A cura

Quando abordo o tema cura, amo lembrar, entre os muitos milagres feitos por Jesus, aquele da mulher afeita à hemorragia que se curou tocando o manto de Jesus. Acho muito interessante uma particular expressão reportada por Marcos, no capítulo 5, do Evangelho

“Ora, havia ali uma mulher que já por doze anos padecia de um fluxo de sangue. Sofrera muito nas mãos de vários médicos, gastando tudo o que possuía, sem achar nenhum alívio; pelo contrário, piorava cada vez mais. Tendo ela ouvido falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou-lhe no manto. Dizia ela consigo: Se tocar, ainda que seja no na orla do seu manto, estarei curada. Ora, no mesmo instante se lhe estancou a fonte de sangue, e ala teve a sensação de estar curada. Jesus percebeu imediatamente que saíra dele uma força e, voltando-se para o povo, perguntou: Quem tocou minhas vestes”? (Marcos 5,25-30).

A mesma força de Jesus é operante até os nossos dias. De fato Jesus é vivo, eterno e infinito, é o mesmo Jesus que 2000 anos atrás curava qualquer tipo de doença.

Esta força, saída de Jesus, é ainda viva. Esta força não se exauriu através dos tempos: a Sua Palavra é sempre atual e eficaz. A Sua Palavra não se transformou simplesmente em uma história porque está viva e verdadeira nos séculos e para sempre. Aquela palavra que dirigiu para filha de Jairo para a ressuscitar (Lucas 8:54) “Talita Kum”: Menina, levanta-te! É ainda atual, pois não se perdeu através do tempo. Toda esta força que saiu de Jesus é uma força de redenção para hoje e para o fim dos tempos!

Quero sublinhar precisamente isso: Jesus em tudo o que falou, em tudo que Ele fez, é ainda vivo! Nós não pedimos para Jesus somente uma cura, mas pedimos para continuar a ser curados, a para ser curados, hoje, através de tudo que Ele fez, porque para o Senhor não existem os “tempos”. Quando Ele fala da fé diz: “Se tiverdes fé, como um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para lá, e ela irá” (Mateus 17:20). Um mínimo de fé, certamente, porque não é a minha fé que me salva, sozinha, mas é aquela força que sai dEle a me salvar. Em particular nós, sacerdotes, devemos ter a coragem de deixar que Jesus nos use como instrumentos, de forma que esta força possa passar através de nós para os outros.

Oração:
Neste momento, Senhor, queremos abrir o nosso coração para Ti. Quando Tu nos escolheste, Senhor, Tu nos escolheste, Senhor, Tu não podias errar, porque Tu conheces o futuro de cada um de nós, porque Tu já sabias dos nossos erros, conhecia os nossos pecados e os nossos limites, e mesmo assim nos escolheu! Não podes dizer que Tu erraste na escolha porque já sabias de tudo.

Senhor, nós Te pedimos, porque nos escolhestes. Ajude-nos a compreender, antes de tudo, que necessitamos de Ti como nosso Salvador: que necessitamos de Ti para sermos curados, para sermos perdoados, para a nossa conversão. Em seguida nós Te pedimos: usa-nos como Tu quiseres. Sabemos que somos simples instrumentos e nos pomos em Tuas mãos para sermos usados para o bem dos outros. Senhor, enche-nos do Teu Espírito para que através dEle possamos ser transformados em instrumentos em Tuas mãos.

Queremos também pedir que Maria, nossa Mãe, esteja entre nós durante a leitura destas páginas, para nos guiar e conduzir ao seu e nosso Jesus. Amém!”

.: Do livro: Cura do Mal e Libertação do Maligno,

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.