desafio

Sejamos uma Igreja que ora e não fala apenas de oração

O apóstolo e evangelista João descreve, no 14º versículo do primeiro capítulo de seu Evangelho, a notícia mais impactante da história: “O Verbo de Deus se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). Ao preparar este artigo, veio-me à memória uma fala muito sábia de nosso Papa emérito Bento XVI: “O Deus eterno e infinito imergiu-se na finitude humana, na sua criatura, para reconduzir a Ele o homem e a criação inteira” (09/01/2013).

Trocando em miúdos…

Deus, ao se encarnar no seio humano da Virgem Maria, estava decido a encerrar tudo o que separava o homem do próprio Deus. Eis a nossa grande oportunidade de reatar o laço que fora rompido desde o pecado original. O Verbo, aqui, não tem conotação simplista de mera palavra; o Verbo, o Logus, é uma pessoa, é o próprio Deus, Emanuel. Esse Deus Conosco vai falar, mas não apenas falar; vai orar, mas não apenas orar.

Observe a vida de Cristo. Ele percorreu cidades, vilarejos, povoados, sinagogas, casas de famílias, dirigiu-se aos que tinham alto grau de instrução e aos que pouca instrução possuíam, falou com autoridades constituídas e com os rejeitados usando a voz para mostrar quem Ele era.

Sejamos uma Igreja que ora e não fala apenas de oração

Foto ilustrativa: Bruno Marques/cancaonova.com

Não faça nada sem antes orar, mas também não se limite apenas à oração

Falas como: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”, “Eu sou o Príncipe da Paz”, “Eu sou o Bom Pastor” apresentam um Senhor que, com a vida, testificou o seu discurso. Não é nada verdadeiro um cristão católico olhar para a vida de Cristo e não a imitar. É verdade que Cristo, mesmo sendo Deus, orava, e isso deixa para mim e para você um precioso ensinamento: se Cristo orava, por que não oramos?

O Senhor orava não porque precisava, mas para mostrar ao homem – finito, pequeno e limitado – que a humanidade, para vencer, precisa orar. Não façamos nada sem antes orar, mas também não nos limitemos apenas a orar. Nossa oração precisa se encarnar em nossos atos, comportamentos e decisões, pois uma oração descompromissada com o cotidiano da vida mostra duas realidades:

1º – Não é oração eficaz, porque, se fosse, geraria um desejo de influenciar pessoas, cidades, estados e nações.
2º – Não é oração madura, melhor dizendo, não é oração que nos fez amadurecer enquanto pessoa. São aqueles que “jogam” tudo ao sobrenatural e se eximem das responsabilidades que a vida lhes exige. É o que eu chamo de infantilismo na .

O título do artigo é uma pergunta reflexiva e, por que não, provocativa, que visa gerar em você uma revisão interior. Afinal, qual é a repercussão de sua vida de oração em seus atos?

Quando o Apóstolo Paulo escreve: “A humanidade aguarda ansiosa a manifestação dos filhos de Deus” (Rm 8,19), só consigo fazer a seguinte leitura deste texto tão provocativo quanto nosso artigo: O que acontece depois da nossa oração? Leve em consideração o cenário social de nossos dias: quantas crises! É crise econômica, crise moral, política e ética, é subversão de valores que, em tempos não tão distantes do nosso tempo, eram inegociáveis.

Tenho a firme convicção de que todas essas crises são precedidas pela primeira e mais nociva das crises: a crise espiritual. O homem contemporâneo, em grande número, tem virado as costas para Deus. É exatamente, nesse tempo, que precisamos nos levantar, e há de se levantar um povo que ora e influencia os que estão ao seu redor!

Leia mais:
::Oração para alcançar a paz interior
::A importância da oração da madrinha
::Quais orações podemos fazer antes de dormir?
::Baixe o aplicativo da Canção Nova e tenha acesso a todos os conteúdos do portal cancaonova.com

Você aceita fazer parte desse exército?

Enquanto Igreja, somos a Esposa de Cristo, e essa esposa amada por Ele foi, desde a encarnação, ensinada a orar e agir, porém, com uma diferença; e nossas ações precisam estar marcadas com o selo da oração. O convite é bem objetivo: ore e trabalhe pela implantação do Reino de Deus na Terra. Não estou dizendo que você deva largar tudo e ficar numa capela em adoração se o seu chamado não é para a clausura (e lá existe hora para tudo, inclusive para o trabalho!). Você é chamado a ser sal e luz como professor, cozinheiro, secretário, agente público, comerciante etc.

A Igreja de nossos dias anseia não apenas por pregadores, músicos ou ministeriados em cura e libertação, mas por médicos, advogados, juízes, vendedores, empresários, motoristas, pedreiros etc., que testemunhem, no seu ofício, que a vida profissional e familiar de cada um deles é o resultado de uma vida de oração com Deus.

Ser faz mais barulho do que fazer!

Fogo na alma!

banner espiritualidade


Evandro Nunes

Membro da Renovação Carismática Católica na Diocese de Santo Amaro (SP), Evandro Nunes tem se dedicado à vida missionária desde 2010, exercendo o Ministério da Pregação em todo o Brasil e no exterior. Casado, Nunes também é autor dos livros ‘Do Céu para você’ e ‘Se Tu queres Senhor, eu quero’, ambos lançados pela Editora Canção Nova.

comentários