Como ser o que Deus quer?

Preparando-me certo dia para uma pregação, onde o tema proposto era o Amor de Deus e, tendo em mãos o Catecismo da Igreja Católica, um grande tesouro enriquecedor da nossa fé, deparei-me com o parágrafo 27 que muito chamou minha atenção: “O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem a Si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar”.

Desde toda eternidade, quando Deus criou o mundo e, tudo o que nele existe, cada um de nós já estava dentro de seu coração. Ele já pensava em nós, sabia o que cada um seria, e qual nossa missão específica na terra.

A medida em que fomos crescendo, cada um em seu ambiente e realidade de vida, foi sendo influenciado por muitas coisas boas e, infelizmente por coisas ruins também. Costumo dizer que saímos de uma forma boa: a forma de Deus e, com o passar do tempo, muitas vezes sem perceber, deixamos o mundo, o sofrimento, a sedução, a violência, o orgulho, a ganância e tantas outras coisas nos “deformar”. Entramos na forma do mundo.

Sinto que o coração de Deus se entristece, pois não foi isso que Ele sonhou e desejou para nós, seus filhos. Mas, ao mesmo tempo somos livres para fazer escolhas.

Agimos assim, muitas vezes, por causa de uma busca infinita de algo que nos preencha; penso que, isto acontece e acontecerá até que, de fato tenhamos um encontro pessoal e profundo com o Criador e experimentemos seu amor incondicional para que esse vazio seja verdadeiramente preenchido.

Quando estamos cheios do amor de Deus, evitamos buscar prazeres mundanos e passageiros, porque isso já não nos preenche mais; na verdade nunca preencheu. A partir desse encontro, passamos a ter consciência de que ferimos o coração de Deus e buscamos um recomeço.

O interessante é que a pedagogia divina se manifesta a nós de várias formas. Somos formados até através das mais diversas situações: mortes, tragédias, desemprego, humilhações… E é por isso que ouvimos sempre: De todo mal Deus tira um bem maior.

Portanto, um mal nunca acontece por acaso, por mais difícil que seja de acreditar. Interessante é que nunca entendemos isso na hora.

Hoje, diante de toda deformação que vivi no passado, tentando preencher minhas carências, percebo que, em tudo estava a mão de Deus. Talvez, se não tivesse passado por tantos sofrimentos, não teria conhecido o amor de Deus, não O amaria tanto e, conseqüentemente não seria capaz de ter entregado minha vida, renunciado família, casa, estudos e ser o que sou: uma missionária feliz e realizada a serviço da evangelização; de muitas vezes esquecer meus problemas, abandoná-los nas mãos do Senhor e, cuidar daqueles que precisam de ajuda muito mais que eu.

Meu maior desejo é ser a cada dia a “Ana que Deus” quer que eu seja. A Ana pensada e sonhada em seu coração desde toda a eternidade.

Convido você a fazer esta experiência também: renunciar situações de pecado e encontrar-se com Deus. Como? Podemos começar com uma boa confissão dos nossos pecados.

Queira ser o (a)… (seu nome) sonhado (a) por Deus. Não queira ser o que você simplesmente quer. Assim não chegará a lugar nenhum, jamais.

“Eu quero amar, eu quero ser, aquilo que Deus quer. Sozinho eu não posso mais viver” (Cosme)

Não deixe os sonhos de Deus morrerem em você. O encontro será lindo, basta desejar e dar passos para que esta busca se concretize!

Estou rezando por você.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.