Conselho

O poder da palavra imperativa

A qualidade da vida, depende dos verbos que imperam sobre ela

Imperar é atributo que sugere poder. O imperador comanda o império, rege com autoridade. Imperativo é tudo o que ordena, o que governa.

Na linguagem temos os verbos imperativos. São aqueles que dão ordens. Sempre que os leio escuto gritos, vozes querendo me convencer do conteúdo que sugerem. O verbo é a casa da ação, dele se desdobram movimentos. Verbos mobilizam os sujeitos. É a regra da gramática, mas é também, a regra da vida.

Foto: Leks_Laputin by Getty Images

Penso nas palavras que me ordenam. Quero compreender a razão de gritarem tanto sobre os meus ouvidos e de me moverem para a vida que vivo. A interpretação que faço do mundo passa pelos verbos que imperam sobre mim. Por isso, a qualidade da vida depende dos verbos que imperam sobre ela. Gosto de conjugar o verbo – amar – no imperativo: “AME!”

Não há necessidade de complementos. Ame este ou aquele, ame agora ou depois. Não há justificativas, é só amar; só seguir a ordem que o verbo sugere. Repito: “ame!”

Não escuto gritos, e sim, uma voz mansa com poder de conselho. Voz que reconheço ser a de Jesus, a me conduzir por um caminho seguro que me fará viver melhor. Ele repete: -Ame! Ele aconselha: -Ame!

Religião: casa do amor

Tenho aprendido que, o amor, é o melhor jeito de responder às questões do mundo. Experimento isso na carne, fico melhor cada vez que amo. Digo isso como homem religioso que sou. A religião é a casa do amor, assim como, o verbo é a casa da ação. Se ela não é, não é religião. Torna-se esconderijo onde acomodamos nossa hipocrisia; lugar em que justificamos nossas intolerâncias, e guerra fria que fazemos em nome de Deus.

Eu ainda acredito que o amor é a religião que o mundo precisa. Jesus ensinou isso. Morreu por crer assim. Elevou à potência máxima o imperativo do amor e não fugiu das consequências. Tenho medo quando, “em nome da religião”, nos especializamos em qualificar as pessoas como boas ou ruins. Tenho medo de deixar que outros verbos imperem sobre minha vida. Verbos que excluem, abandonam, jogam fora e que condenam a partir de aparências.

É nesta hora que eu me recordo do imperativo de meu Mestre: ”Ame!” E, só assim, eu descanso.

Precioso conselho

Eu sei que você também costuma se perder em tantas realidades desta vida. Sei que o seguimento de Jesus costuma nos colocar em encruzilhadas, porque não há seguimento sem escolhas.

Leia mais:
.: Somente a consciência do amor incondicional nos torna capazes de amar
.: A diferença entre amar e estar apegado
.: Vale a pena amar até mesmo quando sofremos por isso?

É natural que nasçam dúvidas e a gente se pergunte: “E agora? Como ser de Deus, no meio de tantas realidades contrárias? Como manter o olhar fixo no que cremos, sem que a gente precise cometer o absurdo de desprezar, os que creem diferente de nós?”

Nem sempre conseguimos acertar, fazer da melhor forma.

Quer um conselho? Ame!


Padre Fábio de Melo

Padre Fábio de Melo, sacerdote da Diocese de Taubaté, mestre em teologia, cantor, compositor, escritor e apresentador do programa “Direção Espiritual” na TV Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.