Jovem, nade contra a correnteza!

Jovens, “se fordes aquilo que deveis ser, pegareis fogo ao mundo inteiro!” (João Paulo II).

Olhando para cerca de 80 jovens, que estavam nos primeiros bancos da igreja, na santa Missa do domingo, às 11h da manhã, recordei das palavras do nosso querido João Paulo II aos jovens, no encerramento da Jornada Mundial da Juventude em 2000: “Se fordes aquilo que deveis ser, pegareis fogo ao mundo inteiro!” Eles se preparavam para receber o Sacramento da Crisma, ou da Confirmação, nome que é mais utilizado aqui, e naquele final de semana, participavam de um encontro.

O Sacramento da Crisma é a adesão consciente da pessoa a Jesus Cristo, e a entrega da vida para ser conduzida pelo Espírito Santo. É a confirmação do compromisso assumido pelos pais no Batismo.

Durante a homilia, chamou-me a atenção quando um dos senhores pediu para duas jovens sentarem-se com postura, pois ambas estavam com o corpo bem relaxado, passando a impressão de não estarem interessadas no “sermão” do padre. A partir daí, comecei a observar a postura, a vestimenta, o cabelo e os gestos daqueles jovens americanos. Pensei: “Nossa! Parece que saíram da mesma fôrma”.

Parecia que eles estavam ali, não por decisão própria, mas porque foram forçados, talvez pelos pais, avós ou amigos. Eu já vi essa mesma realidade com jovens brasileiros, que estão sendo “engolidos” pela mentalidade deste mundo. Jovens que caminham sem Deus são iguais em qualquer lugar!

Mas, é possível ser diferente, basta nadar contra a correnteza.Lembro-me do primeiro “Encontro de Jovens com Cristo” de que participei, aos 18 anos, no qual tive um encontro pessoal com Jesus. Nele, ficou marcante, para mim, a primeira palestra chamada de “Ideal”. Saí de lá querendo colocar fogo no mundo. Dei o primeiro beijo em minha mãe na festa da nossa chegada, em minha paróquia.

Falava de Jesus em todo lugar. Queria converter todo mundo. Queria que todos tivessem um encontro pessoal com Cristo, o meu ideal. E nunca mais me separei deste meu “Ideal”. Passei por muitas críticas e discriminações por ser uma jovem que havia decidido seguir Jesus e ser atuante na Igreja Católica.

No meu último ano de faculdade, coloquei o meu convite de casamento no mural da classe, depois de alguns dias, alguém escreveu: “Que coisa careta, tá por fora…”

Nadei contra a correnteza! No encontro com Jesus origina-se um novo modo de viver, abandonando o “homem velho” para se conformar de modo sempre mais pleno a Cristo, “Homem Novo”. A vida em Cristo tem tudo a ver com o espírito jovem. Que pena que muitos jovens, hoje, podem ser definidos como “jovens envelhecidos”.

Que vontade de dizer para aqueles jovens, que estavam na Missa: “Coloquem fogo no mundo! Sejam jovens como Deus os criou: Força dinâmica do amor! Espalhem neste país a brasa do amor de Deus que está em vocês!”

Jovem, é possível ser de Deus num mundo tão secularizado! É possível ter fé num mundo cheio de apostasia! É possível amar sem precisar aparentar!

Jovem, nade contra a correnteza! Entregue a sua vida a Jesus, pois só Ele é capaz de satisfazer as aspirações mais profundas do seu coração.

João Paulo II também disse aos jovens: “De um testemunho assim, tem extrema necessidade a nossa sociedade; dele têm necessidade hoje, mais do que nunca, os jovens, freqüentemente tentados pelas miragens duma vida fácil e cômoda, pela droga e pelo hedonismo, acabando depois nas malhas do desespero, da falta de sentido, da violência. É urgente mudar de direção, tomando o rumo de Cristo, que é também o rumo da justiça, da solidariedade, do empenho por uma sociedade e um futuro dignos do homem.”

Jovem, eu creio que você tem jeito! Eu creio que você pode nadar contra a correnteza!
Eu creio que você pode colocar fogo no mundo, para transformá-lo em uma Civilização do Amor!

Deus o abençoe,

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.