entenda

Por que existem bons e maus cristãos na Igreja?

O título deste artigo, que é uma interrogação, um questionamento, convida-nos a uma reflexão sobre a existência de bons e maus cristãos na Igreja, mas também que tipo de cristão eu sou! Em Isaías (55,10-11) lemos:

“Tal como a chuva e a neve caem do céu e para lá não voltem sem ter regado a terra, sem a ter fecundado e feito germinar as plantas, sem dar o grão a semear e o pão a comer, assim acontece à palavra que minha boca profere: não volta sem ter produzido seu efeito, sem ter executado minha vontade e cumprido sua missão”, portanto, como entender que os cristãos ouvem a Palavra de Deus, são batizados, participam do mistério de Cristo, mas ainda existem bons e maus? O que caracteriza ser um bom cristão? Quem se intitula bom cristão? Quem nos responde esses questionamentos é o próprio Cristo por meio de parábolas.

São Mateus, em seus escritos (13,36-43), conta-nos várias parábolas para nos ensinar como é que Deus faz chegar a sua Palavra aos homens e mulheres. A parábola do trigo e do joio, semeados no mesmo campo, alerta-nos para a existência de outro semeador, o maligno, o semeador do mal. Onde Deus semeia o trigo, a semente boa, também satanás semeia o joio, a semente do mal. A parábola retrata uma atitude interessante, ou seja, a ação do semeador do mal se caracteriza por acontecer durante a noite, enquanto os empregados dormem. Semear o mal na presença da Luz, durante o dia, não seria possível; semear a noite retrata uma ação contrária àquela que acontece com a semente boa.

Ainda no Evangelho de Mateus (15,18-19), Jesus afirma: “Ao contrário, aquilo que sai da boca provém do coração, e é isso o que mancha o homem. Porque é do coração que provêm os maus pensamentos, os homicídios, os adultérios, as impurezas, os furtos, os falsos testemunhos, as calúnias”, ou seja, a maldade provém do coração do homem.

Por que existem bons e maus cristãos na Igreja?

Foto ilustrativa: Wesley Almeida/cancaonova.com

Qual a resposta para existirem bons e maus cristãos na Igreja?

No mundo, cada cristão terá muitas oportunidades de fazer o mal, mas também terá muitas oportunidades de fazer o bem. Deus nos dá a graça para sermos sempre bons e vencermos o mal. O mal é vencido pela multiplicação de gestos de bondade semeados no mundo. É com bondade, caridade e generosidade que vencemos o mal. A separação entre o que é bom e o que é mau só acontecerá no momento da colheita, isto é, no dia do juízo final (cf. Mc 4,29; Jo 4,35).

Quando chegar o tempo da colheita, o que não poderá acontecer antes, para não arrancar também o trigo, o dono dirá aos ceifeiros que cortem o trigo e o joio, e que os separem: o joio será queimado e o trigo será guardado no celeiro. Essa parábola parece querer responder a uma questão já presente nas primeiras comunidades cristãs: por que existem bons e maus cristãos na Igreja? A resposta é: tanto Deus como satanás semeiam a sua semente.

Deus tolera essa semeadura e o crescimento e a maturação de ambas as sementes para dar aos maus a oportunidade de se converterem. O que irá vencer? Com certeza, aquele que praticarmos. O mal expulsa o “ser humano” do coração e fecha a pessoa, torna-a desumana. Mesmo que o coração seja bom, o mal pode ser nele semeado. Jesus confirma que o mal não vem de Deus, mas do inimigo, que é o diabo, aquele que separa e destrói o humano, na vida pessoal.

Na parábola do semeador (Mt 13,1-23), Jesus insiste no convite e pede aos ouvintes da Palavra que agucem os ouvidos do coração para acolher a “Palavra-semente”, semeada por Cristo, por meio do Seu Evangelho para produzir frutos na vida pessoal e no mundo. São Mateus mostra como a dureza de coração é obra do maligno, que peca desde o princípio (cf. 1Jo 2,22; 3,8).

