Relacionamento

Quem ama faz a diferença

O amor, por sua própria natureza, torna-nos livres e impulsiona-nos a sermos melhores. É por isso que, quando decidimos abrir o coração ao amor, nossa vida muda completamente.

É claro que, quando falamos do amor, logo imaginamos alguém a quem possamos amar e que nos ame para sempre, tirando-nos da solidão. Mas o amor vai além disso, pois ele está em tudo que fazemos, está nas nossas escolhas, desde as mais simples do dia a dia, até as definitivas – como o casamento, por exemplo. Está no “bom dia” que dou, no olhar sincero, na palavra amiga, na mão estendida. O amor é o que nos move para o bem e dá verdadeiro sentido à vida, proporcionando-nos a felicidade tão sonhada.

É por isso que não podemos confundir, por exemplo, o amor com o apego a uma pessoa. O apego nos cega e aprisiona, enquanto o amor nos dá asas e nos faz voar alto, quebrando os muros do individualismo. E vencer o individualismo me parece ser uma das principais batalhas que precisamos travar, em nossos dias, para darmos a vitória ao amor.


Assista: Só o amor constrói!


Num relacionamento amoroso, corremos o sério risco de nos agarrarmos uns aos outros como se a pessoa amada fosse uma “boia de segurança” em alto mar, a qual nos salva da solidão que o mundo nos oferece. É preciso atenção! Ninguém pode preencher totalmente o coração humano, só Deus. E quanto mais nos apegamos a uma pessoa, menos chances temos de amá-la verdadeiramente. Além disso, experiências comprovam que, quando tentamos preencher os espaços vazios da nossa alma com a presença de uma pessoa, é fácil nos decepcionarmos com ela e mais vazios nos sentirmos, porque o amor não é egoísta.

Amar é dar sem esperar receber em troca. É viver o desafio de plantar, cultivar e contemplar sem a pretensão de fazer a colheita, muito menos lucrar com ela. É verdade que muitos acham que amar é uma tarefa exigente. E tem toda razão! Na nossa sociedade, canta-se, escreve-se e fala-se muito do amor como o belo ideal pelo qual todos nós ansiamos, mas são poucos os que têm a coragem de amar. Por que será? Acredito que seja porque amar é sair de si mesmo, é doar-se a exemplo de Jesus, é escolher plantar a felicidade no coração e ser feliz só por isso.

Enquanto reflito e escrevo sobre o amor, nesta tarde silenciosa de outono, penso inevitavelmente no meu esposo, na missão e na graça em que o matrimônio nos envolve. Ainda somos aprendizes no amor e acredito que sempre o seremos. Estamos no começo da estrada, casamos a pouco mais de dois anos, mas percebo o quanto Deus tem nos feito crescer neste tempo sob a graça do bendito sacramento do matrimônio.

Muitas vezes, paro e fico contemplando meu esposo no dia a dia, seus traços, seu sorriso e seu jeito próprio de me fazer feliz, os quais falam muito de Deus e do Seu amor incondicional por mim. Fazem-me perceber que o casamento é, acima de tudo, uma vocação. É uma realidade que vai além do humano, é um desígnio de Deus que ultrapassa nosso entendimento e nossos sentimentos.

Duas pessoas tão distintas – e com realidades muitas vezes até opostas – são chamadas em conjunto para cumprir a mesma missão. E o mais bonito: no matrimônio, um homem e uma mulher unem-se por toda a vida não só porque provam um profundo amor recíproco, mas porque acreditam que Deus os ama profundamente e os designou para serem testemunhas vivas desse amor no mundo.

Tenho conversado com muitas pessoas que já não acreditam mais no amor. A dor da decepção parece ter roubado o brilho e a vivacidade da sua vocação primeira. Mas ouso dizer: “Não desista de amar! Você foi criado para isso. Seja qual for seu estado de vida, não espere ser amado, ame primeiro”.

O amor que cura é o amor que você dá e não necessariamente o amor que você recebe. E é só olhar à nossa volta para perceber o quanto existem pessoas sedentas de amor. Acredito que a maior carência da humanidade, hoje, seja mesmo a falta de amor. A inversão de valores tem nos feito buscar status, riqueza, reconhecimento, sucesso profissional e fama, mas tem nos desviado do essencial que é a felicidade verdadeira. E esta só a experimentaremos plenamente se dermos espaço ao amor em nossa vida.

Portanto, façamos a diferença neste mundo tão condicionado às recompensas. Escolha acreditar no amor gratuito e desinteressado. Sorria! Cumprimente as pessoas, observe seus semblantes, vá além das aparências, estenda sua mão a quem precisa, interesse-se pela dor do outro, semeie o que é bom nos corações sem se preocupar com a colheita.

Os frutos virão como consequência, e Deus é o maior interessado em ajudá-lo nessa tarefa.

Estou unida e rezo por você!

 


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às sextas-feiras, está à frente do programa “Florescer”, que apresenta às 18h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000 do portal cancaonova.com. Também é autora do livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

 

 

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.