Abalando as estruturas de nossa consciência

Nós somos capazes de seguir uma regra a partir do momento em que a conhecemos. O Deus que nós anunciamos não é uma ameaça.
Religião que só nos mostra a cruz é uma religião infértil, porque eu não sou filho do calvário, eu sou filho do Ressuscitado – e quem eu anuncio sempre é o Ressuscitado.
Se cada um de nós, hoje, tivesse a oportunidade de contar o que passamos, de escrever a nossa história, tudo o que tivemos de sofrimento e sangue, não teria editora suficiente para tantos livros. Todos nós passamos pelo “calvário”, mas você não pode ficar parado aí. Nesse calvário, você tem duas opções: ou esquece o peso da cruz ou olha que tem um Cirineu do seu lado. Nós queremos a ressurreição, mas não queremos o calvário.

É muito fácil a gente cair na religião do mito – Jesus já nos alertava o tempo todo para o culto dos ídolos – e a idolatria é um dos principais problemas religiosos no mundo. Esse é um risco que todos nós corremos, quando a nossa admiração por alguém, ou por uma pessoa se torna essencial, colocada acima, em termos de importância do que aquele que a pessoa anuncia.
Temos que viver uma religião que seja capaz de mexer com as estruturas da nossa consciência, a ponto de nos fazer acordar para tudo aquilo que não sabíamos que existia dentro de nós.
Já estávamos inconscientes e acostumados com o nosso jeito ciumento de amar, jeito ciumento de possuir as pessoas, achando que isso era amor. Eu já era desonesto nas pequenas coisas e já estava acostumado. Até que um dia uma palavra profética varou as estruturas da minha vida e me incomodou. Uma palavra profética tem o poder de fazer algo, de acordar os surdos e aqueles que estão dormindo e que já não escutam mais nada, num sono letárgico, ou até mesmo num cumprimento de rituais inférteis que já não servem de nada para a nossa salvação.

A religião que Jesus quer de nós é esta: que você fixe os olhos céu, que você busque o céu. É disso que Jesus fala: “Não venha me dizer o que você fazia antes, não me importa o que você fazia. O que faz diferença para mim é o quanto a minha Palavra conseguiu transformar o seu coração a ponto de transformá-lo numa pessoa melhor”. A ponto de você olhar para trás e dizer: “Antes eu era assim, e pela força da Eucaristia, do Evangelho, do terço, eu mudei”.
Você percebe que a sua vida não é mais a mesma, porque você mudou o seu jeito de pensar, modificou o seu jeito de ser.

Você acha que nós vamos ser santos sem sacrifício?
A dor sinaliza que alguma coisa precisa ser cuidada. Eu sei das minhas lutas, mas estou satisfeito, porque eu não me prendo àquilo que eu não posso, mas sim Àquele que me anima. A semente passa por todo um processo de crescimento, mas ela sabe que se não deixar de ser o que é, não atingirá seu objetivo.
Se eu não tivesse sofrido do jeito que eu sofri, se eu não tivesse amado do jeito que eu amei, eu não teria nada para contar a vocês. Não tem jeito de amar sem sofrer.

Não sinta vergonha de nada que viveu, porque depois que passou por aquele momento, você sabe o que você sofreu para chegar onde chegou. A dor é o preparo. A sua dor não pode ser em vão.

(Artigo produzido a partir da homilia de 26/08/2007)

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.