Seja santo no cotidiano

Como podemos buscar viver uma vida de santidade?

O propósito dessa pequena série de textos é ajudá-lo a identificar se você tem vivido uma vida mundana e, em caso positivo, mostrar que a única forma autêntica de viver a fé em Cristo é buscar levar uma vida de santidade. Essas duas maneiras de viver a fé são radicalmente diferentes. O mundano é uma pessoa que ama a Deus, mas é cheia de amores nesse mundo e por isso vive dividida. Sua resposta ao sacrifício salvífico de Jesus na cruz é limitada, cheia de reservas, porque sua segurança ainda está nas coisas do mundo. Aquele que quer ser santo sabe que precisa amar incondicionalmente a Deus e por isso precisa desapegar-se de todas as coisas que o prendem ao mundo. O caminho para amar a Deus é a oração, a porta pela qual se entra no castelo interior, como disse Santa Teresa d’Ávila. Um dos meios especiais que Deus usa para nos ajudar a vencer nossas paixões desordenadas e amá-Lo acima de todas as coisas são os sacrifícios, as dores, as tribulações ofertadas com amor, como oportunidade de conversão. Ser santo, enfim, não é complicado: “Toda santidade consiste em amar Jesus Cristo, nosso Deus, nosso sumo bem e nosso Salvador” (Santo Afonso Maria de Ligório). Amar Cristo, por sua vez, significa imitá-Lo em tudo, especialmente no seu grande e definitivo ato de amor: “Quem não tomar sua cruz para seguir-me, não é digno de mim. Quem se agarrar à vida irá perdê-la, quem a perder por mim a conservará” (Mt 16,24-25).

Diante de tudo isso, você pode estar se perguntando: e eu com isso? Esse negócio de santidade é para padre e freira, ou para quem é da Canção Nova ou de alguma dessas comunidades. Minha vida é muito corrida, meu emprego é muito exigente, tenho filhos, faculdade, um marido que não é de Deus. A santidade, a Igreja nos ensina, é para todos. Ao dizer isso, a Igreja quer dizer que a santidade está ao alcance de todos, independentemente da situação em que viva. Como isso é possível? Porque ninguém alcança a santidade por seus méritos, mas pela graça de Deus. A parte que nos cabe é pedir a Deus a graça de amá-lo mais e mais.

Como podemos buscar viver um vida de santidade

Foto Ilustrativa: Arquivo CN/cancaonova.com

Persista e pratique uma vida de santidade

Há dois pontos centrais que impedem um bom católico, o chamado “praticante”, de perseguir com afinco a vida de santidade. Quero encerrar essa série propondo a você, leitor, uma reflexão bem concreta sobre eles. O primeiro é a incapacidade de se enxergar como mundano, como um miserável diante de Deus. “Eu não tenho apegos, meu único apego é o Senhor”. “Não sou mundano. Minha vida é rezar. Amo a Deus mais do que tudo nesse mundo”. Se alguma dessas frases reflete o que você pensa sobre si mesmo, então ou você já é um verdadeiro santo, ou está cego pela soberba. Medite sobre a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, percorra todo o seu sofrimento redentor, desde a agonia no Horto das Oliveiras, passando pelos açoites, os insultos, os escarros, a coroação de espinhos, o caminho até o Calvário, as quedas, a crucifixão e a morte dolorosa. Pergunte-se, diante dos sofrimentos de Jesus, como você tem vivido a sua vida, se ela tem sido uma oferta à altura do ato de amor que é a cruz. Pergunte-se se você tem amado as pessoas como Jesus ama você, a ponto de aceitar injustiças, ofensas, desrespeito, traições. Se você for sincero com você mesmo e com Deus, a resposta inevitável a essas duas perguntas é que você ainda não ama a Cristo como deve. Isso vale para mim, para você, para qualquer um. Os santos todos viviam a angústia de saber que por mais que se esforçassem, ainda não amavam o Senhor como ele merecia ser amado. Se isso não pesa no seu interior, se essa realidade não o aflige, reze insistentemente pedindo a Deus a graça de amá-lo e de reconhecer quão longe você está de corresponder ao amor de Cristo!

