Mentira dos mitômanos

Quando as minhas mentiras se tornam minhas verdades

Contar mentiras, muitas vezes, leva a pessoa a criar uma vida fantasiosa

Você conhece alguém ou se encontra nessa situação, em que as mentiras se tornaram verdades, por começar a acreditar nelas?

Aquelas mentiras, simples e inofensivas, que inicialmente eram criadas para não se sentir humilhado ou para sair de uma situação constrangedora, agora já se tornou tão grande, que até você acredita nela. Mesmo sabendo que é mentira!

Infelizmente, esse quadro tem crescido muito em nosso meio.

E quando as minhas mentiras se tornam as minhas verdadesFoto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Por que mentir?

Algumas pessoas começam, desde pequenas, a contar histórias mirabolantes de sua vida; porém, irreais, com o único objetivo de passar por aquele momento em que se sente inferior. Normalmente, isso acontece com pessoas que apresentam quadros depressivos, de baixa autoestima, baixa autoimagem, complexo de inferioridade por não possuir nenhum atributo físico, status ou material, que desejaria naquele momento e não o tem.

Vou dar um exemplo para ficar claro. Você encontra com um amigo, hoje, e pergunta como ele vai. Logo, ele responde: “Cheguei ontem de Paris. Você acredita que minha bagagem foi extraviada e eu tive de comprar algumas roupas lá? Não tinha nada para vestir até que minha bagagem chegasse. Foi um constrangimento, mas nada que atrapalhasse a beleza da cidade luz!”. Ao fim de todo o discurso, você fica embasbacado com tamanha história contada, pois havia visto essa mesma pessoa, de longe, há dois dias, no shopping da cidade. Então, fica na dúvida se realmente o viu há dois dias, se ele confundiu a data de desembarque ou se realmente inventou toda essa história. Até que você se lembra que essa não é a primeira vez que passa por essa situação com ela, e que já houve outras histórias.

O que é mentira de mitômanos?

A mentira dos mitômanos difere dos mentirosos compulsivos e demais classificações dessa área, e a mesma não tem intenção de prejudicar o outro. A mentira é mesmo na intenção de não se sentir inferior, de exibir algo que não tem e gostaria de ter; gostaria de ser e não é. Daí, podem surgir novas histórias como casamentos que não existem ou um determinado curso que não fazem; até sai, todos as noites, falando que está indo para faculdade, mas, na verdade, a pessoa faz outra coisa e sustenta toda essa história por vergonha daquilo que realmente é.

Leia mais:
.: Quais os perigos envolvidos na mentira?
.: Mentiras que parecem verdade
.: A mentira de estimação
.: Julgamento: peso da falsidade

A mitomania normalmente se desenvolve por não tolerarem seus reais limites e frustrações, o que consequentemente os obriga a criar uma história fantasiosa suportável. Tal comportamento é semelhante ao das crianças; nesse caso, podemos comparar que em adultos temos um quadro de pessoas emocionalmente imaturas. Existe uma outra possibilidade também bem comum, que são os casos das pessoas que acreditam que o mundo só aceita aqueles que possuem algum valor, por isso criam seus valores para serem aceitos.

A grande dificuldade para as pessoas que desenvolvem essa patologia, ou seja, a mentira/mitomania, é que para ele se torna algo habitual, contam histórias criadas, inventadas, para se safarem de situações e sentirem bem. E à medida que não descobrem suas “falsas verdades”, continuam criando novas, pois percebem que essa é a melhor saída. Para eles, enfrentar a verdade é duro e sofrível.

O grande prejuízo dessa patologia é a desconstrução dos relacionamentos devido à falta de confiança, pois percebem o comportamento incoerente e não suportam viver no mar de mentiras e ilusões criadas por essa pessoa.

As formas de tratamento atualmente são psicoterapia e, se necessário, acompanhamento com psiquiatra. No entanto, o melhor suporte é o da família, pois, normalmente, não se reconhece a doença e, assim, raramente se chega ao consultório de psicologia para tratamento.


Aline Rodrigues

Aline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.