Uma única intenção

Poemas de Dom Hélder sobre a PAZ

ANGÚSTIA DA POMBA DA PAZ

Preciso levar aos homens
o ramo de oliveira
que o Senhor Deus me confiou!
Por enquanto
não há lugar nenhum
onde pousar:
as grandes águas
se espalham
a perder de vista…
Por enquanto
serão trucidadas
as mãos que tentarem
segurar meu ramo…
Voarei a qualquer preço…
Enquanto eu não cair de cansaço.
Enquanto não for morta,
voarei, voarei, voarei…
O Senhor-Deus
que me confiou
esta missão divina.
Ele me protegerá!

Recife, 14/4/80.

O QUE TE TORNOU TÃO ASSUSTADIÇA, POMBA DA PAZ?

Por que te custa tanto
pousar no chão dos homens?
Por que não te aninhas,
um instante,
em minhas mãos
de homem sedento de paz!?…
Só virás
quando tivermos,
efetivamente,
abolido as guerras,
serenado o egoísmo,
posto limite à ambição?
quando entendermos
que não és um talismã
que atrai a paz,
mas recompensa
da paz,
que nos cabe criar?…

Recife, 13/2/76.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.