Eficaz

Quais os métodos naturais que a Igreja recomenda aos casados?

Os métodos naturais de planejamento familiar são cientificamente comprovados e de eficácia superior aos métodos artificiais

O Papa Francisco, na Exortação Apostólica Amoris Laetitia, número 167, afirma: “As famílias numerosas são uma alegria para a Igreja. Nelas, o amor manifesta a sua fecundidade generosa. Isso não implica esquecer uma sã advertência de São João Paulo II, quando explicava que a paternidade responsável não é ‘procriação ilimitada ou falta de consciência acerca daquilo que é necessário para o crescimento dos filhos, mas é, antes, a faculdade que os cônjuges têm de usar a sua liberdade inviolável de modo sábio e responsável, tendo em consideração tanto as realidades sociais e demográficas, como a sua própria situação e os seus legítimos desejos’”. Isso significa que a abertura à vida implica que o casal, de modo responsável e planejado, tenha os filhos que possa alimentar, criar e educar.

Quais os métodos naturais que a Igreja recomenda aos casados
Foto: Créditos: Piotr Adamowicz / iStock. by Getty Images

O planejamento familiar é o ato consciente de planejar o nascimento dos filhos, tanto em relação ao número desejado quanto à ocasião mais apropriada de tê-los. Portanto, o exercício responsável da paternidade a levará, muitas vezes, a ter que regular a natalidade. Esse planejamento deve ser dinâmico, aberto, isto é, revisado continuamente, uma vez que, modificando-se as situações de vida, serão alteradas as metas de planificação. Evidentemente, isso não sintoniza com métodos irreversíveis de contracepção, como é o caso da vasectomia no homem e a laqueadura na mulher.

Leia mais:
:: O que é o Método Billings?
:: Por que a Igreja recomenda o uso do Método de Ovulação Billings
:: Para que realmente foram criados os contraceptivos?
:: Efeitos colaterais na saúde pelo uso de contraceptivos

A moral cristã aceita a regulação (planejamento), afirmando simultaneamente: a responsabilidade na procriação; a bondade e necessidade da intimidade conjugal; a decisão do número de filhos é do casal. A Igreja defende o planejamento familiar natural com os métodos naturais que respeitam a integridade física do ser humano e a cumplicidade do casal na preservação da espécie humana. Ela acredita que esses são os métodos de maior proximidade com a vida, por isso são aceitos.

Comprovados cientificamente

Os métodos naturais de planejamento familiar são cientificamente comprovados e de eficácia superior aos métodos artificiais. São os únicos lícitos, admitidos pela Igreja e de aceitação moral e ética. Entre outras vantagens, asseguram ao casal a responsabilidade pelo planejamento familiar, além de possibilitar o diálogo e a união dos esposos. Estimulam o conhecimento mútuo do casal, incentivam o respeito dos cônjuges e unem os esposos.

Os métodos artificiais, além das consequências para a saúde da mulher, a maioria deles, hoje, provoca o aborto na fase inicial da vida. Conforme o Evangelium Vitae do Papa João Paulo II, no número 91, “…é moralmente inaceitável que, para regular a natalidade, se encoraje ou até se imponha o uso de meios como a contracepção”. Sabemos hoje que os métodos artificiais de planejamento familiar mais usados são, na sua maioria, abortivos.

A solução está na “regulação da fertilidade” por meio dos métodos naturais. Quando há motivos que justifiquem, o casal poderá espaçar os filhos sem contrariar a lei natural, usando os dias férteis da mulher quando deseja um filho e abstendo-se de relações sexuais durante esse período se não deseja uma nova gravidez naquele momento.

O ensinamento da Igreja acerca do matrimônio e da procriação humana afirma a conexão indivisível, que Deus quis e o homem não pode romper, entre os dois significados do ato conjugal: o significado unitivo e o procriador. Com efeito, o ato conjugal, por sua estrutura íntima, enquanto une os esposos com um vínculo profundíssimo, torna-os aptos para a geração de novas vidas, segundo leis inscritas no ser mesmo do homem e da mulher. Esse princípio, fundamentado na natureza do matrimônio e na íntima conexão dos seus bens, comporta consequências bem conhecidas no plano da paternidade e maternidade responsáveis. “Salvaguardando ambos os aspectos essenciais, unitivo e procriador, o ato conjugal conserva integralmente o sentido do verdadeiro amor mútuo e a sua ordenação à altíssima vocação do homem para a paternidade” (PAULO VI, Carta Encíclica Humanae Vitae, sobre a regulação da natalidade. n. 12).

A Igreja defende o planejamento familiar com os métodos naturais que respeitam a integridade física do ser humano e a cumplicidade do casal na preservação da espécie humana. Esses métodos têm base científica e comprovada eficácia.

Categoria matrimonio

Alguns métodos de Planejamento Familiar Natural

Conforme o teólogo Genovesi, hoje, já é possível a mulher averiguar, de modo contínuo e em bases diárias, as diversas mudanças em seu corpo, principalmente quando essas mudanças se referem ao processo de ovulação. Várias técnicas permitem à mulher se familiarizar com os sinais fisiológicos que acompanham seus períodos alternados de fecundidade e infecundidade. Uma dessas técnicas que recebe muita atenção é conhecida como o método de ovulação, método de Billings ou método do muco, baseado na observação própria do que ocorre no momento. A mulher, ao observar a si mesma, pode identificar sempre o início e o fim da fertilidade.

Além de aprender o significado das mudanças das secreções vaginais, a mulher pode também vir a descobrir as diferenças pré-ovulatórias, ovulatórias e pós-ovulatórias no posicionamento e na firmeza do colo do útero. A familiaridade da mulher com os sinais da fertilidade próxima lhe fornece informações suficientes para saber, com antecedência, quando está prestes a ovular.

Método da temperatura basal: a temperatura normal do corpo em situação de repouso é chamada temperatura de base ou temperatura basal. Após a ovulação, por efeitos hormonais, ocorre o aumento da temperatura basal do corpo. Por isso, se a mulher medir diariamente a sua temperatura, ela saberá detectar esse aumento como consequência pós-ovulação.

Método da tabelinha (Knaus-Ogino), também conhecido como método rítmico ou estatístico, é baseado no ciclo ovulatório da mulher. Ciclo é o número de dias que se contam desde o primeiro dia da menstruação até a véspera da próxima. “Método da tabelinha” é o nome atribuído à abstinência sexual de 10 dias entre o 10° e o 20° dias do ciclo menstrual.

Duas coisas são importantes: conhecer bem os métodos e o próprio corpo, e também fazer a combinação de dois ou mais métodos para aumentar a eficácia. Portanto, os cônjuges não devem tentar usar os métodos de planejamento familiar natural a menos que tenham recebido instruções de pessoal treinado.

o que a igreja ensina sobre


Padre Mário Marcelo

Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.