Abraçar a fé

O martírio da verdade

Não temos a pretensão de possuir a verdade, mas de sermos possuídos por ela

Uma das notas mais características do Cristianismo é o fato de ser ele uma religião revelada, quer dizer, seu fundamento não se encontra simplesmente na busca pelo homem de uma relação com um ser que o transcenda, mas numa iniciativa do próprio Criador, que, em sua sabedoria e bondade, veio ao encontro do homem, revelando-se e comunicando-se a Si mesmo. É Deus, portanto, que em Cristo nos mostra plenamente qual o caminho para chegarmos a Ele. Jesus Cristo, o Verbo de Deus Encarnado, é o Caminho, a Verdade e a Vida, e ninguém vai ao Pai, senão por Ele.

Foto: Wesley Almeida / cancaonova.com

Nós cristãos não criamos uma religião à nossa medida, ao nosso gosto, mas de Deus mesmo recebemos o modo de nos unirmos a Ele. Talvez, se a tivéssemos criado, não teríamos “escolhido” uma redenção por meio da cruz, tampouco tantas verdades incômodas segundo os nossos padrões. Sim, como afirmou o escritor britânico C. S. Lewis, “se você está à procura de uma religião que o deixe confortável, definitivamente eu não lhe aconselharia o Cristianismo”.

Nós, os cristãos, abraçamos a em Cristo e tudo o que essa fé implica, não porque ela nos seja conveniente, mas porque acreditamos estar diante da Verdade. Mesmo sendo uma Verdade “incômoda”, com São Pedro somos levados a confessar: “A quem iríamos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus!”. Não temos a pretensão de possuir a Verdade, mas de sermos possuídos por ela: Jesus Cristo é a Verdade!

A disposição em ser fiel

Assim como o Senhor, que ensinou com Sua vida e palavras, não agradou a todos Seus ouvintes, a Igreja, que não é maior do que seu Senhor nem pretende nada mais do que continuar Sua missão salvadora no mundo, encontrará resistência por parte dos seus contemporâneos: “Quem participa na missão de Cristo deve inevitavelmente enfrentar tribulações, contrastes e sofrimentos, porque entra em conflito com as resistências e os poderes deste mundo” (Bento XVI).

Se quisermos ser fiéis, devemos estar dispostos a ser autênticos mártires, para comunicarmos essa Verdade que nos foi confiada, para que a transmitíssemos integralmente, sem recortes que a tornem mais “palatáveis”, tal como a recebemos do Senhor.

Afirmar os valores que o Senhor nos legou, tais como a indissolubilidade do matrimônio, a dignidade da vida humana em todos os seus estágios, a incomparabilidade entre a união matrimonial de um homem e uma mulher com qualquer outra união, e tantos outros, faz-nos chocar diretamente com a cultura dominante, que faz do relativismo o próprio credo, e não reconhece nada como definitivo, deixando como última medida apenas o próprio eu e suas vontades, como afirmava o, então, Cardeal Joseph Ratzinger.

Expostos ao martírio da ridicularização

Ainda que muitos de nós não sejamos chamados ao martírio cruento, ao derramamento de nosso sangue, como acontece com milhares de irmãos nossos atualmente assassinados por sua fidelidade ao Evangelho, estamos todos, sem dúvida, expostos ao martírio da ridicularização, da humilhação, das calúnias e outros tipos de perseguições, mais ou menos veladas por uma espécie de bom-mocismo politicamente correto, que pretende desmoralizar a Igreja de Cristo, uma das poucas vozes que ousam levantar-se para enfrentar uma cultura, que, ao abandonar a Deus do seu seio, terminou por esquecer a dignidade do próprio homem.

As palavras de São Paulo não são opcionais para nós, mas antes um dever: “Prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas” (II Tim 4,2).

Leia mais:
.: Os desafios enfrentados pelos cristãos no dia a dia
.: Encantar-se com a verdade que liberta
.: Testemunho de como é ser católico na Europa

Não tenhamos medo! O mesmo Senhor, que nos chamou a dar a vida – a honra, a imagem, a boa fama – por Ele, prometeu estar conosco todos os dias, até o fim do mundo. Os homens, mesmo que não tenham plena consciência, têm sede de verdade; e se nós nos calarmos – por temor a “ficarmos mal” –, os privaremos do maior tesouro que temos para dar: Jesus Cristo, a Única Verdade capaz de saciar o coração humano!


Padre Demétrio Gomes

Padre Demétrio Gomes é Pároco Vigário Judicial do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Niterói, e Chanceler do Arcebispado de Niterói. Professor do Instituto Filosófico e Teológico do Seminário São José de Niterói. Membro da Sociedade Internacional Tomás de Aquino (SITA – Brasil), do Centro Dom Vital e da Sociedade Brasileira de Canonistas (SBC). Administrador do website Presbíteros http://www.presbiteros.com.br para a formação do clero católico.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.