Eu sou o caminho, a verdade e a vida

”Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6).

Talvez não exista nos Evangelhos uma definição mais elevada e mais completa definição de Jesus do que esta, que Ele Jesus dá de si mesmo. É uma síntese da sua missão e da sua identidade. E ela é comunicada a nós, para que possamos encontrar nele o caminho mais seguro, o único que leva ao Pai. Com efeito, o versículo se conclui com as palavras: “Ninguém vai ao Pai senão por mim”. Com as suas palavras Jesus nos revela aquilo que ele é em si mesmo, e o que ele é para cada homem e mulher desta terra. ”Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

De que modo Jesus nos revela que ele é a verdade? Dando testemunho da verdade com a sua vida e o seu ensinamento. “Para isso nasci e para isto vim ao mundo: para dar testemunho da verdade” (Jo 18,37).

Nós vivemos de acordo com a verdade, nós somos verdade, na medida em que somos a Palavra de Jesus. Mas, se Jesus é o caminho enquanto é a verdade, também é o caminho enquanto é vida para nós. “Eu vim para que tenham a vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10).

Quando nos nutrimos dele feito pão na Eucaristia, bem como quando nos nutrimos de sua Palavra, Cristo cresce em nós. E para que esta vida que existe em nós não se apague, nós, por nossa vez, devemos comunicá-la do único modo que Jesus nos ensinou: oferecendo-a como um dom aos nossos próximos. ”Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

“Preparai o caminho do Senhor” (Lc 3,4), gritava o Batista no deserto de Judá, fazendo eco ao profeta Isaías. E aí está aquele que se apresenta como o Senhor-Caminho, como Deus feito homem para que tenhamos acesso ao Pai por meio de sua humanidade.

Mas, qual foi o caminho usado por Jesus? Sendo Filho de Deus, que é Amor, Jesus veio a esta terra por amor, viveu por amor, irradiando amor, doando amor, trazendo a lei do amor, e morreu por amor. Depois, ressuscitou e subiu ao Céu, realizando o seu plano de amor. Pode-se dizer que o caminho percorrido por Jesus tem um só nome: amor. E que nós, para segui-lo, devemos caminhar por esse caminho: o caminho do amor.

Mas, o amor que Jesus viveu e que ele trouxe é um amor especial, único. Não é filantropia, nem simplesmente solidariedade ou benevolência, nem mesmo apenas amizade ou afeto; nem sequer é somente não-violência. É algo de excepcional, de divino: é o próprio amor que arde em Deus. Jesus nos deu uma chama daquele infinito incêndio, um raio daquele imenso sol: amor divino aceso no nosso coração pelo batismo e pela fé, alimentado pelos outros sacramentos, que é um dom de Deus mas que pede toda a nossa parte, a nossa correspondência.

Devemos fazer frutificar esse amor. De que modo? Amando. Não somos plenamente cristãos sem esta nossa contribuição segura. Amando, seguiremos Jesus Caminho e seremos, como ele, caminho até o Pai, para muitos de nossos irmãos e irmãs.
E seremos cristãos mais convincentes se vivermos juntos este mandamento do amor que Jesus nos deu.

Embora ainda não exista a plena unidade entre nós, entre todos os seguidores de Jesus, podemos demonstrar o amor recíproco com a vida. Com isto temos a possibilidade de ver realizada uma promessa de Jesus: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome – que alguns Padres da Igreja interpretam “no meu amor” – ali estou eu no meio deles” (Mt 18,20).

Nós, cristãos, podemos gozar desde já deste dom da presença de Jesus, por exemplo entre um católico e um anglicano, entre uma ortodoxa e uma metodista, entre um valdense e um armênio. Jesus no meio dos seus! Desse modo será ele a dizer ao mundo que ainda não o conhece: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

Neste mês, sejamos também mais conscientes de que, acima de tudo, a unidade dos cristãos é uma graça e que, portanto, é preciso pedir esse dom. Contemos com a oração feita em conjunto, porque Jesus disse: “Se dois de vós estiverem de acordo na terra sobre qualquer coisa que queiram pedir, isso lhes será concedido por meu Pai que está nos céus” (Mt 18,19).

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.