Sim, Pai!

Jesus revelou que o Pai nos ama. Criou-nos por amor e escolheu-nos para partilhar da alegria da sua vida íntima. Ele nos deu, assim, a conhecer o mistério da Trindade Santíssima que habita em nós, destinando-nos à plena comunhão com as pessoas divinas. Chamados à existência e envolvidos pela misericórdia divina, experimentamos o dinamismo da esperança que nos faz tender sempre mais ao encontro definitivo com Deus.

Ao nascer entre nós, o filho de Deus veio nos iluminar sobre o desígnio amoroso da Trindade, oferecendo-nos a graça de conhecer, já nesta vida, a promessa de Deus e de assumi-la livremente. Os discípulos de Jesus são escolhidos para viver de modo consciente a filiação divina e a fraternidade com todos. São chamados a ser sal, luz e fermento no seio da humanidade, anunciando e realizando o projeto da salvação, certos de que o amor divino se estende a todos, pela entrega de Jesus na cruz e pela oferta da Igreja em união com Cristo.

À luz deste plano amoroso, cada discípulo de Jesus, unido a ele pelo batismo e movido pela ação do Espírito Santo, recebe uma vocação, isto é, um modo concreto de testemunhar e proclamar a maravilhosa salvação que a Trindade quer estender a todos. Como descobrir desde cedo a vontade de Deus sobre os caminhos concretos a seguir na imitação de Cristo?

Nestes últimos anos, as comunidades católicas têm valorizado mais o sacramento da confirmação, que se tornou para nossa juventude uma dádiva generosa. Há um empenho especial em preparar os jovens para o sacramento da crisma, auxiliando-os jovens para o sacramento da crisma, auxiliando-os a fortalecer a fé e a discernir a própria vocação. Rapazes e moças recebem dos catequistas um conhecimento maior da palavra de Deus, o apelo à oração, à vida na graça e ao compromisso de participação na comunidade e de serviço ao próximo. Neste ambiente de amizade fraterna, cresce a descoberta pessoal de Jesus Cristo e de sua mensagem. Com freqüência, surge para muitos a hora do discernimento vocacional.

Como os demais bispos, tenho a oportunidade de acompanhar milhares de jovens nessa fase decisiva. É com muita fé e emoção que, em nome da Igreja, coloco a mão sobre a cabeça de cada jovem, abençoando-o com o crisma e conferindo-lhe a presença do Espírito Santo prometida por Jesus. Todos são chamados à santidade. Mas, como realizá-la?

Grande parte dos jovens escolherá a vocação conjugal e familiar. Daí a importância de garantir-lhes a preparação adequada para que possam alcançar o ideal de salvação e de fidelidade ao sacramento do matrimonio, como Jesus Cristo nos revela.
Outros, que não se casam, vão assumir diferentes trabalhos e responsabilidades, encontrando nas tarefas cotidianas a alegria de servir e de fazer o bem. Haverá ainda, em todos os tempos, jovens que, a exemplo de Jesus Cristo, sentirão o apelo especial para se entregarem de modo total a Deus e ao próximo. Essa vocação permanece há 2 mil anos na historia da Igreja.

Como Francisco e Clara, hoje também, muitos hão de responder “sim” ao chamado divino, dedicando-se, na vida consagrada, a seguir mais de perto o Divino Mestre para o bem do povo de Deus. Pelo sacramento da Ordem, alguns vão assumir a missão de Cristo, Bom Pastor, solicito em unir os irmãos e dar a vida por eles. Aprendam – os jovens e nós também – com a mãe de Deus e nossa, disciplina predileta de Jesus, que o segredo da felicidade está em dizer, com amor, “sim” ao apelo do Pai.

Dom Luciano Mendes de Almeida, arcebispo de Mariana (MG).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.