Reflexão

Pare e pense: qual é a sua verdade?

A verdade nos liberta e aproxima as pessoas de Deus

Acredito que um dos maiores desafios que travamos diariamente é assumir ou negar a verdade. Estamos no século da modernidade, e a tecnologia, cada vez mais desenvolvida, lança sobre nós as redes que nos penduram entre o social e o virtual, o real ou imaginário. Ter a coragem de optar pela verdade é um exercício que parte das pequenas escolhas e nos seguem até nos momentos mais importantes de nossa vida. Já sabemos que a verdadeira felicidade tem seu alicerce na verdade, portanto, só consegue ser feliz quem assume com coerência sua história, seja ela qual for.

Nos atendimentos de oração e aconselhamentos que realizamos na Canção Nova, tenho percebido que, cada vez mais, as pessoas têm dificuldades de assumir a sua verdade. Com isso, tornam-se infelizes, sentem-se presas às situações passadas e, em alguns casos, até ficam deprimidas, ou pior: entram no mundo das drogas e dos vícios, tentando mascarar a dor.

Pare e pense qual é a sua verdadeFoto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Qual é o seu interior?

Outro dia, enquanto atendia uma senhora, percebi que ela falava de maneira superficial e não conseguia se expressar, o tempo passava e a partilha não fluía. Então, olhei bem nos olhos dela e perguntei: “Afinal, qual é a sua verdade? O que se passa em seu interior?”. Ela ficou surpresa diante da pergunta, desapontada talvez, mas tomou uma linda decisão: abriu seu coração. Em meio às lágrimas, aos poucos, foi revelando suas dores e medos ligados às situações vividas há mais de 20 anos. As lágrimas lavaram seu rosto e, certamente, o Espírito Santo também lavou seu coração, concedendo-lhe uma nova vida a partir daquela experiência. Não é uma tarefa fácil encarar a verdade, aliás, muitas vezes, isso é muito difícil, principalmente quando a história é marcada por grandes traumas e dores. No entanto, não há outra saída! Para sermos curados, precisamos assumir nossa história com tudo que ela traz, com dores e alegrias.

Jesus disse a Seus discípulos: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João 8,32), ou seja, a condição para sermos livres é conhecermos a verdade. Eu diria conhecermos e nos abrirmos ao processo de cura a partir do conhecimento. Não é o caso de parar na dor nem de levar a vida de qualquer jeito, pois Deus nos quer vivendo plenamente, e é por isso que Ele nos propõe a coerência como meio para a cura e a felicidade plena. Da nossa parte, precisamos ir além. Por exemplo: você já parou alguma vez para se perguntar quem você realmente é? Você conhece suas raízes? Qual é a sua verdade? São Francisco de Assis dizia que o homem vale o que é diante de Deus e mais nada, ou seja, vale a sua história.

Nosso valor

O valor que temos não está no carro que possuímos nem na profissão que exercemos, tampouco na imagem que tentamos passar para as pessoas. Nosso valor está no fato de sermos o que somos diante de Deus e mais nada.

Já temos uma identidade própria, somos filhos de Deus e não precisamos criar um personagem irreal para alimentar uma ideia a nosso respeito longe da realidade. Aliás, essa tem sido mais uma maneira de “fugir das dores da vida”, mas, como pode ser livre quem age assim? E se não é livre, como pode ser feliz?

Leia mais:
.: Justiça, liberdade e verdade
.: É verdade que Deus castiga?
.: Mentiras que parecem verdade
.: Verdadeiras e falsas cruzes

Como cristãos, temos uma responsabilidade dobrada com relação à verdade, e isso começa por assumirmos a nossa realidade e, a partir dela, testemunharmos a Misericórdia de Deus. Não tenha vergonha da obra que o Senhor já realizou na sua história. Ela, por mais difícil que tenha sido, é muito valiosa, pois é a partir dela que Ele quer agir. “Deus é luz e n’Ele não há trevas alguma“, diz a Sagrada Escritura, portanto, para que a luz de Deus Pai ilumine nossa vida, precisamos fazer as pazes com os acontecimentos que nos marcam.

Alcançar a felicidade

“Grande caridade é viver na verdade”, escreve o Papa Bento XVI em sua encíclica Caritas in veritate. É certo que precisamos dar mais atenção ao assunto, pois, querendo ou não, em nossos dias nós nos vemos cercados por superficialidades e disfarces. Desde a maquiagem aos relacionamentos, temos constantemente a oportunidade de fugir da realidade. Está claro que o desafio para viver a coerência é cada vez maior, mas se quisermos alcançar a felicidade, não podemos fugir dos desafios que aparecem em nosso caminho.

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” diz o Senhor; portanto, não tema romper com as trevas da mentira e acolha a luz que brilha a partir da verdade. Siga o exemplo da senhora, à qual fiz referência no início do texto, e tenha a coragem de abrir seu coração, mesmo que isso lhe seja custoso. Dessa forma, você verá, certamente, que aquela dor já não tem tanto poder sobre você.

Faça a opção pela verdade diante das oportunidades que tiver de escolher e não deixe que a falta de coerência roube a liberdade que o próprio Senhor já conquistou para você na cruz. Termino com um conselho da beata Madre Teresa de Calcutá: “Acenda a luz da verdade na vida de cada pessoa que encontrar, para que deste modo Deus continue amando e iluminando o mundo por meio dela e de você.”


Dijanira Silva

Missionária da Comunidade Canção Nova, desde 1997, Djanira reside na missão de São Paulo, onde atua nos meios de comunicação. Diariamente, apresenta programas na Rádio América CN. Às terças-feiras, está à frente do programa “De mãos unidas”, que apresenta às 21h30 na TV Canção Nova. É colunista desde 2000. Recentemente, a missionária lançou o livro “Por onde andam seus sonhos? Descubra e volte a sonhar” pela Editora Canção Nova.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.