O caminho para a maturidade

“A maturidade humana e, em particular, a afetiva, exigem uma formação clara e sólida para uma liberdade que se apresenta como obediência convencida e cordial à verdade do próprio ser, ao significado da própria existência, ou seja, ao dom sincero de si mesmo, como caminho e conteúdo fundamental da autêntica realização pessoal. Isso é importante para a resposta que se há de dar à vocação e para ser fiéis a esta e aos compromissos que ela envolve, inclusive nos momentos difíceis” (Papa João Paulo II – Pastores DaboVobis número 44).

A maturidade afetiva e sexual é atingir o máximo desenvolvimento que uma pessoa pode atingir quanto a emoções e relações humanas, ou seja, é desenvolver nossa capacidade de amar e de ser amados. Porém, para poder amar os outros, precisamos ter uma correta auto-estima, por isso, é preciso, primeiro:

Saber aceitar-se:

1) Aceite seu corpo e sua forma de ser

Você deve saber se aceitar como é, todo seu corpo; talvez, tenha alguma cicatriz ou exista alguma parte que não considere muito atraente, mas todo seu corpo é valioso, cada parte é bonita e importante.

Aceite seu temperamento, tudo o que sente e pensa é o que lhe faz ser quem é.

Aceite suas doenças, inclusive quando há dor e sofrimento. Quando você aceitá-los, eles poderão se tornar mais leves.

Ame a vida e a natureza humana, já que nelas podemos ver Deus, imagine o valor que elas têm: Ele mesmo se disse “homem”.

Aceite sua inteligência para que não cheguem a mágoa e a autocompaixão.

2) Aceite suas tristezas

Pense nisto: há um fim para tudo e também para o sofrimento e a tristeza. Tome em suas mãos sua personalidade, assim como é, com todos seus defeitos, e ponha-a na mão de Deus Pai. A Sagrada Escritura diz: “Ele [Deus] sabe de que barro somos feitos”. Diga-lhe com confiança: “Eu aceito minha personalidade e modo de ser, porque tudo isso é expressão de sua vontade, e eu amo sua santa vontade porque o Senhor é meu Pai e tudo permite para um bem maior”.

3) Aceite sua história

Tudo que você viveu, até mesmo aquilo que já nem quer mais lembrar, foi necessário para ser hoje a pessoa que é; portanto, deve aceitar, aprender com a experiência, reconhecer que – até nas piores circunstâncias –, Deus estava presente. Ele é o Senhor da História, e quando você aceitar sua história pessoal, convide-O para que Ele seja o Senhor de sua história.

4) Aceite sua família

Ninguém teve a oportunidade de escolher sua família, podemos escolher talvez com quem nos casar, amigos, trabalho, comunidade religiosa, entre outros; porém, jamais poderemos escolher nosso pai, mãe, filhos, irmãos e demais famíliares. Assim, em lugar de querer mudar os que nos rodeiam, por que não amar estas pessoas? Por que não aceitar cada um assim como é?

Quando realmente você aceitar ser quem é, será o momento de percorrer o caminho para a maturidade.

Fonte: almas.com.mx

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.