Assista ao 1° episódio

Traição: a primeira insegurança de muitos casais

A traição é um pecado muito sério

A crise que mais pode afetar e até mesmo destruir um casamento é a traição. Infelizmente, é um caso que acontece muitas vezes. Por que uma traição acontece no casamento? São muitos os motivos.

Infelizmente, a revolução sexual dos anos 60 “liberou” a atividade sexual antes do casamento para a maioria das pessoas. Criou-se uma cultura de sexo livre, também um mal chamado amor livre. A partir daí, o sexo passou a ser banalizado nos meios de comunicação, especialmente nas TVs por meio das novelas e outros programas de entretenimento.

Traição: a primeira insegurança de muitos casaisFoto: Daniel Mafra/cancaonova.com

O sexismo hoje permeia a cultura social, influencia a música, a moda, os livros, os relacionamentos etc. A maioria dos namorados, hoje, acha normal viver uma vida sexual antes do casamento; e quem não aceita isso é olhado como estranho. Não há como negar que essa “cultura sexual” influencia, fomenta e estimula a traição depois do casamento. Quem se acostumou com o “sexo livre”, dificilmente se contentará com apenas um cônjuge. Estou convencido de que, face a essa pressão sexual que hoje existe sobre as pessoas, somente a religião e a moral cristã podem fazer com que um casal se mantenha fiel no seu relacionamento.

A lei de Deus é clara: “Não adulterarás” (Deut 5,18)

A traição no casamento é um pecado muito sério, pois destrói famílias. O casamento é uma aliança sagrada, na qual duas pessoas prometem ser fiéis uma a outra até a morte, perante Deus e os homens. A traição quebra essa aliança e desrespeita o cônjuge e Deus. No entanto, quem tem esse valor consegue, com a graça de Deus, superar as tentações sexuais. Do contrário, é muito difícil!

Mesmo entre casais cristãos há traições, certamente por falta de amor ao outro, vigilância e oração. Jesus deixou claro: “Vigiai e orai, porque o espírito é forte, mas a carne é fraca”. Quando um cônjuge se arrepende de uma traição isolada, o mais correto será pedir perdão a Deus e se confessar. Sempre que possível, é bom procurar a reconciliação com o cônjuge, especialmente se tiverem filhos. Isso é muito difícil e doloroso, mas é a coisa mais correta a se fazer. Não há pecado que não possa ser perdoado se houver arrependimento sincero. Vale a pena lutar para manter o casamento e a família.

Se a pessoa que traiu se arrepende e quer consertar o relacionamento, é bom dar uma segunda chance. Mas, se quem traiu persiste na traição repetida, quem foi traído tem o direito de separar-se, embora não possa se casar com outra pessoa sem declaração de nulidade do casamento. Os especialistas dizem que mais da metade dos casamentos continuam mesmo após uma traição. Sem Deus, sem o compromisso sacramental com o cônjuge, as traições se repetem.

Assista ao vídeo:

Leia mais:
::A fidelidade começa no namoro
::A prática espiritual do casal: comunhão e fidelidade
::As faces da fidelidade conjugal
::Como a fidelidade interfere na vida sexual do casal

Só os homens traem?

Segundo os dados levantados por especialistas em relacionamentos, as mulheres estão tão propensas a trair quanto os homens. Um advogado amigo, que trata de casos de divórcio, confirmou-me este dado. Dizem que a diferença é que o homem é menos cuidadoso na hora de esconder a infidelidade. Alguns afirmam que enquanto os homens tendem a trair ao longo da vida, as mulheres estão mais propensas a trair mais tarde, quando os filhos já estão crescidos.

Muitos dos infiéis diziam buscar aventuras extraconjugais devido à monotonia no casamento. Com o passar dos anos, muitos deixam de investir no relacionamento conjugal, deixam de procurar formas de sair da rotina, de conversar sobre assuntos variados e dialogar com frequência. E isso pode prejudicar o relacionamento. A rotina destrói o bom relacionamento e pode ir separando o casal. Se a planta do amor não for regada todos os dias com um pouco de carinho, pode morrer. Por isso, os terapeutas conjugais recomendam “dizer ao outro uma palavra carinhosa todos os dias”.

É claro que quem trai é culpado pelo ato em si, mas as razões que o levaram a chegar neste ponto podem envolver muitas coisas. A causa principal das traições é a fraqueza humana, a força do instinto sexual e a tentação do mal. O demônio se aproveita disso, quer destruir as famílias; e tudo começa na traição. E as formas de tentações e traições são muitas.

Por que as pessoas traem?

Alguns dizem que traem para fugir da rotina sexual com o cônjuge, querem novas aventuras sexuais. Há quem diga que trai por curiosidade, para experimentar novas aventuras.

A vida sexual no casamento é muito importante, e o casal precisa buscar uma harmonia sexual que satisfaça ambos. Especialmente para o homem casado é muito difícil viver sem vida sexual com a esposa, e isso acontece muitas vezes; certamente, isso pode fomentar um adultério. E isso também pode acontecer com algumas mulheres. Daí a necessidade de os casais resolverem suas dificuldades neste relacionamento.

Outros dizem que chegam a trair para chamar a atenção do cônjuge, que não lhe dá atenção devida e não satisfaz os seus desejos. É o caso da “carência afetiva” que envolve muitos, especialmente as mulheres, que são mais sensíveis. A falta de atenção e de carinho geram grande insatisfação no relacionamento e podem fomentar uma traição. Se a mulher casada não se sustentar em Deus, poderá buscar esses cuidados, como se vê hoje, esses perigosos “namoros” pela internet, o que já pode ser considerado, de certa forma, uma traição.

Todos os casamentos têm problemas e eles devem ser resolvidos com conversas e orações, mas nada justifica uma traição.

Alguns dizem que traíram para “dar um troco”, por vingança, mas nada disso justifica a traição, um erro não justifica outro. Há traições premeditadas, planejadas, especialmente nos casos em que entra um amante. Mas há também aquela traição inesperada, única, quando acontece uma viagem sozinho e a tentação se apresenta. A gravidade é a mesma, mas as consequências podem ser diferentes.

matrimonio

Há também o caso dos casais que moram em cidades distantes por causa de trabalho; isso pode ser um fator que aumenta a possibilidade de traição se não houver muito cuidado e fidelidade ao outro. Nem sempre há o desejo de terminar o casamento, ou mesmo de não amar o outro e a família. É que “a ocasião faz o ladrão”.

Jesus, que conhecia profundamente o ser humano, sabia que o adultério não começa na cama, mas no mau desejo; por isso disse no Sermão da Montanha: “Se o homem desejar uma mulher libidinosamente, já adulterou com ela em seu coração”. Então, o cristão tem de se precaver nisso, no mau desejo. Sentir o mau desejo não é pecado, mas consentir nele sim.

Existe traição entre todos os casais?

Também precisamos dizer que existem casais que nunca viveram nenhuma das realidades mencionadas acima, no entanto, vivem uma tensão no relacionamento como se tivessem passado. Muito sofrem por um “fantasma”. O que muitas vezes começa a gerar outros problemas, como desconfiança, ciúmes, discussões e muitas outras.

É importante tomar cuidado, pois essa é uma insegurança que se não for “tratada” pode gerar várias outras e causar um prejuízo maior no namoro ou no casamento. O diálogo, a confiança e a compreensão mútua são essenciais para o casal vencer esses desafios.

É preciso estar atento, vigiando e orando sempre, pois nenhum casal está isento dessa realidade. No entanto, com fé e a graça de Deus, podemos superar tudo isso.


Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.