Uma Igreja com fisionomia Vocacional

Este Ano Vocacional, instituído pela CNBB, tendo como pano de fundo a carta Apostólica Novo Millennio Ineunte, apresenta o objetivo claro e contundente de abrir nossos olhos para o quadro que aí está, chamando-nos a um comprometimento decisivo, corajoso e inadiável que nos leve, cristãos católicos, a ser ‘sal e luz’, efetivamente, na nossa comunidade. Precisamos fazer sair do papel e da esfera das idéias e discursos para a ação concreta, o sonho deste Ano Vocacional: A Igreja tem se esforçado para que a justiça seja implantada em todos os cantos da terra. Temos consciência de que precisamos nos colocar a favor da vida, de modo particular a dos excluídos, como o fez Jesus (cf. Mt 25,31-46). ‘Avançar para águas mais profundas” , como pede o Papa João Paulo II, soa-nos como um apelo sem precedentes! Somos convidados a ajudar a Igreja, a posicionar-se como assembléia dos vocacionados e vocacionadas – isto é, todos nós – comprometidos, a partir do nosso batismo, motivando os, então, batizados, para que se sintam chamados, escolhidos e enviados, independentemente de sua vocação.

A proposta deste ano é: ‘ajudar a Igreja a ter, de fato, uma fisionomia vocacional’. Para que isso ocorra, é necessário que tenhamos consciência de que todos somos chamados para a missão, cada qual disponibilizando seu ideal vocacional, seu dom, ou seja, aquilo que de melhor sabe fazer em casa, no trabalho, na escola… Precisamos entender que a dimensão vocacional é essencial para a vida da Igreja e para a sua ação evangelizadora. O tema escolhido – ‘Batismo, fonte de todas as vocações’ – afirma que todas as pessoas batizadas são chamadas para juntar-se a nós. A graça recebida no batismo, faz-nos pertencer a Cristo, sem distinção. Portanto, o que importa não é ser padre, bispo, freira, engenheiro, mecânico, doméstica, dona de casa, mas discípulo e discípula de Cristo. ‘Vocação é o chamamento para seguir Jesus na diversidade de carismas, ministérios e funções’. Por isso, a animação vocacional (Pastoral Vocacional) deve ter a preocupação de ajudar cada pessoa batizada a descobrir-se como alguém que foi chamado por Deus para uma vocação específica e concreta, com os dons que o Espírito Santo a dotou. O lema, ‘Avancem para águas mais profundas’, inspirado em Lucas 5,4, pretende provocar a comunidade de vocacionadas e vocacionados a avançar, ousar, aprofundar-se. ‘É um apelo para se viver o momento presente com paixão e com coragem encarar o futuro, o novo, o diferente e todas as surpresas do Espírito’.

Diante da crise de desconfiança e de desânimo que aflige a sociedade civil e eclesial, é preciso acreditar na Palavra do Senhor que nos impele a ir para frente, arriscar (Lc 5,5), ‘lançar as redes’. Como também, orar pelas vocações, dar testemunho de fé e viver a própria vocação na fidelidade a Cristo. Como leigo carmelitano, comprometido em acolher o chamado e produzir frutos para o Reino, eu lhe pergunto: no seu lar, no trabalho, na escola, no lazer, enfim, na sua comunidade, você tem vivenciado e dado testemunho coerente de sua fé seguido pelas obras? ‘Você tem dado vida à sua vida em Cristo?’.

Este evento quer despertar a chama vocacional, a partir do compromisso batismal, para que todos os cristãos católicos assumam sua vocação e missão de evangelizadores entusiasmados com a Boa Nova do Reino.

Eduardo Rocha Quintella Fraternidade S. J. da Cruz – O.C.D.S
Adorador Noturno da Catedral Nossa Senhora da Boa Viagem – B.H.
Tel.: (0xx31) 3486 –8507

eduardoquintella@terra.com.br

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.