Eu tenho plena clareza de que meu coração ainda está muito longe de exclamar, como Santo Afonso de Ligório:

Ó Jesus, meu Amado,

Nada desejo fora de Vós.

A Vós, meu Deus, entrego-me todo,

Disponde de mim como Vos aprouver!

O segundo ponto central tem a ver com a famosa frase “mas você não sabe como é a minha vida”. Quantos de nós nos esquivamos de uma vida de compromisso com Deus com base nessa frase! “Minha vida é corrida demais”, ou “Você não sabe o marido/a esposa que tenho”, ou ainda “Sou muito doente”, “Não tenho tempo para isso ou aquilo” etc. Entendamos que cada santo foi santo vivendo a sua própria vida, nunca vivendo a vida de outra pessoa. Santa Teresa d’Ávila foi santa no Carmelo, enfrentando uma vida cheia de enfermidades; Santa Dulce dos Pobres foi santa em meio aos pobres, na Bahia; São João Paulo II foi santo sendo Papa, enquanto São João Maria Vianney foi santo sendo um simples pároco num vilarejo escondido da França. Quer ser santo? Abrace a sua cruz, ou seja, a sua vida como ela é, e siga Jesus. Entenda que não se trata de você querer ser o salvador dos outros, porque pensar assim levará você à soberba de se considerar superior espiritualmente às pessoas próximas de você. Não! O santo se enxerga como um miserável, como alguém que é pior que qualquer outra pessoa na face da terra. É o seu marido que bebe e não vai à Igreja? Peça a Deus a graça de amar essa realidade como uma oportunidade de VOCÊ se converter e amar mais a Deus e ao seu próprio marido. Você trabalha num ambiente desagradável, ganha pouco e está cercado por pessoas mentirosas e mundanas? Louve a Deus, porque essa é a oportunidade que Ele está lhe dando para VOCÊ se converter e amar mais. Você é explorado no seu trabalho, ignorado por seus filhos, foi abandonado pela esposa ou pelo marido? Lembre-se das pessoas que traíram Jesus, que o ignoraram e maltrataram e faça a oração que Ele mesmo fez: “Pai, perdoai-lhes, pois não sabem o que fazem”.

Leia mais:
.: Não leve uma vida mundana
.: Está disposto a viver uma vida de santidade?
.: A importância de dedicar-se à vida de oração
.: A vida de santidade exige sacrifício 

Seja santo sendo você mesmo

Não queira fugir da sua própria realidade. Seja santo onde você está, do jeito que você está, com suas limitações, dores, angústias e tribulações. Lembre-se de que não estamos sós: é Deus quem combate em nosso favor. Encerro pedindo a Deus, com Santo Afonso de Ligório, a graça de amá-lo acima de todas as coisas:

“Ó amor infinito, digno de um infinito amor, quando vos amarei, ó meu Jesus, como vós me amastes? Eu quero sempre começar a amar-vos, prometo-vos sempre, mas nunca o começo. Quero começar hoje e amar-vos deveras. Ajudai-me, inflamai-me, desprendei-me da terra e não permitais que eu continue a resistir a tantas finezas de vosso amor”.

banner_espiritualidade


José Leonardo Nascimento

José Leonardo Ribeiro Nascimento é casado, pai de quatro filhos e membro do segundo elo da Comunidade Canção Nova desde 2007. Natural de Paripiranga (BA), cursou Ciências Contábeis na Universidade Federal de Sergipe e fez pós-graduação em economia por meio do Minerva Program, na George Washington University, nos Estados Unidos. Trabalha, há 18 anos, como Auditor Federal na Controladoria-Geral da União em Aracaju (SE). Ele e sua esposa trabalham, há muitos anos, com a evangelização de casais e de famílias, coordenando grupos e pregando em retiros e encontros.
Instagram: @leonardonascimentocn | Facebook: @leonardonascimentocn

comentários