Eu e a Quaresma

Vamos juntos observar estas três tradicionais disciplinas da quaresma: oração, doação ao pobre e penitência. A questão é, “O que você está pensando para a quaresma?”

O que a Igreja está convidando você a fazer com este questionamento é olhar firmemente para a sua vida e tirar aquilo que você pode viver sem. O que você pode tirar ou até eliminar que irá fazer com que você se aproxime mais ainda do Reino de Deus?

Talvez você tenha perguntado para si mesmo, como eu fiz, aquela penitência de chocolate, sobremesas ou programas de TV que realmente não glorificavam a Deus. A penitência de Quaresma precisa realmente ser diferente de todas as outras formas de penitência.

Você poderia fazer de sobremesa simplesmente porque você tem estado sem comer por motivo de regime. Essa não é a finalidade ou foco da Quaresma. Se você se penitenciar em sobremesas por causa deste tempo de oração você estará fazendo uma escolha positiva. Tenha essa atitude como oferta a Deus na simplicidade para o seu próprio crescimento interior.

Quando você se penitencia na Quaresma, é também convidado a pensar naquelas pessoas que mais necessitam de nós – individualmente, na paróquia, ou no todo da Igreja. Quantas pessoas de sua idade dormem sem Ter o que comer – esqueça a sobremesa – todos os dias? Quantos jovens trabalham com exploração e não tem tempo nenhum para assistir TV porque sua família precisam de sustento? Isto não é para te fazer sentir culpado, mas sim para te fazer pensar.

A atitude de penitenciar-se é para criar dentro de nós uma fome interior. A fome que leva você a duas direções: 1- eliminar o desejo de coisas que você tem renunciado (quebra de um péssimo hábito como o de usar um mau hábito de linguagem) ou 2- criar um desejo (um forte desejo de bondade, muito mais forte que, por exemplo o desejo pelo pedaço de chocolate).

Também isso pode te aproximar de Deus. O mais importante não é tanto aquilo que te domina, mas sim o passo que você pode dar para diante disso.

Uma outra questão muito importante a considerar quando você faz alguma renúncia é “Para quê você está dizendo sim?” Stephen Covey atesta de forma simples, “É mais fácil dizer não quando existe um profundo sim dentro

Simplesmente significa optar pela poda, viver sem alguma coisa. E este convite tem direcionado muitas pessoas a fazer escolhas que protegem o meio em que vivem. Eles podam seus hábitos que não ajudam no crescimento (por exemplo, beber menos), enquanto alguns têm se aproximado de seus guarda-roupas e dado aquilo que não precisam para os pobres. Este é com certeza o tempo propício de conversão.

Jim Wilwerding
Fonte: EWTN
Tradução: Ziza / CN

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.