O coração do cristão

O homem favorece a obra do maligno quando não permite à Palavra de Jesus lançar raízes na sua existência, em seu “coração-caminho”, “coração-pedra”, “coração-espinho”. Ao contrário, quem se abre à Palavra de Jesus, faz-se “coração-terra”, terra boa, produz abundantes frutos e começa a fazer parte daqueles “bem-aventurados” e “pequeninos” aos quais são revelados os mistérios do Reino (cf. Mt 13,16).

O “coração-terra” que se deixa cultivar, que se abre para acolher a semente, modelo ideal para entender como a Palavra de Deus penetra no coração, é o local que se abre para acolher a chuva que cai de modo fecundante (Is 55,10-11), é onde o Deus-semeador age, regando e deixando marcas fecundas de vida e de graça. O “coração-terra” acolhe a chuva, a Palavra que vem do alto (Is 55,10-11), e oferece condições para a semente crescer e produzir frutos (Mt 13,1-23). É o coração semeado pela Palavra que produz vida e permite à Palavra transformar desertos existenciais em pastagens verdejantes (Sl 64). É o coração do cristão, terreno ideal para o cultivo da semente-Palavra, para o germinar e o deitar raízes, que atinge centros de decisão da vida pessoal e de onde vão sair os frutos bons.

Deus não se cansa de semear, de chamar, de prometer. Se Ele fala de terrenos áridos, pedregosos, é porque sabe que, também eles, podem se tornar “coração-terra”, “terra-boa”, capaz de magnífica fecundidade. É preciso “voltar”: “Voltai!” (Jeremias 3,14), convertei-vos! Estamos cercados pelo amor misericordioso de Deus, que põe todo o interesse em nós, que está sempre pronto a renovar-nos o dom da vida, que não nos retira a possibilidade de sermos seus amigos. Ninguém está incapacitado de se abrir a Sua Palavra.

Leia mais:
::Jesus age no tempo certo
::Você está preparado para deixar tudo?
::Deus parou de falar com você?
::Baixe o aplicativo da Canção Nova e tenha acesso a todos os conteúdos do portal cancaonova.com

Qual a condição para ouvir a Palavra de Deus?

Deus criou o ser humano livremente, e entre tantas criaturas que O louvam (as ervas, as flores, os pássaros, as estrelas), colocou em cada pessoa a capacidade para amá-Lo, para corresponder ao Seu amor. Por que muitos não O amam? Por que não fazem o bem? A resposta já foi apresentada na parábola do semeador: há quem esteja disponível, “coração-terra”; e há quem resista à palavra de Jesus, quem se torna “coração-caminho”, “coração-pedra”, “coração-espinho”. Essa atitude interior faz toda a diferença. Há quem se converta e atinja a bem-aventurança, e há quem não se converta, ouvindo sem compreender e vendo sem perceber.

A condição para ouvir a Palavra de Deus é ser “coração-terra”. A Palavra é uma realidade viva, eficaz, enviada do céu para produzir frutos em nós e realizar a salvação. A Palavra é capaz de realizar o seu objetivo, tal como a chuva e a neve, que fecundam a terra e lhe dão capacidade de produzir frutos, ou seja, de sermos bons cristãos. A Palavra, realmente eficaz sobre o nosso coração, é aquela que, como a chuva e como a neve, vem do céu, é aquela que sai da boca do próprio Deus e fecunda homens e mulheres. A palavra está plantada dentro de nós, mas ela só irá se manifestar em nossa vida, só irá criar raízes, se formos capazes de escutá-la e deixar que produza frutos em nós e para o mundo.

banner espiritualidade


Padre Mário Marcelo, scj

Mestre em zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (MG), padre Mário é também licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional de Brusque (SC) e bacharel em Teologia pela PUC-RJ. Mestre em Teologia Prática pelo Centro Universitário Assunção (SP). Doutor em Teologia Moral pela Academia Alfonsiana de Roma/Itália. O sacerdote é autor e assessor na área de Bioética e Teologia Moral; além de professor da Faculdade Dehoniana em Taubaté (SP). Membro da Sociedade Brasileira de Teologia Moral e da Sociedade Brasileira de Bioética.

comentários