Cristianofobia, basta!

É impressionante ver as inúmeras manifestações de “cristianofobia” – aversão ao Cristianismo – na Europa, pelo fato de a Igreja não aceitar pecados como aborto, casamento de pessoas do mesmo sexo, camisinha, eutanásia, manipulação de embriões, inseminação artificial etc., porque ela entende que ofendem a dignidade humana.

O vídeo abaixo traz uma triste profanação da pessoa sagrada de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nenhum cristão autêntico pode ficar calado diante de uma blasfêmia contra o Filho amado de Deus, que veio a nós, fez-se homem apenas para fazer o bem e morrer de dor numa cruz para nos salvar do inferno. Quem pode ter medo de Jesus Cristo? Talvez os seguidores daquele que foge da cruz que o venceu.

(Confira o vídeo)

O mais grave nesta profanação e blasfêmia que mostra a aversão a Jesus Cristo é que são usadas as mãos inocentes de crianças para isso, tornando-as algoz de Cristo pela influência de adultos sem fé e sem respeito, dominados pela aversão a tudo que traz o nome sagrado do Filho de Deus.

É mais uma das muitas peças teatrais blasfêmicas: “Sobre o conceito do rosto do Filho de Deus”. Esse triste acontecimento ocorreu em Paris numa peça de teatro na qual crianças são incitadas a atirar objetos e sujeiras contra a imagem de Jesus Cristo. Em certo momento da representação, meninos atiram sujeiras contra uma grande figura de Nosso Senhor (O Cristo de Antonello di Messina). Mas houve uma bela reação.

Com um megafone em uma das mãos e um terço na outra, jovens católicos, em Paris, protestaram contra a peça teatral. De acordo com a agência ACI (em 27/10/11), desde o dia da estreia da peça do italiano Romeo Castelluci, um grupo de católicos do movimento “Renouveau français” (Renovação francesa) tem protestado e denunciado a cristianofobia. É com alegria que vemos nas fotos e no vídeo jovens franceses católicos com o Terço nas mãos protestando.

Em uma das apresentações, alguns membros da “Renouveau français” protestaram do lado de dentro; subiram no palco com um grande cartaz, onde se lia “Cristianophobie, ça Suffit!” (Cristianofobia, basta!).

Do lado de fora do teatro houve também manifestações de cristãos com repressões violentas por parte da polícia. O diretor da peça, Castelluci, declarou debochadamente: “Eu os perdoo, porque não sabem o que fazem”. O diretor do Teatro de Ville, Emmanuel Demarcy-Mota, não aceitou o boicote, argumentando que este “espetáculo” já se apresentou em mais de uma dezena de países europeus sem “suscitar a mínima reação análoga”. Se for verdade, a tristeza é ainda maior. O que será da Europa?

O mais triste de tudo – diz a notícia – é que o jornal “católico” progressista “La Croix” publicou uma nota de aprovação à polêmica peça, condenando os protestos. Que católicos são esses? É bom relembrar o que disse Nosso Senhor: “Porque, se nesta geração adúltera e pecadora alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os seus santos anjos” (Mc 8, 38).

Será que estamos voltando àqueles tristes tempos da Revolução Espanhola (1930), da Revolução Mexicana (1936) e, sobretudo, da Francesa? Dois autores nada católicos, BAIGENT, M. e LEIGH, R., (A Inquisição, Imago Editora, Rio de Janeiro, 2001) disseram que: “Na revolução francesa foram mortos cerca de 17.000 sacerdotes e o dobro de religiosas”.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.