Ser radical?!

Dentro de mim, a palavra radicalidade é bem clara! Como já disse no artigo passado, não sou um radical de partido político ou que mata em nome de Deus, mas que quer viver a santidade na sua plenitude.

Ser fiel ao Senhor na sua essência e no objetivo primeiro que Deus me criou: ser santo e para o Céu.

Posso dizer que, radicalidade se traduz na tenacidade aos santos, que lutaram para não pecar até à última conseqüência: a morte.

Eu, como jovem, sou consciente na realidade do mundo, dos seus pecados e maldade. Sou bem atualizado na realidade que me cerca. Fiz e faço a opção de ser radical, de viver a radicalidade para não permitir o pecado em minha vida.

Como um bom consagrado e cristão, sou aberto ao diálogo, busco ser misericordioso e amar acima de tudo. Não uso o meu parâmetro para qualificar as pessoas ou, obrigo que elas me sigam, pois isto não é ser radical, mas sim, sem misericórdia.

E quero levantar uma juventude no Brasil e no mundo, que queira viver a radicalidade em Jesus. Sei que os jovens estão cansados de viver mais ou menos o Evangelho, a santidade e a pureza.

Quero dar o pontapé inicial para convocar os jovens a viverem comigo, a radicalidade em Jesus. Que sejamos jovens vivendo no meio da grande massa e, sejamos fermentos, capazes que fermentar toda a massa com a santidade de Deus.

Porque somos portadores da santidade de Deus.

Precisamos, sem medo, entrar nos meandros da sociedade e modificar as estruturas, sem se deixar envolver pela grande massa, com seus pecados e impurezas. Ser radical é isto: viver o Evangelho na sua essência e plenitude.

Claro que não é ser melhor que os outros, pois somos fracos e pecadores, capazes de cometer os mesmos pecados da grande massa. Mas é sermos diferentes; sermos “pára-raios” para o mundo; ser aquele que os outros possam confiar e buscar ajuda; ser o rosto, mãos, pés, boca e olhos de Deus para os que vivem desacreditados e excluídos na sociedade.

Precisamos ser jovens-fermento, santidade a toda prova, pureza na sua plena dimensão.

Para vivermos a radicalidade não precisamos nos excluir no mundo, ou abandonar as coisas: trabalho, grupos de amigos, cinema, compras; mas é ser de Deus aonde quer estejamos.

Um bom exemplo do homem radical foi o próprio Jesus, pois Ele remou contra a maré da sociedade de sua época. Seu ensinamento foi completamente diferente das coisas que existiam ou as leis já aplicadas.

Ser radical é olhar para Jesus. Tentar ser como Ele!

Convoco os jovens a viverem a radicalidade em Jesus.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.