Ensinamento

A caminho com o Papa Francisco

Papa Francisco nos ensina que tudo se revela na misericórdia e no amor do Pai

Há uma clássica percepção sobre a Igreja Católica que enfatiza o seu estado permanente de reforma. Isso significa compreender a Igreja assentada sobre alicerces imutáveis e inegociáveis da Doutrina da Fé, inserida na história e em diferentes culturas, assumindo o desafio de ser contemporânea. Um compromisso vivido sob a luz e o impulso da ação do Espirito Santo. Assim, a Igreja se confirma, ao longo dos tempos, como servidora do Reino de Deus e anunciadora do Evangelho. Hoje, a Igreja trilha o caminho de um mundo marcado pela multiplicidade e velocidade das transformações, entre outras características, que exigem novas ações capazes de permitir o encontro de todos com a pessoa de Jesus Cristo – a assimilação de seu Evangelho, força com propriedades para tornar o mundo melhor. É preciso alcançar novos paradigmas alicerçados na misericórdia, que quebra privilégios e segregações. Nesse processo, para ser fiel à sua identidade, a Igreja precisa cultivar a proximidade, sobretudo com os mais pobres. E diante dessa realidade, o Papa Francisco deve ser reconhecido como um dos sinais de Deus para os conturbados dias atuais.

O Santo Padre é sucessor do apóstolo Pedro e, a partir de sua missão, conduz a Igreja na direção que deve seguir para qualificar-se, na fidelidade imorredoura à verdade da fé, e, assim, ser capaz de interpelar a contemporaneidade. Nessa tarefa, o Papa Francisco convoca todos os fiéis a fazer uma Igreja cada vez mais missionária, seguindo o mandato de Nosso Mestre e Senhor. Jesus Ressuscitado envia seus discípulos em missão para pregar o Evangelho em todos os tempos e lugares, para que a fé n’Ele se estenda a todos os cantos da terra. Inquestionável é a convicção de que o Evangelho de Jesus guarda a semente que, se cultivada, faz nascer sociedades mais justas e igualitárias.

A caminho com  o Papa FranciscoFoto: Arquivo CN

Pastoral e missionária

A tarefa de ser cada vez mais missionária exige da Igreja coragem para se submeter a indispensáveis reformas práticas, relacionadas aos exercícios do poder, à organização e aos funcionamentos conjunturais. Requer também a coragem para abrir mão de privilégios. Há inércias e funcionamentos que são claros impeditivos para que as comunidades avancem no caminho de uma conversão pastoral e missionária. Diante das perguntas novas, que exigem novas respostas, todos devem estar convictos de que as coisas não podem continuar como estão. Afinal, soluções obsoletas não são capazes de resolver problemas contemporâneos. E a novidade que se busca está em Jesus Cristo e no seu Evangelho. Desnecessários e prejudiciais na vida da Igreja são os hábitos que caracterizam clubes fechados, ou que remetem às organizações de caráter partidário e político-religioso. Esse processo de renovação exige rapidez, para não se perder a oportunidade, mas é complexo, pois confronta posições e defesas de práticas que são verdadeiras barreiras, erguidas pela incompetência de se dialogar com o mundo contemporâneo.

É urgente a reforma de estruturas, mas não é somente “aquela onde o outro se assenta”. São todas as estruturas, que devem abrir-se à ação do Espírito Santo para renovar-se. O aparecimento de reações e de posturas não suficientemente lúcidas, que incapacitam para o diálogo com o mundo, constitui um risco. Pode conduzir a Igreja a uma espécie de “introversão eclesial” que ameaça a força de sua própria identidade. E se a Igreja estiver enfraquecida, distante dos homens e mulheres deste tempo, perde sua capacidade de promover o encontro de todos com a pessoa de Jesus Cristo, impulsionando transformações. As centralizações excessivas que complicam a vida da Igreja e mutilam sua dinâmica missionária impõem, a todos, um alto preço.

Leia mais:
.: Fiéis vivem um ano de conversão e misericórdia
.: Como escutar o próximo com misericórdia?
.: Misericórdia em três gestos de amor
.: Tocado pela misericórdia divina

A vivência da misericórdia

A grande força motora de todo o necessário processo de transformação, que recria e redesenha estruturas, funcionamentos, sobre o alicerce imutável da Doutrina da Fé, vem da lição que permanentemente desafia a aprendizagem e a prática de todos os cristãos: a misericórdia. Eis o vetor que impulsiona as transformações, vencendo medos e resistências, fecundando mentes e corações nas inventividades. A misericórdia não é um parêntese na vida da Igreja, mas constitui a sua própria existência. Por isso, afirma o Papa Francisco que tudo se revela na misericórdia e tudo se compendia no amor misericordioso do Pai. Na medida em que se é tocado pela misericórdia, brota-se o novo, firma-se o passo conduzido pelo amor. A vivência da misericórdia exige a ruptura com círculos de egoísmo, de carreirismo, de exercícios equivocados do poder e com o gosto por privilégios. Não se pode querer limitar a ação do Espírito Santo, pois d’Ele vem a indicação de novos caminhos.

Essencial para acolher esses novos rumos é Proclamar a Palavra de Deus. Reconhecer que esse é o tempo da misericórdia e de renovar, pela misericórdia, o rosto da Igreja, possibilitando novas dinâmicas e respostas. Para isso, são necessários investimentos, sinergia e comunhão com a marca da humildade, amor sincero e operoso pela Igreja. E a indicação mais segura, no mundo contemporâneo, é que todos possam estar a caminho com o Papa Francisco.


Dom Walmor Oliveira de Azevedo

O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, é doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Atual membro da Congregação para a Doutrina da Fé e da Congregação para as Igrejas Orientais. No Brasil, é bispo referencial para os fiéis católicos de Rito Oriental. http://www.arquidiocesebh.org.br

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.