajuda que lhe seja adequada”” (Gn 2,18).

Essa “ajuda adequada” seria para o homem o seu complemento, e também, alguém para amar, para se doar. É importante notar que Deus, antes de criar a mulher, tinha dado ao homem todos os seres criados, e mandado que ele desse nome a cada um deles. “Dar nome”, na Bíblia, significa tomar posse. Damos nome àquilo que nos pertence; o fazendeiro dá nome à sua vaca; a menina dá nome à sua boneca; os pais dão nome aos seus filhos.

“”Tendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todos os animais dos campos, e todas as aves dos céus, levou-os ao homem, para ver como ele os havia de chamar; e todo o nome que o homem pôs aos animais vivos, esse é o seu verdadeiro nome”” (Gn 2,19). Mas o livro do Gênesis afirma que tomando posse de todos os seres criados, e pondo nome a todos eles, “não se achava para ele [homem] uma ajuda que lhe fosse adequada” (v. 20). O que quer dizer isto, senão que faltava “alguém” que o homem pudesse amar e por quem fosse amado? Faltava o “outro, que completaria a sua essência.

A Bíblia não deixa de dizer que foi grande a surpresa e a alegria do homem ao ver a mulher que Deus criara. Foi como um suspiro: “”Eis agora aqui, disse o homem, o osso de meus ossos e a carne de minha carne; ela se chamará mulher, porque foi tirada do homem” (Gn 2,23).

O alerta do Papa

Foi a primeira declaração de amor que o universo ouviu. O homem suspirou aliviado porque Deus tinha então lhe dado ajuda a “ajuda adequada”; isto é, a sua vocação para o amor podia agora ser realizada. Precisamos dizer aqui –- com todo o respeito para com os homossexuais –- que Deus assim quis o casal humano: homem e mulher.

A Igreja reconhece, e o próprio Catecismo explica, que a origem e as causas da homossexualidade são ainda confusas, mas a sua prática é classificada como “”depravação grave” e “intrinsecamente desordenada”” (Catecismo 2357).

Quando o Parlamento Europeu, em 1994 (no Ano da Família), considerou juridicamente válido o casamento de homossexuais, podendo até adotar filhos, o Papa João Paulo II não se calou; imediatamente condenou esta prática: “

“Não é moralmente admissível a aprovação jurídica da prática homossexual. Ser compreensivos para com quem peca, e para com quem não é capaz de libertar-se desta tendência, não significa abdicar das exigências da norma moral… Não há dúvidas de que estamos diante de uma grande e terrível tentação”” (Discurso em 20/02/94).

Leia mais:
.: Homem e mulher são belos por essência
.: Diferença entre homem e mulher
.: A influência da sexualidade entre homem e mulher


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.