Convivência

Conheça as três palavras-chave da vida em família

A correria do dia a dia despreza essas palavras, daí já percebemos para onde  a vida familiar  tem  caminhado

Com licença, obrigado e desculpe-me: três palavras-chave da vida em família. Por sua simplicidade, elas podem despertar risadas em quem as ouve, mas, quando esquecidas, as consequências não são nada boas. A correria do dia a dia despreza essas palavras; daí, já percebemos para onde a sociedade tem caminhado. Atento aos novos desafios, o Papa Francisco prepara a Igreja para o Sínodo dos Bispos, que discutirá a missão e a vocação da família no mundo atual.

Conheça as três palavras-chave da vida em família

Alegria, unidade, doação, paciência, crescimento… Muitas são as palavras que podem definir a convivência familiar. Porém, uma estudante universitária, ao ser provocada a encontrar palavras que expressassem o que representa a família, disparou que “confusão” era o melhor sinônimo. Realmente, podemos dizer que a família é uma espécie de espelho da vida. “A família é bela, porque não é harmoniosa”, escreveu o inglês Gilbert Keith Chesterton, conhecido como G. K. Chesterton. De acordo com esse escritor cristão, a sanidade familiar resulta das discrepâncias e diversidades próprias que enfrenta. Diante de tantos desafios impostos por novos modelos à família cristã, torna-se cada vez mais necessária a promoção do protótipo de família formado por pai, mãe e filhos.

Em 10 de dezembro de 2014, o Santo Padre apresentou o ciclo de Catequeses sobre a família e explicou como aconteceu o Sínodo intitulado “Os desafios pastorais da família no contexto da nova evangelização” e os frutos que produziu. O Papa direcionou sua explicação aos profissionais da comunicação que buscaram noticiar o Sínodo, porém, talvez por não estarem acostumados com coberturas de notícias religiosas, muitos jornalistas abordaram o assunto com um viés político ou esportivo, sugerindo que, na Igreja, há partidos ou times rivais. “Falava-se, muitas vezes, de dois times: prós e contras, conservadores e progressistas etc”, afirmou Francisco.

Censura prévia

Com seu jeito bem próprio, Papa Francisco desenvolveu as catequeses de maneira muita espontânea e sem medo de fazer esclarecimentos. Disse que pediu aos padres sinodais (assim são chamados os bispos e cardeais convocados para participar do Sínodo), para falar de maneira franca, corajosa e humildade o que pensavam. Como bom jesuíta, Jorge Bergoglio tem um dom de discernimento apurado. Sabe que, “quando se procura a vontade de Deus (…), há diversos pontos de vista e discussão, e isso não é uma coisa ruim!”. Mas se há uma coisa que o Papa teme é censurar os outros, isso para ele não tem cabimento. “Seria uma coisa ruim a censura prévia. Não, não. Cada um deveria dizer aquilo que pensa”, afirmou.

No confronto, permaneceu e fortaleceu-se na convicção de verdades fundamentais do Sacramento do Matrimônio, como indissolubilidade, unidade, fidelidade e abertura à vida. “Esse foi o desenvolvimento da assembleia sinodal. Alguns de vocês podem me perguntar: ‘Os padres brigaram?’. Não sei se brigaram, mas que falaram forte, sim, é verdade. E essa é a liberdade, é justamente a liberdade que há na Igreja. Tudo aconteceu “cum Petro et sub Petro”, isso é, com a presença do Papa, que é garantia para todos de liberdade e de confiança, garantia da ortodoxia. E, no fim, com a minha intervenção, dei uma leitura sintética da experiência sinodal”.

Sínodo é uma palavra grega que significa “fazer juntos o caminho” ou “caminhar juntos”. O Papa Francisco completou dizendo que o Sínodo é um espaço onde o Espírito Santo tem liberdade de agir. “Devemos saber que o Sínodo não é um parlamento, vem o representante desta Igreja, daquela Igreja, de outra Igreja… Não, não é isso. Vem o representante, sim, mas a estrutura não é parlamentar, é totalmente diferente”. No Sínodo, os bispos têm a oportunidade de confrontar ideias para o bem das famílias, da Igreja e da sociedade.

O amor é a nossa missão

A Sagrada Família nos inspire para que, com nosso testemunho, possamos contribuir com a Instituição Familiar, que possa ser colocada no lugar correto: no nosso coração, na nossa casa e também na nossa convivência civil. O ambiente familiar é muito rico e constitui uma vocação para o ser humano, mas também um grande desafio.


Rodrigo Luiz dos Santos

Missionário na Canção Nova, Rodrigo é, atualmente, responsável de missão da Canção Nova em São Paulo (SP). Apresentador da TV Canção Nova, estudou Filosofia e formou-se em Jornalismo pela Faculdade Canção Nova. É casado com Adelita Stoebel, também missionária na mesma comunidade.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.