Um recado a você, jovem...

No dia em que eu, já velha, não for mais a mesma, tenha paciência e me compreenda…

Quando eu derramar comida em minha roupa ou esquecer de amarrar meus sapatos, lembre-se das horas que passei ensinando-lhe a fazer as mesmas coisas.

Se ao conversar comigo, eu repetir a mesma história, que você já sabe de cor como termina, não me interrompa e me escute… Quando você era pequeno, para que dormisse, tive que contar milhares de vezes as mesmas histórias, até que fechasse seus olhinhos.

Quando estivermos juntos, se por ventura eu, sem querer, vier a fazer minhas necessidades, não sinta piedade de mim, compreenda que não tenho culpa por isso, pois já não posso mais controlá-las. Pense em quantas vezes, quando você era pequenino, eu não o julguei e fiquei pacientemente ao seu lado esperando que você terminasse o que estava fazendo.

Não me recrimines por não querer tomar banho, nem me repreenda por isso. Lembre-se dos momentos em que tive que persegui-lo, e nos mil pretextos que tive que inventar para fazer mais agradável seu banho. Aceita-me e perdoa agora a criança sou eu.

Quando me vir atônita e desamparada em frente a todas as parafernálias tecnológicas, que não consigo entender, suplico que me dê todo o tempo que me seja necessário, sem me menosprezar. Lembre-se que fui eu quem lhe ensinou tantas coisas: comer, vestir-se, e sua educação para enfrentar a vida tão bem como você faz, são produtos de meu esforço e perseverança. Por meu amor a você.

Quando algumas vezes, ao conversarmos, eu vier a esquecer sobre o que estávamos falando, me dê o tempo necessário para que eu me lembre e, se eu não conseguir fazê-lo, não zombe de mim, talvez não fosse muito importante o que falávamos.

Quando minhas pernas falharem por eu estar cansada para andar, dê-me sua mão terna para que eu me apóie, como fiz quando você começou a caminhar com suas pernas gordinhas e frágeis.

(…)

Não se sinta triste ou impotente por me ver como me vê, me dê seu coração. Compreenda-me e faça como fiz quando você começou a viver, da mesma maneira como acompanhei em seu caminho, rogo-lhe que me acompanhe até terminar o meu, dando-me amor e paciência, que eu lhe devolverei com gratidão e sorrisos, o imenso amor que tenho por você.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.