Um Planeta chamado Homem

Neste pequeno planeta, que, de tão pequeno nem sequer seria visível de Júpiter, aconteceu um fenômeno incrível chamado homem. HUMANUS, feito de humo, feito de terra, feito de pó. A Bíblia não é um livrinho tão ingênuo quanto alguns cidadãos, supostamente mais cultos, gostariam de supor.

Na história da criação do primeiro casal, há uma colocação impressionante e lúcida: ADAMAH foi o nome que o autor achou para descrever o ser inteligente e especial que Deus criara. E ADAMAH, como humano, têm o mesmo significado de terra. A humanidade é terra. É pó.

Depois, vieram os cientistas e pesquisadores, afirmar que o ser humano é composto basicamente de seis elementos, como também o é a vida. E como o planeta, ele é mais água do que sólido. E, como a Terra e demais corpos celestes, é o equilíbrio de seus átomos que o mantém funcionando como um pequeno universo. O que acontece em escala gigantesca, com os astros gravitando em torno uns dos outros e formando um corpo inteligente, o cosmos_ , também se dá com o homem. É este um pequeno universo que reproduz, em escala de microcosmo, as mesmas evoluções do macrocosmo.

Quem criou o Universo, criou este planetinha Terra. Quem criou este planetinha, criou um tipo de ser inteligente que veio da terra, que para ela deve voltar e age estreitamente ligado a ela. Em cada árvore que ele mata, em cada rio que ele polui, em cada metro de céu que suja, o homem morre um pouquinho. Cada floresta derrubada é um suicídio coletivo. É como o sujeito tolo que serra o galho em que está. E morre com ele.

E é por isso que somos todos suicidas, quando permitimos que se desmatem milhares de áreas verdes, quando não reagimos às poluições ambiental, visual e sonora. Quando nos calamos diante de testes atômicos, e assistimos, impassíveis, ao assassinato da vida no planeta. Somos tão culpados quanto o médico que faz o aborto, a mãe que o decide e a enfermeira que assiste.

Criança inocente é como a natureza, seu crime é estar no lugar que queríamos ocupar, ou ocupar um lugar que desejamos tirar. Na sanha de desmatar, poluir e sujar, como aprendizes de feiticeiros, enquanto brincamos com armas atômicas e bacteriológicas, estamos nos matando. E se a terra morrer, o homem morre. Morre junto à árvore destruída, junto ao riacho poluído que antes servia à população.

Há um limite para tudo. A Bíblia não é livro tão ingênuo quanto possa parecer. Se deu ao primeiro homem o nome de ADAMAH (pó, de terra), se o traduziu como HUMANUS (feito de humo), queria passar alguma mensagem.

E a Igreja afirma na Quarta feira de cinzas: Lembra-te, homem, que és pó; e voltarás a ser pó. Mas será muito triste se voltarmos como suicidas. E dos povos suicidas, talvez, no momento, não haja nenhum pior do que o brasileiro. Não se desmata impunemente, em 60 anos, quase metade de uma área densamente habitada. Somos um povo desorganizado e doente. E quem não respeita a vida só pode terminar no caos. Que o digam os ecologistas. Sem eles, seremos o país da desordem e do retrocesso. Mais depressa do que imaginamos…

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.