Um olhar...

É interessante percebermos as formas que o mundo tem de classificar as pessoas, seja para emprego, estudo (universidades, faculdades) ou tantas outras realidades. Sempre levam em conta as experiências, qualidades, aptidões e, é claro, as que são visíveis, nítidas e palpáveis. Às vezes, a menor falha, erro, já é motivo de desclassificação.

Quando então, contrapomos essa realidade com a forma de Cristo classificar as pessoas, vemos a notável diferença. Identificamos isso claramente, por exemplo, no olhar de Cristo sobre Pedro. O que levaria Jesus a escolher um pescador sem muita cultura, cabeça dura, medroso, inconstante, que uma hora diz estar pronto para dar a própria vida e depois nega o Senhor três vezes, e ainda para ser o líder da Igreja?

E a resposta é justamente esta forma que Jesus tem de selecionar as pessoas, que é contrária à do mundo, e que não é seleção de alguns, mas de todos que se abrem à sua graça. O seu olhar vai além das aparências, o seu olhar penetra o mais íntimo, vai à essência de cada ser e vislumbra que aquilo que é ignorância, pode tornar-se sabedoria, aquilo que é medo, coragem, o que é inconstância, tempera e constante fidelidade que conduz ao extremo do amor, como levou o mesmo Pedro a morrer crucificado de cabeça para baixo, por não se achar digno de morrer como o seu Senhor.

Talvez hoje, seja importante e necessário, revermos nossa vida, nossa história, com o olhar de Cristo. Acredite: muita coisa vai mudar!

Coragem!

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.