castidade

Como manter a castidade no namoro?

Não passamos um único dia sem visualizar pelo menos uma imagem ou cena que ative nossos instintos sexuais. Nos circunda um universo de estímulos ao prazer. A consequência disso é que ficamos condicionados a essas motivações e passamos a ver o pudor e a pureza como tabus, vivemos num tempo em que os relacionamentos entre as pessoas tornaram-se muito mais sinônimos de busca de prazeres e interesses do que uma forma sadia de elevar o ser em sua dignidade.

Infelizmente, até em relacionamentos de namoros, que deveriam compreender em amar e respeitar a pessoa amada para conhecê-la visando um futuro enlace de vida, as pessoas envolvem-se e juram amor, mas na maioria das vezes, acabam mesmo é buscando saciar seus impulsos. Por isso, é tão desafiante para os casais de namorados, mesmo para aqueles decididos a viverem um namoro santo, não se envolverem aos apelos da carne.

Existem casais cristãos, que até não praticam o ato sexual, mas, vez ou outra acabam fracassando no propósito da pureza, por carícias indevidas e outros estímulos maiores, que lhes pesa a consciência perante o Senhor.


Assista: Sexo no namoro, apenas questão de pecado?


Mas, como fazer, para em meio a tantos incentivos e facilidades nos dias atuais, manter a castidade no namoro?

Primeiramente, saiba que, o corpo continuará funcionando com todos os processos naturais, ainda que nosso coração deseje o Eterno. Portanto, será pela fortaleza da razão, de uma sexualidade consciente, que poderemos ser conduzidos para as virtudes nos momentos em que o corpo brigar com a consciência. Nisso, alguns cuidados serão de grande valia para fortalecer essa decisão racional:

1 – Evitar ambientes e ocasiões propícios ao pecado.

A sensação de estarmos retirados (casa, quarto, dentro do carro), traz, aos poucos, o conforto para cedermos aos apetites da paixão, que naturalmente pedem cada vez mais. Privacidade para conversar não significa isolamento. Estejamos à vista de outras pessoas. E locais afastados e escuros, além de tudo isso, são inseguros.

2 – Não motivar o outro com estímulos visuais e sensitivos.

Certifique-se que a roupa, o perfume que você estiver usando não provocará o outro a querer avançar o sinal. Não se trata de comprometer a elegância e o romantismo na produção. É possível caprichar no visual e usar uma fragrância agradável, mas, de modo que não mexa demais com a sensibilidade do outro. O mesmo vale para algumas palavras que quando proferidas servem como estimulantes.

3 – Não abra pequenas concessões.

Há algumas atitudes que não se definem como gesto erótico, mas que começam a enfraquecer a decisão pela castidade. Nestes casos não há a vontade de pecar, mas o pecado começa a ser gestado, vamos nos acostumando, e justificando: “Isso não tem problema!”, primeiro a nós mesmos e depois a(o) namorada(o). Exemplos: demorar um tempo maior num abraço em que comecem sentir vontade de sexo; tocar áreas próximas as partes mais sensíveis; ou quando a namorada senta no colo do namorado.

4 – Conheça-se naquilo que mais lhe desperta e enfraquece sua decisão.

Você precisa definir quais as coisas e situações particulares lhe são mais difíceis. Depois compartilhem isso entre casal para prevenirem-se. Exemplo: Se uma forma específica do rapaz segurar a namorada, envolve-a a ponto de remetê-la ao desejo, ela precisa comunicar isso a ele para que ele não faça. É uma particularidade dela, que deve ser respeitada. Também existem dias em que pela natureza a mulher está mais sensitiva, e pequenas iniciativas podem fazê-la render-se. E vice-versa.

5 – Oriente-se sobre a beleza da castidade.

Leia artigos, aprofunde-se, escute tudo o que diz a Igreja sobre o tema. Quanto mais conteúdo absorvermos, mais nos convenceremos do quão bem fazemos a nós mesmos vivendo a castidade e passaremos a amá-la. Ao inserir em nossa mente esses conceitos, estaremos melhor preparados para resistir nas horas de tentação.

6 – Ore, cultive a espiritualidade no namoro.

Rezar juntos é invocar o Espírito Santo em meio ao casal. Somos feitos de carne e ossos, de hormônios e temos sensações, mas antes, somos seres espirituais, cidadãos do céu, templos do Espírito Santo, que é a nossa força para alcançar os desígnios de felicidade que Deus tem para nós. A felicidade e amor verdadeiros só serão alcançados no Senhor e percebidos através da alma. E São José e Maria Santíssima, os pais da castidade, são nossos aliados. Não estamos sozinhos nessa luta!

Um namoro casto é capaz de curar os corações de ambos. Quanto mais santo, mais lindo este relacionamento será. Santo Agostinho dizia ao Senhor: “Pede-me o que me dás, e dá-me o que me pede!”

Castidade, Deus quer, você consegue!

Sandro Arquejada

Sandro Aparecido Arquejada é missionário da Comunidade Canção Nova. Formado em administração de empresas pela Faculdade Salesiana de Lins (SP). Atualmente trabalha no setor de Novas Tecnologias da TV Canção Nova. É autor do livro "Maria, humana como nós" e "As cinco fases do namoro". Também é colunista do Portal Canção Nova, além de escrever para algumas mídias seculares.

Comentários

comentários

↑ topo